Navigation path

Left navigation

Additional tools

Comissão Europeia

Comunicado de imprensa

Bruxelas, 25 de junho de 2014

Comissão apela à ação após resultados de inquérito que revela que mais de 80% dos professores na UE se sentem desvalorizados

Mais de um terço dos professores na União Europeia trabalha em escolas sem pessoal qualificado em número suficiente e cerca de metade dos diretores de escolas dá conta da falta de professores para alunos com necessidades educativas especiais. Embora quase 90% dos professores na UE afirmem estar satisfeitos com a sua profissão, 81% sentem que o ensino não é valorizado na sociedade. Apesar de os professores se considerarem bem equipados para o trabalho que têm de desempenhar, nem sempre existem apoios para os que estão em início de carreira. Estes são alguns dos resultados do novo Inquérito Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (TALIS), realizado pela Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos (OCDE). O inquérito, que tem por base as perceções dos professores relativamente às suas condições de carreira, inclui respostas de 55 000 professores do ensino secundário inferior e dirigentes escolares na UE. Num relatório hoje publicado, a Comissão Europeia analisou os resultados do inquérito TALIS e as suas implicações para a política de ensino e formação da UE.

O inquérito TALIS reflete os pontos de vista de professores de escolas de ensino secundário inferior em 19 países e regiões da UE (BE nl, BG, ES, CZ, CY, DK, EE, FI, FR, HR, IT, LV, NL, PL, PT, RO, SE, SK, UK-ENG), bem como de 15 outros países: Estados Unidos, Austrália, Brasil, Chile, Sérvia, Singapura, Islândia, Israel, Japão, Malásia, Coreia do Sul, México, Noruega, Abu Dabi e Alberta, no Canadá.

«Algumas das mensagens retiradas do TALIS têm implicações preocupantes para o futuro do ensino enquanto carreira. A menos que os Estados-Membros intervenham para atrair e manter os melhores professores, estaremos a comprometer os progressos na melhoria da qualidade do ensino na Europa. A Comissão está disposta a ajudar os Estados-Membros a conceber políticas e medidas para tornar a profissão de professor mais aliciante,» afirmou Androulla Vassiliou, Comissária Europeia para a Educação, a Cultura, o Multilinguismo e a Juventude.

Resultados do inquérito TALIS na UE e recomendações da Comissão Europeia:

36% dos professores da UE trabalham em escolas onde há falta de professores com as qualificações necessárias e/ou com bons desempenhos (esta situação é mais preocupante em NL, RO, EE, UK-ENG, com a FR, NL, HR, ES, EE a darem conta da escassez de professores para alunos com necessidades educativas especiais), segundo os dirigentes escolares (diretores). Recomendação da Comissão: os Estados-Membros devem pôr em prática estratégias de longo prazo para atrair e reter os melhores professores. Entre as ações possíveis contam-se o reforço dos programas de formação de professores; a exploração de percursos flexíveis de inserção na profissão (também em meio de carreira); oportunidades de desenvolvimento profissional e progressão de carreira, assentes em critérios transparentes.

É provável que os professores se sintam mais bem preparados para as suas funções se a sua educação formal incluir uma combinação de conteúdos e de métodos de ensino e de aprendizagem, com prática de sala de aula nas disciplinas que lecionam. Recomendação: a formação de professores deve abranger todas estas áreas, de modo a poder preparar mais eficazmente os professores para a respetiva carreira. Em termos de desenvolvimento profissional, há que incidir mais na utilização das TIC na sala de aula e nas competências necessárias para ensinar os alunos com necessidades especiais.

Quase 40% dos dirigentes escolares referem que não existe, na sua escola, qualquer programa formal de indução ou apoio em início de carreira; a disponibilidade de programas deste tipo é particularmente reduzida em PT, PL e ES. Recomendação: os Estados-Membros devem garantir que a formação inicial de professor seja seguida de um apoio sistemático no início da carreira. Os ministros da Educação da UE acordaram recentemente reforçar a formação dos professores e desenvolver quadros de competência que refiram claramente as competências e as qualidades que lhes são exigidas em diferentes fases das suas carreiras.

15% dos professores afirmam não terem participado em qualquer ação de desenvolvimento profissional no ano anterior ao inquérito; cerca de 50% dos professores nunca observaram aulas de outros professores; quase 20% nunca participam em ações de aprendizagem colaborativa. Recomendação: os Estados‑Membros devem colocar uma tónica acrescida em ações eficazes de desenvolvimento profissional e aprendizagem colaborativa, na medida em que este exercício incentiva os professores a usar métodos inovadores de ensino e aprendizagem (por exemplo, trabalhar com grupos pequenos, a utilização das TIC), ao mesmo tempo que é um fator de maior satisfação profissional dos professores. Métodos variados de aprendizagem preparam os alunos mais eficazmente para estudos superiores e para o mercado de trabalho, tal como o ilustram as iniciativas políticas da Comissão Europeia para Repensar a Educação e Abrir a Educação.

Informação sobre o TALIS

Os resultados do inquérito TALIS serão oficialmente divulgados em Tóquio, onde tem lugar o 17.º Seminário OCDE/Japão e a reunião informal dos ministros da Educação, em 25 de junho. Jan Truszczynski, Diretor-Geral da Comissão para a Educação e Cultura, apresentará a análise política da Comissão sobre esta temática.

Uma reunião de informação técnica destinada a intervenientes das áreas da educação e formação (aberta aos meios de comunicação) sobre os resultados do TALIS e as recomendações da Comissão será realizada em Bruxelas, em 25 de junho, às 14:30, no Auditório Madou (Place Madou 1). Michael Davidson, chefe da equipa TALIS da OCDE, e Jan Pakulski, Chefe da Unidade de Estatística, Estudos e Inquéritos de Educação e Cultura da Comissão, apresentarão os relatórios.

Antecedentes

Inquérito internacional sobre ensino e aprendizagem (TALIS)

Este é o segundo inquéritoTALIS publicado pela OCDE (o primeiro data de 2009). O inquérito constitui a principal fonte de informação proveniente de professores e dirigentes escolares sobre ensino, condições de carreira e ambientes escolares. O inquérito tem por base um questionário enviado a professores e dirigentes escolares. Entre os inquiridos contam-se mais de 55 000 professores do ensino secundário inferior em 3 300 escolas da UE, em representação de uma população docente estimada em quase 1,5 milhões nos 19 países da UE participantes. Considerando também os outros 15 países envolvidos, responderam ao inquérito cerca de 110 000 professores, representando uma população docente estimada em quase 4 milhões.

Erasmus+:

A Comissão Europeia trabalha com os Estados-Membros para identificar e partilhar práticas políticas eficazes e prestar apoio e aconselhamento. O Erasmus+, o novo programa da UE para a educação, a juventude e o desporto (2014-2020), proporciona subvenções para o intercâmbio de professores no intuito de melhorar a sua evolução profissional, e apoio parcerias entre escolas, universidades e institutos de formação de professores para desenvolver abordagens de ensino inovadoras. Através da rede eTwinning, os professores podem trocar ideias com os seus pares em toda a Europa.

Para mais informações

Conclusões do Conselho sobre uma formação de professores eficaz (2014)

Conclusões do Conselho sobre uma liderança eficaz na educação (2013)

Comunicação da Comissão Europeia (2013), «Abrir a educação: Ensino e aprendizagem para todos de maneira inovadora graças às novas tecnologias e aos Recursos Educativos Abertos».

Comunicação da Comissão Europeia (2012), «Repensar a educação: Investir nas competências para melhores resultados socioeconómicos»

Documento de trabalho dos serviços da Comissão (2012): Supporting the Teaching Profession for Better Learning Outcomes

OECD, TALIS 2013 Results

Sítio Web da Comissária Vassiliou

Comissão Europeia: Sítio Web Educação e Formação

Siga Androulla Vassiliou no Twitter @VassiliouEU

Contactos:

Dennis Abbott (+32 2 295 92 58); Twitter: @DennisAbbott

Dina Avraam (+32 2 295 96 67)


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website