Última verificação : 30/04/2018

Planear uma herança transnacional

Pode optar pela aplicação da lei do país do qual é nacional à sua herança

Regra geral, a sua herança, ou, em termos jurídicos, sucessão, será tratada por uma autoridade – frequentemente um tribunal ou um notário – no último país da UE onde residiu. Na maioria dos casos, essa autoridade aplicará a lei desse país à sua herança.

Todavia, a legislação europeia permite-lhe optar pela aplicação da lei do país do qual é nacional, independentemente de se tratar ou não de um país da UE.

Se tiver várias nacionalidades, pode escolher a lei de qualquer um dos países em causa.

Para o efeito, deve manifestar a sua escolha de forma clara e explícita em testamento ou numa declaração específica. Para ser considerado válido, o testamento ou declaração deve respeitar os requisitos:

Casos em que as autoridades podem recusar-se a aplicar a legislação que escolheu

Aspetos regidos pela lei aplicável à sua herança

A lei nacional aplicável à sua herança (isto é, a lei do país da UE onde residir no momento da morte ou a lei do seu país de origem) rege a sucessão de todos os seus bens, independentemente da respetiva localização e do facto de serem móveis (por exemplo, um automóvel ou uma conta bancária) ou imóveis (por exemplo, uma casa).

A lei nacional determina questões como:

As normas da UE em matéria de heranças não determinam a autoridade responsável pelo tratamento de uma herança nem a lei aplicável a certas matérias relacionadas com heranças, como:

Experiência pessoal

Nigel é um pensionista britânico que decidiu mudar-se para França depois de se reformar. Comprou casa neste país onde vive há mais de oito anos. Nos últimos cinco tem vivido com a companheira, Anne.

Uma vez que Nigel vive em França, pode ser conveniente para os herdeiros de Nigel que seja um notário francês a administrar a herança. Em princípio, a herança de Nigel estará sujeita à lei francesa, uma vez que França deverá ser o último país em que Nigel irá viver. É a lei francesa, por conseguinte, que determinará os herdeiros, incluindo as quotas da herança reservadas aos filhos, e os direitos de Anne à herança, uma vez que Nigel e Anne não são casados.

Contudo, a lei inglesa dá mais liberdade a Nigel para decidir quem herdará os seus bens. É por isso que ele opta por indicar no seu testamento que à sua herança deve ser aplicada a lei inglesa, designando Anne como herdeira de todos os seus bens em França.

Informe-se sobre a lei aplicável às heranças num país específico

Informações sobre procedimentos, herdeiros e quotas a que têm direito, testamentos válidos, etc., em cada país da UE.

Selecione:

  • Áustriaatpt
  • Bélgicabept
  • Bulgáriabgpt
  • Croáciacrpt
  • Chiprecypt
  • República Checaczpt
  • Estóniaeept
  • Finlândiafipt
  • Françafrpt
  • Alemanhadept
  • Gréciagrpt
  • Hungriahupt
  • Itáliaitpt
  • Letónialvpt
  • Lituânialtpt
  • Luxemburgolupt
  • Maltamtpt
  • Países Baixosnlpt
  • Polóniaplpt
  • Portugalptpt
  • Roméniaropt
  • Eslováquiaskpt
  • Eslovéniasipt
  • Espanhaespt
  • Suéciasept

Administrar uma herança transnacional

Descubra de que forma a sua família e outras pessoas que lhe são próximas podem administrar a sua herança caso esta envolva mais de um país da UE.

Legislação da UE

Precisa de mais informações sobre as regras em vigor num determinado país?

Precisa de ajuda dos serviços de assistência?

Contacte um serviço de apoio especializado

Partilhar esta página: