EU PROTECTS > A nossa segurança > Nenhum homem é uma ilha: como uma agência da UE ajuda a proteger as fronteiras

«A crise migratória foi um dos maiores desafios que enfrentámos nos últimos anos.»

Antonis Kelaiditis

Em 2015, a ilha grega de Lesbos foi confrontada com uma crise. Os contrabandistas que traziam pessoas desesperadas pelo Mediterrâneo em barcos improvisados punham vidas em risco e exerciam uma enorme pressão sobre os recursos limitados da ilha. Os habitantes locais e as ONG ajudavam os migrantes à medida que chegavam, mas o fluxo deixou a ilha vulnerável a várias ameaças de segurança, principalmente ao tráfico de pessoas e de drogas. A supervisão e o controlo de fronteiras coordenados foram essenciais para salvar vidas e permitir que os cidadãos de Lesbos voltassem a um certo grau de normalidade.

Saiba mais sobre a agência da UE que ajuda os serviços gregos a patrulhar a costa, verificar os refugiados e migrantes, efetuar controlos de segurança e tranquilizar a comunidade local.

Reproduzir o vídeo

Nenhum homem é uma ilha: como uma agência da UE ajuda a proteger as fronteiras

Quando os migrantes começaram a chegar às praias de Lesbos, na Grécia, os habitantes locais fizeram o seu melhor para salvar vidas e fornecer abrigo. Contudo, os serviços de controlo de fronteiras e a polícia ficaram rapidamente sobrecarregados com o exorbitante número de chegadas. Atualmente, a agência de proteção das fronteiras da UE e guarda costeira grega trabalham em conjunto para restituir a segurança e proteção à comunidade da ilha.

Desloque-se para continuar

EU Protects: patrulhar a fronteira marítima da UE

Antonis Kelaiditis

Presidente da Câmara Municipal de Petra em Lesbos

Grécia

«Quando a crise migratória começou na Europa, a comunicação social apresentou Lesbos como a ilha dos refugiados. Os barcos continuavam a chegar e desembarcar em qualquer lugar sem aviso. Desde 2015, a Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (Frontex) enviou guardas, barcos e equipamento para assegurar a segurança dos nossos portos e verificar os migrantes.»

«A cooperação entre a Frontex e a guarda costeira grega ajudou a estabilizar a situação na ilha.»

 - Antonis Kelaiditis

Agata Motek

Centro de situação da Frontex, sede da Frontex

Polónia

«A Frontex ajuda os países europeus a assegurar a segurança das suas fronteiras. A partir da nossa sede em Varsóvia, recolho diariamente atualizações sobre a situação de segurança e partilho-as, entre outros pormenores, com as guardas costeiras nacionais: o número de pessoas e barcos que tentam entrar na UE. Na Grécia, por exemplo, ajudámos recentemente a capturar uma embarcação que traficava 6 toneladas de haxixe.»

«Só podemos proteger com eficácia as fronteiras da Europa se trabalharmos em conjunto.»

 - Agata Motek

Henrique Marques

Português, supervisão marítima, operação da Frontex Poseidon

Grécia

«Eu comando um barco de patrulha na costa de Lesbos. Trabalhamos com a sede da Frontex e a guarda costeira grega para monitorizar as atividades suspeitas e ajudar nas operações de salvamento no mar. Uma vez os habitantes locais comunicaram ter ouvido gritos algures na costa. Quando chegamos ao local, descobrimos um pequeno barco de borracha a afundar-se que estava sobrelotado com aproximadamente 70 pessoas a bordo. Salvámo-las e certificámo-nos de que eram levadas em segurança para terra.»

«Qualquer grande multidão de pessoas tem o potencial para causar uma crise de segurança e a situação com os migrantes em Lesbos não foi diferente. É por esta razão que a coordenação da UE se revelou essencial.»

 - Henrique Marques

Nadir Karrouch

Holandês, supervisão terrestre, operação da Frontex Poseidon

Grécia

«Eu providencio o transporte seguro de migrantes, desde os pontos de recolha onde os barcos chegam até ao centro de Moria. Também ofereço o transporte para estações da polícia e hospitais. Em 2015, a ilha de Lesbos foi bastante afetada por um número extremamente grande de chegadas de pessoas e por esta razão foi necessária uma resposta europeia.»

«Em Lesbos, estamos a tentar o nosso melhor para promover a segurança e proteção dos migrantes e populações locais. Quero fazer a minha parte para ajudar.»

 - Nadir Karrouch

Sašo Pikon

Esloveno, perito em rastreio, operação da Frontex Poseidon

Grécia

«Sou um perito em rastreio no centro de Moria aqui em Lesbos. O meu trabalho é confirmar a nacionalidade dos migrantes quando chegam à ilha porque muitos deles não possuem identificação. Ajudo a polícia local a registar os migrantes. Sou europeu e considero que as fronteiras da Grécia também são as nossas fronteiras. É fundamental para a nossa segurança sabermos quem as atravessa. Esta é uma questão permanente e é por isso que a cooperação entre a Frontex e as autoridades gregas continua.»

«Lesbos tem sido o centro da crise migratória europeia, mas estamos a manter a situação sob controlo.»

 - Sašo Pikon

Sabia que...?

Mais de 2 mil milhões de euros

O valor do financiamento da UE para enfrentar os desafios da migração na Grécia até finais de 2018. Durante o mesmo período, aproximadamente 965 milhões de euros foram atribuídos à Itália.

1 200-1 700

O número de agentes permanentemente destacados pela Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (Frontex) para as fronteiras marítimas, terrestres e aéreas da UE. A agência da UE responde aos pedidos de países europeus que necessitam de assistência adicional nas suas fronteiras oferecendo pessoal e equipamento para reforçar o controlo das fronteiras (por exemplo, patrulhas marítimas, verificação de impressões digitais e de segurança, registos, etc.).

3

O número de operações marítimas realizadas pela Frontex. As operações Poseidon, Indalo e Themis são essenciais para a patrulha das fronteiras marítimas da UE, localizando os criminosos e salvando vidas. São realizadas em conjunto pela Frontex e autoridades nacionais na Grécia, em Espanha e Itália, respetivamente.

700 000

O número de vidas salvas no Mediterrâneo e no mar Egeu desde 2015, graças, em parte, às operações da UE.

66 000 km

O comprimento total da costa da Europa. A Frontex é responsável pela monitorização destas fronteiras costeiras, bem como de mais 13 000 de quilómetros de fonteiras terrestres.

QUEM SÃO OS OUTROS HERÓIS QUE PROTEGEM AS FRONTEIRAS DA EUROPA?

Talvez alguns destes heróis sejam do seu país.

Unida pela UE, existe uma rede de heróis locais que trabalham em conjunto para resolver os problemas do tráfico de pessoas, controlar os fluxos migratórios e manter as nossas fronteiras seguras. Desde agentes da polícia a magistrados do Ministério Público, de equipas de salvamento a coordenadores de asilo, saiba como a UE apoia os heróis locais no seu país.