Navigation path

Left navigation

Additional tools

Comissão Europeia - Comunicado de imprensa

A UE lança um novo Corpo Médico Europeu para responder de forma mais rápida a situações de emergência

Bruxelas, 15 de fevereiro de 2016

A União Europeia lança hoje o Corpo Médico Europeu para ajudar a mobilizar equipas médicas e de saúde pública especializadas e de equipamento para fazer face a situações de emergência dentro e fora da UE.

Através do Corpo Médico Europeu, os Estados-Membros da UE e outros países europeus que participam no sistema podem disponibilizar equipas e meios médicos para uma mobilização rápida antes do aparecimento de situações de emergência graves, garantindo assim uma resposta mais rápida e mais previsível. O Corpo Médico poderá incluir equipas médicas de emergência, peritos em saúde pública e em coordenação médica, laboratórios de biossegurança móveis, aviões de evacuação médica e equipas de apoio logístico.

«O Corpo Médico Europeu tem por objetivo dotar a UE de uma capacidade de reação muito mais rápida e eficaz face às crises sanitárias que possam surgir. Temos de retirar ensinamentos da luta contra o ébola; uma das principais dificuldades foi a mobilização de equipas médicas. Agradeço a todos os Estados-Membros que já deram o seu contributo até à data e incentivo outros a juntar-se-lhes para que a resposta da UE consiga satisfazer as necessidades crescentes e permita um melhor planeamento e preparação das suas intervenções antes de qualquer catástrofe.» declarou o Comissário Christos Stylianides que presidia à inauguração do evento de alto nível hoje em Bruxelas.

O Corpo Médico Europeu insere-se no quadro da nova Capacidade Europeia de Resposta de Emergência (também denominada «reserva voluntária») do mecanismo de proteção civil da UE. Até à data, a Bélgica, a República Checa, a Finlândia, a França, o Luxemburgo, a Alemanha, a Espanha, a Suécia e os Países Baixos afetaram já equipas e equipamento à reserva comum voluntária.

 

Contexto

Uma das principais dificuldades na luta contra o surto do vírus ébola residiu na capacidade de uma rápida mobilização de pessoal médico, bem como em fazer face aos desafios em matéria de logística e de gestão que não pararam de aumentar em sua consequência. Esta situação levou a Alemanha e a França, em finais de 2014, a proporem a iniciativa «Capacetes brancos», que lançou as bases do Corpo. O Corpo Médico Europeu faz agora parte da nova Capacidade Europeia de Resposta de Emergência.

O mecanismo de proteção civil da UE, em que participam 33 Estados europeus (os 28 Estados-Membros da UE, a antiga República jugoslava da Macedónia, a Islândia, o Montenegro, a Noruega e a Sérvia), facilita a cooperação em matéria de resposta às catástrofes. A Turquia prepara-se igualmente para aderir ao mecanismo. Estes Estados participantes agrupam os recursos que podem ser colocados à disposição dos países afetados por catástrofes em qualquer parte do mundo. Quando é ativado, o mecanismo assegura a coordenação da prestação de assistência dentro e fora da União Europeia. A Comissão Europeia gere o mecanismo através do Centro de Coordenação de Resposta de Emergência.

Num esforço para reforçar a preparação e a resposta da UE a catástrofes, foi criada em 2014 a Capacidade Europeia de Resposta de Emergência («reserva voluntária»), que reúne um conjunto de equipamentos e equipas de socorro previamente afetadas, tendo em vista o seu destacamento no quadro de operações de resposta de emergência em todo o mundo.

O Corpo Médico Europeu constituirá igualmente o contributo da Europa para a constituição de Recursos Humanos para a Ação Sanitária de Emergência a Nível Mundial (Global Health Emergency Workforce), sob a égide da Organização Mundial de Saúde.

For more information:

MEMO/16/276 - EU launches new European Medical Corps to respond faster to emergencies

IP/16/263

Contactos para a imprensa:

Perguntas do público em geral: Europe Direct pelo telefone 00 800 67 89 10 11 ou por e-mail


Side Bar