Navigation path

Left navigation

Additional tools

 

 

 

CONSELHO DA
UNIÃO EUROPEIA

 

PT

16585/08 (Presse 355)

(OR. fr)

COMUNICADO DE IMPRENSA

2912.ª reunião do Conselho

Ambiente

Bruxelas, 4 de Dezembro de 2008

Presidente             Jean­‑Louis BORLOO
Ministro francês de Estado, da Ecologia, da Energia, do Desenvolvimento Sustentável e do Ordenamento do Território
Nathalie KOSCIUSKO­‑MORIZET
Secretária de Estado francesa responsável pela Ecologia

 


Principais resultados do Conselho

O Conselho aprovou conclusões sobre os organismos geneticamente modificados.

Os Ministros debateram o pacote legislativo "clima­‑energia" durante o almoço informal.


ÍNDICE 1

PARTICIPANTES.............................................................................................................................. 5

PONTOS DEBATIDOS

DESAFIOS DO MERCÚRIO À ESCALA MUNDIAL – Conclusões do Conselho............................. 7

PREVENÇÃO E CONTROLO INTEGRADOS DA POLUIÇÃO..................................................... 11

Plano DE acÇÃO PARA UM consUMO E produÇÃO SUSTENTÁVEIS E UMA POLÍTICA INDUSTRIAL SUSTENTÁVEL Conclusões do Conselho.............................................................. 11

PaCOTE LEGISLATIVO SOBRE AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ............................................ 12

ENFRENTAR OS DESAFIOS DA DESFLORESTAÇÃO E DA DEGRADAÇÃO FLORESTAL PARA COMBATER AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A PERDA DE BIODIVERSIDADE – Conclusões do Conselho............................................................................................................................................. 12

ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS – Conclusões do Conselho........................ 12

DIVERSOS......................................................................................................................................... 13

OUTROS PONTOS APROVADOS

AMBIENTE

               Mediterrâneo – Convenção relativa à protecção das zonas costeiras............................................................................. 15

ASSUNTOS ECONÓMICOS E FINANCEIROS

               Normas internacionais de relato financeiro.......................................................................................................................... 16

               Relato financeiro relacionado com prospectos e anúncios publicitários........................................................................ 16

PESCAS

               Mar Negro – Pregado.............................................................................................................................................................. 16

ESTATÍSTICAS

               Empregos vagos na UE........................................................................................................................................................... 17

TRANSPARÊNCIA

               Acesso do público a documentos......................................................................................................................................... 17

NOMEAÇÃO

                Comité Económico e Social Europeu..................................................................................................................................... 18


PARTICIPANTES

Os Governos dos Estados­‑Membros e a Comissão Europeia estiveram representados do seguinte modo:

Bélgica:

Evelyne HUYTEBROECK                                                                            Ministra do Governo da Região de Bruxelas­‑Capital, encarregada do Ambiente, da Energia e da Política da Água

Bulgária:

Chavdar GEORGIEV                                                                                     Vice­‑Ministro do Ambiente e dos Recursos Hídricos

República Checa:

Martin BURSÍK                                                                                             Primeiro Vice‑Ministro e Ministro do Ambiente

Dinamarca:

Troels Lund POULSEN                                                                                 Ministro do Ambiente

Connie HEDEGAARD                                                                                  Ministra do Ambiente e da Energia

Alemanha:

Matthias MACHNIG                                                                                    Secretário de Estado Federal do Ambiente, da Protecção da Natureza e da Segurança dos Reactores

Estónia:

Jaanus TAMKIVI                                                                                          Ministro do Ambiente

Irlanda:

John GORMLEY                                                                                           Ministro do Ambiente, do Património e do Poder Local

Grécia:

Stavros KALOGIANNIS                                                                               Secretário de Estado do Ambiente, do Ordenamento do Território e das Obras Públicas

Espanha:

Elena ESPINOSA MANGANA                                                                    Ministra do Ambiente e do Meio Rural e Marinho

Francisco Martín GALLEGO                                                                        Ministro do Ambiente da Comunidade Autónoma da Cantábria

França:

Jean­‑Louis BORLOO                                                                                     Ministro de Estado, da Ecologia, da Energia, do Desenvolvimento Sustentável e do Ordenamento do Território

Nathalie KOSCIUSKO­‑MORIZET                                                              Secretária de Estado, responsável pela Ecologia

Itália:

Stefania PRESTIGIACOMO                                                                         Ministra do Ambiente, da Protecção do Território e do Mar

Chipre:

Michalis POLYNIKI CHARALAMBIDES                                                  Ministro da Agricultura, dos Recursos Naturais e do Ambiente

Letónia:

Raimonds VEJONIS                                                                                       Ministro do Ambiente

Lituânia:

Artūras PAULAUSKAS                                                                                Ministro do Ambiente

Luxemburgo:

Lucien LUX                                                                                                     Ministro do Ambiente, Ministro dos Transportes

Hungria:

Lajos OLÁH                                                                                                   Secretário de Estado do Ambiente e da Gestão dos Recursos Hídricos

Malta:

George PULLICINO                                                                                      Ministro dos Recursos e dos Assuntos Rurais

Países Baixos:

Jacqueline CRAMER                                                                                     Ministra da Habitação, do Ordenamento do Território e do Ambiente

Áustria:

Nikolaus BERLAKOVICH                                                                            Ministro Federal da Agricultura, das Florestas, do Ambiente e da Gestão dos Recursos Hídricos

Polónia:

Stanisław GAWŁOWSKI                                                                              Secretário de Estado, Ministério do Ambiente

Portugal:

Francisco NUNES CORREIA                                                                       Ministro do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional

Roménia:

Silviu STOICA                                                                                               Secretário de Estado, Ministério do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável

Eslovénia:

Karl Viktor ERJAVEC                                                                                   Ministro do Ambiente

Eslováquia:

Ján CHRBET                                                                                                  Ministro do Ambiente

Finlândia:

Paula LEHTOMÄKI                                                                                     Ministra do Ambiente

Suécia:

Andreas CARLGREN                                                                                    Ministro do Ambiente

Reino Unido:

Ed MILIBAND                                                                                              Ministro da Ener gia e do Aquecimento Climático

Philip HUNT                                                                                                 Ministro Adjunto do Ambiente, da Alimentação e dos Assuntos Rurais e Ministro adjunto da Energia e das Alterações Climáticas

 

Comissão:

Stavros DIMAS                                                                                             Membro


PONTOS DEBATIDOS

DESAFIOS DO MERCÚRIO À ESCALA MUNDIAL – Conclusões do Conselho

O Conselho aprovou as seguintes conclusões:

"O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA:

1.           REITERA que o mercúrio é reconhecido como uma substância persistente, tóxica, bioacumulável e com a propriedade de se propagar a longa distância e AFIRMA o seu empenhamento no objectivo geral de proteger a saúde humana e o ambiente da libertação de mercúrio e seus compostos, minimizando e, se possível, eliminando por fim, à escala mundial, as libertações antropogénicas de mercúrio no ar, na água e nos solos.

2.           RECORDA que, nas suas conclusões de 24 de Junho de 2005, o Conselho considerou essencial prosseguir e intensificar os esforços a nível internacional para reduzir as emissões e a exposição ao mercúrio à escala mundial a fim de conseguir chegar a uma supressão faseada a nível mundial da produção primária, evitar que os excedentes voltem a ser introduzidos no mercado e suprimir gradualmente a utilização e o comércio de mercúrio, tendo em conta a existência de alternativas.

3.           SUBLINHA os progressos verificados na implementação da Estratégia Comunitária sobre o Mercúrio desde 2005, nomeadamente a adopção de actos legislativos consagrados exclusivamente ao mercúrio: a Directiva de 2007 relativa à limitação da colocação no mercado de certos instrumentos de medição que contêm mercúrio e o Regulamento sobre a proibição da exportação de mercúrio metálico da União Europeia e o armazenamento seguro de mercúrio a partir de Março de 2011, que foi aprovado este ano. Nos termos do referido regulamento, o mercúrio metálico tem de ser armazenado de forma segura em instalações da UE que garantam um alto nível de segurança.


