Navigation path

Left navigation

Additional tools

Comissão europeia

MEMO

Bruxelas, 11 março 2014

Letter from President Barroso to the Members of the European Council

Caros colegas:

A agenda da nossa próxima reunião do Conselho Europeu de março será particularmente pesada (em especial devido aos acontecimentos que agitam a Ucrânia e à possibilidade de termos de consagrar tempo ao debate da resposta da UE). A fim de maximizar o tempo que teremos para o debate, gostaria de partilhar desde já alguns documentos de referência interessantes.

Um dos temas da agenda da nossa reunião é a política industrial. Conhecem já certamente a última comunicação da Comissão relativa a este importante domínio de ação. Creio que concordamos todos na importância de criar uma envolvente adequada para apoiar a competitividade da indústria europeia. Entre os inúmeros fatores que a influenciam, figuram a forma como se intensificam a colaboração entre a indústria transformadora e os serviços, bem como os investimentos na investigação e inovação. Junto envio dois curtos documentos, um sobre o programa Horizonte 2020 e outro sobre os serviços, que espero considerem úteis.

O programa Horizonte 2020 desempenhará um papel importante durante os próximos anos para estimular a competitividade industrial. Através das decisões que tomámos em relação ao QFP, comprometemo-nos a aumentar o financiamento disponível e dispomos atualmente de fundos consideráveis para dinamizar a investigação europeia. O documento em anexo apresenta alguns dos inúmeros programas que serão utilizados para reforçar a nossa capacidade para inovar e comercializar com êxito novos produtos e serviços.

O segundo documento descreve claramente a situação no setor dos serviços. Na medida em que é cada vez mais evidente que a indústria transformadora e o setor dos serviços devem ser analisados conjuntamente, considerei que estas informações de fundo poderiam alimentar de forma útil o nosso debate. Um dos pontos fortes da Europa, que decorre diretamente da forma como as nossas empresas aprenderam a utilizar o mercado interno, é a sua capacidade para participar em cadeias de valores globais nas quais podemos maximizar o valor acrescentado das nossas capacidades transformadoras tradicionais combinadas com serviços, como os serviços às empresas e a logística. As informações comunicadas demonstram que progredimos, mas igualmente que, ao melhorar a execução por parte dos Estados Membros, podemos explorar mais o potencial de crescimento deste setor.

Questões como a competitividade ocuparão igualmente um lugar importante no nosso debate sobre a energia e as alterações climáticas. Espero que considerem úteis as análises dos custos da energia que a Comissão publicou em janeiro. A análise dos factos mostra claramente que certos elementos do preço que pagamos pela nossa energia são determinados a nível nacional por opções estratégicas. É também evidente que as nossas políticas em matéria de alterações climáticas não aumentam significativamente o custo já elevado da energia na UE.

Congratulo-me por poder debater estas e outras questões convosco em 21 e 22 de março próximos.

José Manuel BARROSO


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website