Navigation path

Left navigation

Additional tools

Comissão Europeia - Comunicado de imprensa

Emprego: relatório da Comissão dá conta de um crescimento mais intenso dos salários e de maior rapidez na transição do desemprego para o mundo do trabalho

Bruxelas, 13 de outubro de 2017

A Comissão publicou hoje o seu relatório anual sobre a evolução do mercado do trabalho e dos salários na Europa.

A edição deste ano confirma as tendências positivas que se têm observado na UE. O emprego na UE ultrapassou os níveis registados antes da crise, com mais de 235 milhões de pessoas ativas. O desemprego, que se cifra agora nos 7,6%, está também a aproximar-se dos valores anteriores à recessão. Além disso, o relatório revela que os desempregados têm agora mais facilidade em encontrar um emprego. Por outro lado, a maior flexibilidade na organização do trabalho trouxe vantagens para as empresas e para os indivíduos, mas, em alguns casos, traduziu-se numa divisão entre trabalhadores com tipos de contratos diferentes, com os trabalhadores temporários e por conta própria a gozarem de menor proteção.

Marianne Thyssen, Comissária responsável pelo Emprego, Assuntos Sociais, Competências e Mobilidade Laboral, comentou: «Cada vez mais pessoas na Europa conseguem encontrar um posto de trabalho, impulsionando o emprego para níveis sem precedentes. A Europa está a colher os benefícios de reformas políticas direcionadas. Ao mesmo tempo, é preciso dar resposta a novos desafios, garantindo a todos os trabalhadores condições de trabalho equitativas e proteção adequada, independentemente do seu estatuto profissional. Com base no Pilar Europeu dos Direitos Sociais, que lançámos a 26 de abril, estamos a proceder à modernização das disposições que regem os contratos de trabalho e a proteção social, no intuito de obter melhores condições de vida e de trabalho em toda a UE.»

O edição de 2017 do relatório sobre a evolução do mercado de trabalho e dos salários na Europa mostra igualmente que, em 2016, os salários na área do euro registaram um aumento de 1,2 %, tendência que se verificou em quase todos os Estados-Membros. Os maiores aumentos registaram-se nos Estados-Membros com níveis salariais relativamente baixos (como os países bálticos, a Hungria e a Roménia). Significa isto que os salários estão a convergir em toda a Europa. No entanto, em muitos países, o ritmo de crescimento dos salários é ainda menor do que o esperado, tendo em conta a recente diminuição do desemprego. Além disso, em quase todos os Estados-Membros, os salários dos trabalhadores temporários são inferiores aos dos trabalhadores permanentes, especialmente nos Estados-Membros em que a proporção do emprego temporário é mais importante.

Cumprindo o compromisso assumido no Pilar Europeu dos Direitos Sociais, a Comissão apresentou uma proposta legislativa para que os pais e os cuidadores que trabalham possam conciliar melhor a sua vida profissional e familiar e lançou consultas dos parceiros sociais sobre a modernização das normas contratuais e o acesso universal à proteção social. Uma vez adotadas, estas iniciativas poderão dar resposta aos desafios evidenciados no relatório sobre a evolução do mercado de trabalho e dos salários na Europa, como a segmentação do mercado de trabalho e a falta de proteção dos trabalhadores em formas atípicas de emprego.

Contexto

O relatório sobre a evolução do mercado de trabalho e dos salários na Europa analisa o mercado de trabalho numa perspetiva macroeconómica. Analisa a recente evolução do emprego e dos salários, considerando a área do euro e o conjunto da UE em comparação com os seus parceiros comerciais a nível mundial. Cada edição do relatório inclui um capítulo temático que aprofunda a análise macroeconómica de um determinado aspeto relevante. As anteriores edições do relatório podem ser consultadas aqui.

A proposta do Pilar Europeu dos Direitos Sociais, adotada pela Comissão em 26 de abril de 2017, estabelece 20 princípios e direitos fundamentais para apoiar a equidade e o bom funcionamento dos mercados de trabalho e dos sistemas de proteção social. No seu Discurso sobre o estado da União de 2017, o Presidente Juncker confirmou a determinação da Comissão em avançar com a implementação do Pilar, considerado vital para afirmar os valores da UE e criar uma UE mais forte e mais justa: «Para evitar a fragmentação social e o dumping social na Europa, os Estados-Membros deverão chegar a acordo sobre o Pilar Europeu dos Direitos Sociais o mais rapidamente possível, o mais tardar na Cimeira de Gotemburgo, em novembro». A Cimeira Social sobre Emprego Justo e Crescimento terá lugar em Gotemburgo, na Suécia, em 17 de novembro de 2017. Podem encontrar-se mais informações sobre o programa da cimeira aqui.

Mais informações

Siga Marianne Thyssen no Twitter e no Facebook

IP/17/3867

Contactos para a imprensa:

Perguntas do público em geral: Europe Direct pelo telefone 00 800 67 89 10 11 ou por e-mail


Side Bar