Navigation path

Left navigation

Additional tools

Investigação da UE cria alertas de inundações mais rápidos e exatos

European Commission - IP/14/950   28/08/2014

Other available languages: EN FR DE DA ES NL IT SV FI EL CS ET HU LT LV MT PL SK SL BG RO GA HR

Comissão Europeia

Comunicado de imprensa

Bruxelas, 28 de agosto de 2014

Investigação da UE cria alertas de inundações mais rápidos e exatos

O software de alerta precoce da Imprints fornece uma perspetiva em tempo real dos riscos de inundações repentinas

Os alertas de inundações atempados e o acompanhamento em tempo real das situações de emergência decorrentes de cheias podem salvar vidas e prevenir danos para os bens, as infraestruturas e o ambiente. Imprints, WeSenseIt e UrbanFlood são apenas três exemplos de projetos financiados pela UE que desenvolveram sistemas originais de previsão e alerta que visam prevenir as populações da iminência de inundações.

A gestão e prevenção das inundações está no cerne do projeto Imprints que desenvolveu uma plataforma de alerta precoce destinada a reduzir o tempo de resposta às inundações repentinas para cerca de duas horas, ou menos ainda, dando potencialmente mais tempo às pessoas para se porem a salvo. A plataforma baseia-se em melhores previsões da pluviosidade através de modelos meteorológicos e redes de radares meteorológicos. O software é capaz de prever os fluxos de água no terreno e fornecer um sistema de alerta precoce para inundações repentinas, estimando a quantidade de detritos que podem ser arrastados e os potenciais danos para as infraestruturas locais.

Os serviços hídricos e as operações hidrometeorológicas em Espanha, na Suíça e em França estão a utilizar as inovações deste projeto para aperfeiçoar os seus próprios sistemas de previsão em tempo real.

Além disso, os indicadores de inundações repentinas desenvolvidos neste projeto são utilizados no Sistema Europeu de Sensibilização para as Inundações que agora se encontra operacional.

Ao mesmo tempo, o projeto WeSenseIt, que termina em setembro de 2016, recorre ao poder de observação humana como elemento essencial de um sistema de alerta precoce. As pessoas contribuem realizando medições através de novas aplicações que estão a ser desenvolvidas no âmbito do projeto, e enviando informações e imagens por telemóvel. As novas tecnologias e métodos estão a ser testados em Itália, nos Países Baixos e no Reino Unido.

«Temos vindo a desenvolver aplicações móveis, de modo que os guarda-rios do Reino Unido possam patrulhar ao longo das margens e tirar fotografias com metainformação caso considerem existir algo preocupante», afirmou o coordenador do projeto, Fabio Ciravegna, da Universidade de Sheffield. Um exercício de simulação de inundações na cidade italiana de Vicenza, que envolveu cerca de 500 voluntários, foi concluído em finais de março de 2014.

As barragens e taludes fluviais ficam em risco durante uma cheia. O projeto UrbanFlood desenvolveu sensores e tecnologia conexa para monitorizar os taludes de proteção contra inundações e criar um sistema de alerta rápido para os riscos de derrocada. Os sensores subterrâneos vigiam o estado dos taludes e detetam eventuais alterações dos níveis da água, ou de outros fatores como a temperatura, a humidade e os movimentos do terreno. A informação é então avaliada pelo software de modelização do projeto, que pode lançar um alerta em caso de problemas. O software calcula a rapidez com que a área será inundada em caso de colapso, e sugere mesmo as melhores vias para deslocar os cidadãos para zonas mais seguras.

Máire Geoghegan-Quinn, Comissária europeia responsável pela Investigação, Inovação e Ciência, declarou a este respeito: «A UE continua a investir na investigação e inovação no domínio da gestão e prevenção de inundações. O nosso objetivo é ajudar os governos a tomar medidas adequadas e coordenadas para reduzir estes riscos e proteger os seus cidadãos».

O Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia está igualmente a contribuir para a investigação sobre inundações, com o desenvolvimento de sistemas europeus e globais de previsão e acompanhamento de inundações como o EFAS, o GloFAS e o GFDS.

Sobre os projetos

O projeto Imprints recebeu 3,3 milhões de euros ao abrigo do 7.º Programa-Quadro de Investigação da UE (7.º PQ). O projeto reuniu 18 instituições de investigação de sete países (França, Itália, Países Baixos, África do Sul, Espanha, Suíça e Reino Unido) bem como do Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia. Para mais informações, consultar: http://floods.jrc.ec.europa.eu/flood-research-at-jrc/flashfloods.html

O projeto WeSenseIt recebeu 5,4 milhões de euros de financiamento do 7.º PQ. Reúne parceiros dos setores público e privado e inclui oito PME: Quinary (Itália), Disdrometrics (Países Baixos), HydroLogic Research (Países Baixos), Software Mind (Polónia), Advantic Sistemas y Servicios (Espanha), Starlab Barcelona (Espanha), Sensorscope (Suíça) e Knowledge Now (Reino Unido). Para mais informações, consultar: www.wesenseit.com

O projeto UrbanFlood recebeu cerca de 2,3 milhões de euros de financiamento do 7.º PQ O projeto envolveu a empresa informática TNO (Países Baixos), a Universidade de Amesterdão (Países Baixos), a STOWA, que coordena a investigação das autoridades responsáveis pelos recursos hídricos nos Países Baixos, o instituto de investigação informática Cyfronet (Polónia), a filial da Siemens na Rússia e a empresa de consultoria HR Wallingford (Reino Unido). Para mais informações, consultar: www.urbanflood.eu

Sobre o financiamento da investigação e da inovação europeias

Em 1 de janeiro de 2014, a UE lançou um novo programa de investigação e inovação, com a duração de sete anos, intitulado «Horizonte 2020». Nos próximos sete anos, cerca de 80 mil milhões de euros serão investidos em projetos de investigação e inovação para apoiar a competitividade económica da Europa e alargar as fronteiras do conhecimento humano. O orçamento da UE para a investigação está sobretudo focado na melhoria da vida quotidiana dos cidadãos em áreas como a saúde, o ambiente, os transportes, a alimentação e a energia. As parcerias de investigação com os setores farmacêutico, aeroespacial, automóvel, ferroviário e da eletrónica também encorajam o investimento do setor privado em prol do crescimento e da criação de empregos altamente qualificados no futuro. O Horizonte 2020 terá um enfoque ainda maior na transformação de ideias excelentes em produtos, processos e serviços comercializáveis.

Para obter a informação mais recente sobre a investigação e a inovação europeias, consulte:

http://ec.europa.eu/programmes/horizon2020/

http://www.facebook.com/innovation.union

http://twitter.com/innovationunion

Contactos:

Michael Jennings (+32 2 296 33 88) Twitter: @ECSpokesScience

Monika Wcislo (+32 2 295 56 04)


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website