4.           APOIA as Decisões 22/4, 23/9 e 24/3 do Conselho de Administração do PNUA e confirma a necessidade de tomar, a nível internacional, novas medidas a longo prazo destinadas a reduzir os riscos representados pelo mercúrio para a saúde humana e para o ambiente.

5.           CONGRATULA­‑SE com os trabalhos do Grupo ad hoc de composição aberta do PNUA, que procedeu à revisão e avaliação das opções para reforçar medidas facultativas, bem como novos instrumentos jurídicos internacionais ou os instrumentos já existentes e SUBSCREVE os resultados alcançados pelo Grupo, que propõe um quadro global para enfrentar os desafios do mercúrio à escala mundial.

6.           CONSIDERA que um acordo multilateral no domínio do ambiente seria o instrumento mais adequado, que permitiria, nomeadamente, demonstrar uma vasta apropriação do objectivo global, abranger acções e compromissos políticos a longo prazo que têm de ser tratados de múltiplas maneiras para garantir o seu êxito, envolvendo Governos, organizações regionais de integração económica, organizações intergovernamentais e não governamentais e outras partes interessadas; fornecer autoridade legislativa; abranger com flexibilidade todas as fases do ciclo de vida do mercúrio desde a produção e as utilizações até às libertações (deliberadas ou fortuitas), as reservas e os resíduos; criar condições equitativas para todas as partes interessadas, incentivando­‑as assim a encontrar soluções respeitadoras do ambiente; permitir que os países implementem medidas comerciais sobre o mercúrio de modo transparente, não discriminatório e acordado a nível multilateral; fornecer apoio financeiro e técnico a longo prazo aos países em desenvolvimento com base numa abordagem adoptada de comum acordo.

7.           CONSIDERA que o novo instrumento sobre o mercúrio deve inscrever­‑se no âmbito do processo de cooperação e coordenação entre a Convenção de Basileia sobre o Controlo de Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e sua Eliminação, a Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes (POP) e a Convenção de Roterdão relativa ao Procedimento de Prévia Informação e Consentimento para Determinados Produtos Químicos e Pesticidas Perigosos no Comércio Internacional (PIC), a fim de contribuir para criar sinergias duradouras no agregado "produtos químicos " e "resíduos".


8.           ACORDA em que a Comunidade Europeia e os seus Estados­‑Membros, na 25.ª reunião do Conselho de Administração do PNUA, devem esforçar­‑se por chegar a uma decisão de fundo no sentido de dar início ao rápido desenvolvimento de um acordo multilateral autónomo no domínio do ambiente que abranja o mercúrio e seja aplicado a nível mundial.

9.           ACORDA em que, no processo que conduzirá a esse acordo multilateral no domínio do ambiente, deverá ser elaborado um mecanismo que permita que o acordo abranja outras substâncias, tais como, por exemplo, substâncias inorgânicas, uma vez que se reconheça que estas constituem uma preocupação a nível mundial.

10.         SALIENTA que esse acordo multilateral global no domínio do ambiente deve ter em conta a totalidade do ciclo de vida do mercúrio e incluir uma vasta gama de elementos que representem acções e compromissos específicos para a consecução do objectivo geral e AFIRMA o seu apoio a que o acordo multilateral no domínio do ambiente seja estruturado por forma a poder incluir acções destinadas a:

               reduzir a oferta de mercúrio,

               reduzir a procura de mercúrio ligada à sua utilização em produtos e processos de produção,

               reduzir o comércio internacional de mercúrio,

               reduzir as emissões de mercúrio para a atmosfera,

               realizar uma gestão ecológica dos resíduos que contenham mercúrio,

               encontrar soluções ecológicas para a armazenagem do mercúrio,

               proceder à recuperação dos locais contaminados,

               aumentar os conhecimentos.


11.         CONSIDERA que esse acordo multilateral no domínio do ambiente deve conter diferentes graus de obrigação relativamente às acções específicas para enfrentar os desafios do mercúrio à escala mundial.

12.         RECONHECE que as obrigações jurídicas exigem um reforço das capacidades e uma assistência técnica e financeira para serem implementadas com êxito por todas as partes e CONSIDERA que se deveria recorrer ao Fundo Mundial para o Ambiente para financiar o reforço das capacidades e os projectos relativos ao mercúrio, sob reserva do mandato deste Fundo.

13.         COMPREENDE as necessidades e os problemas específicos dos vários países, tais como a importância de responderem às suas crescentes necessidades em matéria de energia, o desafio levantado pela armazenagem ecológica do mercúrio a médio e a longo prazo, e a importância do conhecimento e da recolha de informações na implementação de um acordo multilateral no domínio do ambiente.

14.         CONGRATULA­‑SE com o trabalho realizado e APELA ao reforço do Programa do PNUA sobre o mercúrio e da Parceria Global sobre o mercúrio, o que permitirá agir imediatamente e completar, preparar ou contribuir de modo útil para a implementação de um acordo multilateral no domínio do ambiente. "


PREVENÇÃO E CONTROLO INTEGRADOS DA POLUIÇÃO

A Presidência informou o Conselho sobre a situação dos trabalhos no que diz respeito à Directiva relativa à redução e controlo integrados da poluição, que a Comissão havia proposto reformular em Dezembro de 2007 ( 5088/08 ). O relatório da Presidência figura no documento 16164/08 .

Embora as delegações se tenham congratulado com o facto de a proposta da Comissão simplificar a legislação existente, a proposta suscita ainda numerosas questões, nomeadamente no que se refere às grandes instalações de combustão. Os trabalhos prosseguirão sob Presidência Checa.

Plano DE acÇÃO PARA UM consUMO E produÇÃO SUSTENTÁVEIS E UMA POLÍTICA INDUSTRIAL SUSTENTÁVEL Conclusões do Conselho

Depois de ter debatido as medidas prioritárias a tomar no âmbito do plano de acção, a compatibilidade dos estilos de vida na UE com o desenvolvimento sustentável e a possibilidade de uma indicação do teor de carbono nos produtos, o Conselho aprovou conclusões sobre este tema, apresentadas no documento 16914/08 .


PaCOTE LEGISLATIVO SOBRE AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

Os Ministros do Ambiente debateram este pacote durante o almoço informal [1] .

Tendo em conta as negociações interinstitucionais e a preparação do Conselho Europeu de 11 e 12 de Dezembro, mostraram­‑se determinados a resolver as últimas questões ainda pendentes a fim de alcançar rapidamente um acordo ambicioso, equilibrado e solidário sobre o conjunto do pacote, para que a UE possa manter o seu papel motor na luta contra as alterações climáticas a nível internacional.

ENFRENTAR OS DESAFIOS DA DESFLORESTAÇÃO E DA DEGRADAÇÃO FLORESTAL PARA COMBATER AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A PERDA DE BIODIVERSIDADE – Conclusões do Conselho

O Conselho aprovou as conclusões reproduzidas no documento 16852/08 .

ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS – Conclusões do Conselho

O Conselho aprovou as conclusões reproduzidas no documento 16882/08 .


DIVERSOS

O Conselho tomou nota das informações relativas aos pontos que se seguem:

Desmantelamento de navios

A Comissão apresentou uma nota informativa ( 16689/08 ) com base na sua Comunicação intitulada "Uma estratégia da União Europeia para melhorar as práticas de desmantelamento de navios" ( 16220/08 ).

Gestão dos "bio­‑resíduos"

A Comissão informou as delegações sobre o seu livro verde relativo à gestão dos "bio­‑resíduos" na União Europeia ( 16817/08 ).

Espécies invasoras

A Comissão apresentou uma nota informativa relativa à sua Comunicação intitulada "Rumo a uma estratégia da União Europeia relativa às espécies invasoras" ( 16814/08 ).

A União Europeia e o Ártico

A Comissão apresentou uma nota informativa ( 16679/08 ) sobre a sua Comunicação relativa à União Europeia e à Região do Ártico ( 16299/08 ). Nesta ocasião, a Presidência congratulou­‑se com o resultado de uma conferência sobre este tema que se realizou em 8 e 9 de Novembro no Mónaco.

A aplicação do direito comunitário do ambiente

A Comissão apresentou uma nota informativa ( 16690/08 ) sobre a sua comunicação relativa à aplicação do direito comunitário do ambiente ( 16222/08 ), que apresentou ao Conselho.


Resíduos: a queda da procura dos materiais reciclados

A Delegação Irlandesa fez uma intervenção com base na sua nota relativa à queda da procura de materiais reciclados ( 16340/08 ). Essa intervenção foi apoiada por diversas delegações. Na sua nota, a Irlanda considera que os objectivos europeus de reciclagem poderão ser postos em causa pela queda recente da procura de materiais reciclados.

Conferência Euromed dos Ministros da Água

A Presidência informou o Conselho sobre a preparação da Conferência dos Ministros da Água dos países da Bacia do Mediterrâneo, programada para 22 de Dezembro de 2008 na Jordânia ( 16808/08 ).

Reunião UE‑África sobre o clima

A Presidência informou sobre o resultado da reunião que se realizou em Argel em 20 de Novembro.

Monitorização Global do Ambiente e da Segurança

A Presidência informou o Conselho sobre o programa GMES relativo à Monitorização Global do Ambiente e da Segurança ( 16810/08 ). As conclusões aprovadas pelo Conselho em 2 de Dezembro sobre este assunto constam do documento  16722/08.


OUTROS PONTOS APROVADOS

AMBIENTE

Mediterrâneo – Convenção relativa à protecção das zonas costeiras

O Conselho aprovou uma decisão que autoriza a assinatura de um protocolo relativo à gestão integrada das zonas costeiras do Mediterrâneo (Convenção relativa à Protecção do Meio Marinho e da Região Costeira do Mediterrâneo) ( 15311/08).

O protocolo, que faz parte da Convenção para a Protecção do Meio Marinho e da Região Costeira do Mediterrâneo (igualmente denominada "Convenção de Barcelona"), visa proporcionar um quadro tendo em vista favorecer uma abordagem concertada, fazendo participar intervenientes públicos e privados, incluindo a sociedade civil e os operadores económicos, com a finalidade de atenuar a pressão ambiental e a degradação dos recursos que ocorre em determinadas zonas costeiras mediterrânicas.

O protocolo engloba um leque de disposições que deverão ser aplicadas tendo em conta a natureza além fronteiras da maioria dos problemas ambientais.

A UE, enquanto parte signatária da Convenção de Barcelona, é obrigada a promover uma gestão integrada da zona costeira tendo em conta a protecção das zonas de interesse ecológico e paisagístico e da utilização racional dos recursos naturais. As autoridades nacionais continuam, todavia, a ser responsáveis pela concepção e aplicação de certas medidas precisas, previstas pelo protocolo, como, por exemplo, a criação de zonas em que não seja permitida a construção.

Na UE, o principal instrumento de promoção da gestão da zona costeira é a recomendação do Parlamento Europeu e do Conselho relativa à aplicação de uma estratégia de gestão integrada das zonas costeiras na Europa (Jornal Oficial L 148 de 6.6.2002). Esta recomendação incita os Estados­‑Membros a realizarem uma gestão integrada das zonas costeiras no quadro das convenções existentes, assinadas com os países limítrofes, incluindo os Estados não­‑membros da UE situados nas costas do mesmo mar regional.

A gestão das zonas costeiras é uma componente da política marítima integrada da UE, tal como aprovada pelo Conselho Europeu em Dezembro de 2007.


ASSUNTOS ECONÓMICOS E FINANCEIROS

Normas internacionais de relato financeiro

O Conselho decidiu não se opor à aprovação pela Comissão de uma decisão relativa à utilização pelos emitentes de valores mobiliários de países terceiros das normas nacionais de contabilidade de determinados países terceiros e das normas internacionais de relato financeiro para efeitos de elaboração das respectivas demonstrações financeiras consolidadas. Mediante este acto legislativo, determinadas normas nacionais e internacionais são consideradas equivalentes às normas internacionais de relato financeiro no que diz respeito às demonstrações financeiras consolidadas anuais e semestrais.

Relato financeiro relacionado com prospectos e anúncios publicitários

O Conselho decidiu não se opor à aprovação pela Comissão de um regulamento que altera o dispositivo comunitário existente relativo a determinados relatos financeiros históricos contidos em prospectos e anúncios publicitários.

PESCAS

Mar Negro – Pregado

O Conselho aprovou um regulamento com o objectivo de autorizar, para 2008, que se exceda a quota anual de capturas de pregado no Mar Negro num limite de 10%, tendo em conta a situação actual das unidades populacionais de pregado, que justifica esta medida. O excedente será deduzido da quota de 2009 ( 16508/08).

O regulamento dá seguimento ao acordo político concluído no Conselho (Pescas) de 27 de Outubro de 2008, sobre as possibilidades de pesca no Mar Negro para o ano 2009.

O acordo prevê para 2009 um total admissível de capturas (TAC) de 100 toneladas para o pregado ( Psetta maxima), repartidas em partes iguais entre a Bulgária e a Roménia.


ESTATÍSTICAS

Empregos vagos na UE

O Conselho decidiu não se opor a que a Comissão aprove um regulamento de execução relativo às estatísticas trimestrais sobre os empregos vagos na Comunidade.

O novo acto legislativo estabelece uma definição de emprego vago e fixa as datas de referência para as informações a facultar, especifica o formato e os atrasos de transmissão dos dados requeridos e estabelece um quadro para uma série de estudos de viabilidade a realizar pelos Estados­‑Membros.

TRANSPARÊNCIA

Acesso do público a documentos

O Conselho aprovou:

                         a resposta ao pedido confirmativo 18/c/01/08 apresentado por Mark JOHNSTON, tendo a Delegação Sueca votado contra ( 14814/08 );

                         a resposta ao pedido confirmativo 19/c/01/08 apresentado por Ante WESSELS ( 15476/08 );

                         a resposta ao pedido confirmativo 20/c/01/08 ( 15705/08 ); e

                         a resposta ao pedido confirmativo 21/c/02/08 apresentado por Oliver REMIEN ( 15717/08 ).


NOMEAÇÃO

Comité Económico e Social Europeu

O Conselho aprovou uma decisão relativa à nomeação de Juan Antonio MORALES RODRÍGUEZ, como membro, pelo período remanescente do mandato, isto é, até 25 de Janeiro de 2010, em substituição de María Dolores ALARCÓN MARTÍNEZ.

 



[1]            Este pacote de medidas contém as seguintes propostas:

            – uma Directiva que altera a Directiva 2003/87/CE a fim de melhorar e alargar o regime de comércio licenças de emissão de gazes com efeito de estufa da UE
("reanálise do regime de quotas de emissão") (doc.  5862/08 );

– uma Decisão relativa aos esforços a realizar pelos Estados­‑Membros da UE para reduzir as suas emissões de gazes com efeito de estufa
a fim de respeitar os compromissos de redução das emissões de gazes com efeito de estufa da Comunidade até 2020
("repartição do esforço for a do regime de comércio de licenças de emissão ") ( 5849/08 );

– uma Directiva relativa à promoção da utilização das fontes de energia renováveis
("directiva relativa às fontes de energia renováveis ") ( 5421/08 );

– uma Directiva relativa à armazenagem geológica de dióxido de carbono
("directiva relativa à captação e à armazenagem de CO2") (doc. 5835/08 ).


Side Bar