Última verificação : 04/07/2018

Acesso à Internet

Ligação à Internet

Onde quer que esteja na UE, deve poder aceder a serviços de comunicações eletrónicas de boa qualidade e a preços acessíveis, nomeadamente à Internet (pelo menos, um acesso básico). Deve haver, pelo menos, um fornecedor de Internet que assegure esse serviço. É que se designa princípio do «serviço universal».

Em determinados casos, por exemplo se existirem problemas de viabilidade técnica, o seu pedido poderá não ser considerado «razoável» e ser recusado.

Para mais informações, contacte as entidades reguladoras nacionaisen do seu país, que o porão em contacto com o seu fornecedor de serviço universal.

Experiência pessoal

Jack, que foi viver para uma zona recôndita da Escócia, gostaria de ter ligação à Internet na sua casa nova. Contactou vários operadores, que lhe disseram que não cobriam a região, até que descobriu quem era o prestador de serviço universal na Escócia. Contactou então esse operador, que lhe forneceu uma ligação à Internet.

Neutralidade da rede

Tem direito a aceder e a distribuir o conteúdo e os serviços em linha que desejar. O seu fornecedor de Internet não pode bloquear, tornar mais lentos ou discriminar determinados conteúdos, aplicações ou serviços em linha, com exceção de três casos específicos:

É isto que se chama «neutralidade da rede».

Experiência pessoal

John, um cidadão britânico que começou recentemente a trabalhar na Alemanha, queria utilizar uma aplicação de videochamadas para falar com a família sem gastar dinheiro no telefone. Ficou contente quando descobriu que havia várias aplicações gratuitas de videochamadas que podia utilizar com a sua ligação à Internet.

A legislação europeia em matéria de neutralidade da rede proíbe os fornecedores de Internet de bloquear aplicações ou de cobrar taxas adicionais pelas aplicações de videochamadas.

Assinaturas de serviços Internet

O seu fornecedor de Internet deve informá-lo sobre:

Experiência pessoal

Laura, que vive na Roménia, queria ter uma ligação à Internet em casa, mas tinha dúvidas quanto à qualidade dos serviços previstos nos vários pacotes propostos.

Felizmente, conforme exigido por lei, todos os prestadores de serviços davam informações suficientes nos seus sítios Web. Além disso, a entidade reguladora romena também dava informações complementares.

O fornecedor de Internet deve igualmente:

Experiência pessoal

Eric queria ter ligação à Internet em casa em Londres onde ia passar um ano no quadro de um intercâmbio universitário. Mas os operadores que contactou disseram-lhe que a duração mínima do contrato era de dois anos.

Depois de consultar a entidade reguladora nacional competente e de se informar sobre o seus direitos, Eric voltou a contactar os operadores e conseguiu obter um contrato de um ano.

Assistência especial para utilizadores com deficiência

Se é um utilizador com deficiência, tem direito a beneficiar da mesma variedade de serviços que a maioria dos consumidores.

Além disso, poderá ter direito a que o seu prestador de serviços lhe forneça dispositivos de acessibilidade especiais, tais como, por exemplo, sistemas de magnificação e de leitura de ecrã, caso tenha uma deficiência visual.

Para mais informações sobre direitos de acessibilidade, contacte a entidade reguladora nacionalen .

Experiência pessoal

Véronique, cidadã francesa, tem problemas de visão. Necessita, por isso, de assistência especial para poder consultar a Internet.

Por indicação de um amigo, informou-se junto do prestador de serviço universal francês sobre a possibilidade de obter um sistema de leitura de ecrã e esse prestador disponibilizou-lhe o software necessário.

Legislação da UE

Precisa de mais informações sobre as regras em vigor num determinado país?

Precisa de ajuda dos serviços de assistência?

Contacte um serviço de apoio especializado

Partilhar esta página: