Portal Europeu da Juventude

Informações e oportunidades para os jovens na Europa.

© shutterstock.com - mangostock

Bem-estar dos jovens - qual é a situação a nível mundial?

Como vivem os jovens na tua região em comparação com os outros países? Para ficares a saber, consulta o índice da OCDE (Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos) e o índice mundial sobre o bem-estar dos jovens.

Better Life Index da OECD

A OCDE gere a iniciativa «Viver melhor» que produz estatísticas sobre as condições de vida materiais e a qualidade de vida (saúde, educação e ambiente). As estatísticas são publicadas por país, idade e sexo, e mostram o desenvolvimento relativo das sociedades no mundo. No mapa interativo, podes ver que regiões têm os melhores resultados a nível das várias dimensões que definem o bem-estar.

 

A taxa média de satisfação geral com a vida na OCDE é de 6,6. A Dinamarca, a Islândia e a Suíça têm os melhores resultados.

 

65 % das pessoas em idade ativa (15-64) têm um trabalho remunerado. As taxas mais elevadas registam-se na Islândia (82 %), na Suíça (80 %) e na Noruega (75 %) e as mais baixas na Grécia (49 %), na Turquia (50 %) e na Espanha (56 %).

 

Há ainda uma grande diferença entre homens e mulheres no mercado de trabalho. Em geral, 58 % das mulheres têm trabalho em comparação com 73 % dos homens. A diferença é maior na Turquia e no México e menor nos países nórdicos, na Estónia e no Canadá.

 

No que se refere à participação cívica, a média da afluência às urnas foi de 68 % nos países da OCDE. Em média, só há cerca de 28 % de mulheres nos parlamentos nacionais.

 

Índice mundial sobre o bem-estar dos jovens

O Índice mundial sobre o bem-estar dos jovens recolhe e trata dados para avaliar e comparar o bem-estar dos jovens em todo o mundo, englobando seis aspetos:

  • participação cívica
  • oportunidades económicas
  • educação
  • saúde
  • tecnologias da informação e da comunicação
  • segurança

 

As classificações têm em conta indicadores baseados na própria perceção dos jovens, uma vez que o grau de descontentamento manifestado nem sempre corresponde ao grau de prosperidade.

 

A maioria dos jovens não estão satisfeitos com a vida que levam. Só 15 % dizem que se sentem bem ou bastante bem. Em geral, os jovens têm os melhores resultados a nível da saúde e os piores a nível das oportunidades económicas, mesmo em países em que o bem-estar é elevado.

 

Mais de dois terços dos países têm resultados acima da média quando se trata da saúde. Os países de alto rendimento tendem a ter taxas de natalidade e de mortalidade relativamente baixas. Em contrapartida, têm frequentemente níveis de stress e de depressão mais elevados.