Última verificação: 06/09/2019

Contratos com consumidores

Decisão do Reino Unido de invocar o artigo 50.º do TUE: Mais Informações

A legislação europeia estabelece algumas obrigações de equidade e transparência nos contratos celebrados com os consumidores.

Quais são as cláusulas em causa?

As informações que se seguem dizem respeito apenas à venda aos consumidores que compram fora da sua esfera profissional. Não se aplicam às vendas entre empresas.

Os requisitos estabelecidos pela UE são aplicáveis a qualquer cláusula contratual que não seja negociada individualmente com o consumidor, como é o caso das cláusulas-padrão, que são redigidas antecipadamente. São especificamente excluídos tanto o objeto principal do contrato como os aspetos relacionados com a relação qualidade-preço.

Tenha em conta que, se pretender invocar o facto de o contrato ter sido negociado individualmente, terá de provar esta circunstância.

Os contratos devem ser equitativos

As cláusulas-padrão utilizadas habitualmente devem ser equitativas, independentemente de serem designadas «condições gerais» ou fazerem parte de um contrato detalhado.

Ao abrigo da legislação europeia, as cláusulas-padrão não devem:

O vendedor deve agir de boa fé, tendo em conta os interesses legítimos dos consumidores e tratando-os de forma leal e equitativa.

As cláusulas contratuais abusivas não são vinculativas

Se determinadas cláusulas de um contrato forem abusivas, essas cláusulas não vinculam o consumidor. O vendedor não pode obrigar o consumidor a cumpri-las, mesmo se este tiver assinado o contrato.

Se a cláusula abusiva em questão não for um elemento essencial do contrato, o resto do contrato (sem a cláusula abusiva) continua a vincular o consumidor.

Os contratos devem ser transparentes

As cláusulas contratuais devem ser redigidas numa linguagem clara e facilmente compreensível. As cláusulas devem ser não só gramaticalmente corretas, mas o consumidor deve poder compreender claramente as suas consequências económicas.

Qualquer ambiguidade será interpretada a favor do consumidor.

Exemplos de cláusulas potencialmente abusivas

Além dos requisitos gerais de «boa fé» e «equilíbrio», as regras da UE contêm uma lista de cláusulas específicas que podem ser consideradas abusivas.

Eis alguns exemplos concretos de cláusulas contratuais que podem ser consideradas abusivas à luz da legislação europeia:
 

1. Responsabilidade em caso de morte ou de lesões sofridas pelo consumidor

Cláusula que exclui ou limita a responsabilidade do profissional em caso de morte ou de lesões de um consumidor em resultado de um ato ou omissão da parte do profissional.

2. Indemnização em caso de não execução das obrigações contratuais por parte do profissional

Cláusula que exclui ou limita de forma inadequada os direitos dos consumidores a uma indemnização se o profissional não cumprir a sua parte do contrato.

3. Cláusula de rescisão a favor do profissional

Cláusula que permite que o profissional não efetue a prestação de um serviço pela simples razão de este não lhe convir, mas que continua a vincular o consumidor.

4. Indemnização unilateral em caso de anulação

Cláusula que permite ao profissional reter montantes pagos pelo consumidor se este rescindir o contrato, sem prever o pagamento de uma indemnização equivalente para o consumidor no caso de o profissional rescindir o contrato.

5. Indemnização excessiva

Cláusula que permite impor ao consumidor que não cumpre a sua obrigação o pagamento de uma indemnização exageradamente elevada.

6. Anulação unilateral

Cláusula que autoriza o profissional a rescindir o contrato unilateralmente, mas que não prevê o mesmo direito a favor do consumidor.

7. Rescisão de última hora

Cláusula que autoriza o profissional a rescindir um contrato de duração indeterminada sem um pré-aviso razoável, exceto por motivo de força maior.

8. Prorrogação automática de um contrato de duração determinada

Cláusula que obriga o consumidor a notificar a sua intenção de rescindir o contrato com demasiado tempo de antecedência.

9. Cláusulas escondidas

Cláusulas que vinculam o consumidor, ainda que este dificilmente possa ter conhecimento da sua existência antes da celebração do contrato.

10. Alterações unilaterais do contrato

Cláusula que autoriza o profissional a alterar unilateralmente o contrato sem razão válida e especificada no mesmo.

11. Alterações unilaterais do produto ou serviço

Cláusula que autoriza o profissional a alterar unilateralmente e sem razão válida algumas das características do produto ou serviço a fornecer.

12. Variação de preços

Cláusula que permite ao profissional determinar o preço final aquando da entrega ou aumentá-lo sem dar ao consumidor a possibilidade de rescindir o contrato se o preço final for muito mais elevado do que o preço inicialmente previsto.

13. Interpretação unilateral do contrato

Cláusula que confere ao profissional o direito de interpretar qualquer cláusula do contrato e de decidir se o produto ou o serviço em causa está em conformidade com as disposições do contrato.

14. Incumprimento da obrigação de respeitar os compromissos assumidos pelo pessoal da empresa

Cláusula que permite ao profissional furtar-se ao cumprimento dos compromissos assumidos pelo seu pessoal ou condicionar esses compromissos a outras condições.

15. Cumprimento unilateral das obrigações

Cláusula que obriga os consumidores a cumprir todas as suas obrigações, mesmo que o profissional não tenha cumprido as suas.

16. Cessão do contrato a outro profissional com condições menos favoráveis

Cláusula que autoriza o profissional a ceder o contrato sem o acordo do consumidor, que fica sujeito a um contrato eventualmente menos favorável.

17. Restrição do direito de intentar uma ação judicial

Cláusula que restringe a forma e as instâncias junto das quais o consumidor pode intentar uma ação judicial e que lhe impõem o ónus da prova que caberia normalmente à outra parte contratante.

Informações sobre as regras nacionais

A legislação europeia relativa às cláusulas contratuais abusivas estabelece requisitos mínimos que podem ser reforçados ou ampliados pela legislação nacional.

Para mais informações sobre as regras aplicáveis, dirija-se à Rede Europeia de Empresas no seu país.

Programa Consumer Law Ready

O programa Consumer Law Ready é um programa que oferece cursos de formação gratuitos em direito do consumidor para microempresas e PME de toda a UE. Para garantir que a sua PME está atualizada no que se refere ao direito do consumidor, inscreva-se num curso de formação no seu país.

Se preferir aprender ao seu próprio ritmo, registe-se para aceder ao material de formação. Posteriormente, poderá fazer um teste por computador e obter um certificado que valide os seus conhecimentos.

Visite o portal Consumer Law Readyen para saber como registar-se

Tópicos Relacionados

Precisa de ajuda dos serviços de assistência?

Contacte um serviço de apoio especializado

Apoio local às empresas

Tem dúvidas sobre como fazer negócios além-fronteiras, nomeadamente sobre como expandir as suas atividades ou passar a exportar para outro país da UE? A rede europeia de empresas Enterprise Europe Network pode aconselhá-lo gratuitamente.

Partilhar esta página: