Navigation path

Left navigation

Additional tools

Restabelecer a confiança nos dispositivos médicos. Plano de ação após o escândalo dos PIP reforçou o controlo na Europa

European Commission - IP/14/699   20/06/2014

Other available languages: EN FR DE DA ES NL IT SV FI EL CS ET HU LT LV MT PL SK SL BG RO HR

Comissão Europeia

Comunicado de imprensa

Bruxelas, 20 de junho de 2014

Restabelecer a confiança nos dispositivos médicos. Plano de ação após o escândalo dos PIP reforçou o controlo na Europa

Hoje, o Conselho EPSCO discutiu as ações conjuntas empreendidas pela Comissão Europeia e os Estados-Membros para restabelecer a confiança após o escândalo dos implantes mamários defeituosos fabricados pela empresa francesa PIP. Estas medidas foram incluídas no Plano de Ação Conjunto para Intervenção Imediata no âmbito da legislação em vigor em matéria de dispositivos médicos (o chamado Plano de Ação Conjunto PIP) aprovado em 2012 (ver IP/12/119).

«Hoje os consumidores gozam de maior segurança do que quando o escândalo PIP foi descoberto», afirmou Neven Mimica, Comissário responsável pela política dos consumidores. «Graças a uma estreita cooperação entre os Estados-Membros e a Comissão Europeia, as regras sobre os dispositivos médicos são agora mais bem aplicadas. Conseguimos, em particular, reforçar o controlo dos organismos notificados. No entanto, algumas melhorias fundamentais exigem um reforço da base jurídica. É por esta razão que apelei aos Estados-Membros para que cheguem a um acordo político antes do final deste ano para permitir a rápida adoção deste dossiê tão importante

O escândalo PIP deixou claro que são necessárias melhorias imediatas na vigilância dos dispositivos médicos. É por esta razão que a Comissão Europeia e os Estados-Membros chegaram a acordo sobre um plano de ação com o objetivo de melhorar o controlo com base na legislação em vigor. Este acordo foca quatro domínios principais: o funcionamento dos organismos notificados; a fiscalização do mercado; a coordenação no domínio da vigilância; a comunicação e a transparência.

Principais realizações no âmbito do Plano de Ação Conjunto

O plano teve como consequência um progresso substancial, sobretudo nos seguintes domínios:

  • Com base num regulamento de 2013, o Regulamento de Execução (UE) n.º 920/2013 da Comissão que clarifica os critérios a respeitar pelos organismos notificados, os Estados-Membros reavaliaram as qualificações e o âmbito das atividades dos respetivos organismos notificados. Isto traduziu-se em medidas corretivas ou em restrições no âmbito das atividades dos organismos notificados em 8 países;

  • Até maio de 2014, foram realizadas auditorias conjuntas voluntárias aos organismos notificados por equipas de auditores de vários Estados-Membros e da Comissão em 22 dos 23 países com organismos notificados. A última auditoria no país que falta já está marcada. As auditorias efetuadas permitiram identificar problemas na forma como funcionam os organismos notificados. Nos casos em que foram identificadas lacunas significativas, foram imediatamente tomadas medidas corretivas, incluindo a suspensão temporária ou a restrição do âmbito das atividades do organismo notificado em causa. Num dos casos, o organismo notificado já não pode emitir certificados. Quando necessário, foi solicitada uma reavaliação de todos os certificados emitidos. No caso de um organismo notificado, dos 689 certificados verificados, 45 foram suspensos e 18 foram retirados. O novo regulamento de execução da Comissão tornou obrigatórias estas auditorias conjuntas no que se refere a novas designações e à redesignação de organismos notificados. Para 2014 estão previstas 20-25 destas auditorias.

O escândalo PIP pôs em evidência as deficiências existentes no sistema de vigilância. O Plano de Ação reforça este sistema, recomendando que os organismos notificados realizem auditorias aos fabricantes sem aviso prévio. Os organismos notificados comunicaram estar atualmente a realizar tais auditorias, ou estar em vias de as lançar. No entanto, não existem de momento informações fiáveis sobre o número de auditorias sem aviso prévio ou os seus efeitos.

Atualmente são realizadas teleconferências de vigilância mensais com os Estados‑Membros, presididas pelos serviços da Comissão, que estão a melhorar a coordenação entre os Estados-Membros. Mais de 70 casos específicos foram apresentados para coordenação. Além disso, o Centro Comum de Investigação da Comissão começou a analisar as tendências relacionadas com incidentes.

O documento de trabalho dos serviços da Comissão debatido no Conselho EPSCO de hoje contém uma análise pormenorizada destes elementos, bem como de outros trabalhos decorrentes do plano de ação, tais como uma recomendação da Comissão sobre a utilização de um sistema específico de rastreabilidade dos dispositivos médicos adotada em abril de 2013, o debate em curso sobre a melhoria dos registos dos produtos, relatórios dos Estados-Membros sobre as respetivas atividades de fiscalização do mercado como base para outros melhoramentos, ou debates sobre a comunicação de incidentes por parte dos médicos e dos doentes.

A análise mostra que, relativamente a certos aspetos do Plano de Ação Conjunto, os progressos têm sido limitados e que é necessário um trabalho continuado até à entrada em vigor da nova legislação. Estes aspetos focam principalmente:

  • a organização de auditorias sem aviso prévio e a sua eficácia,

  • o desenvolvimento de um entendimento comum da fiscalização do mercado e melhor coordenação e comunicação sobre os dados obtidos,

  • a análise da melhor forma de utilização dos registos para o fornecimento de dados e a identificação de problemas a longo prazo com os dispositivos,

  • a identificação de mecanismos para detetar sinais, tendências e o aumento da frequência de incidentes de forma mais eficaz com base num projeto do CCI, a apresentar em meados de 2014,

  • a avaliação com os Estados-Membros da necessidade e das possibilidades de organização de programas de formação interpares.

A aplicação do plano tem sido um êxito. No entanto, trata-se de uma série de medidas a curto prazo destinadas a maximizar o potencial da legislação em vigor. Uma solução a longo prazo requer uma revisão aprofundada do quadro jurídico. Por conseguinte, é necessário adotar os novos regulamentos propostos para resolver uma série de questões pendentes. Trata-se, em particular, dos seguintes aspetos:

  • o âmbito de aplicação da legislação,

  • a governação do sistema e a sua transparência,

  • certas obrigações dos organismos notificados, em especial no que diz respeito às auditorias obrigatórias sem aviso prévio,

  • a avaliação clínica,

  • a classificação em termos de riscos dos dispositivos e os requisitos de segurança e desempenho,

  • as obrigações dos operadores económicos,

  • a notificação de incidentes por utilizadores e doentes às autoridades competentes,

  • determinados aspetos relativos ao sistema de vigilância e à fiscalização do mercado,

  • o papel e o funcionamento da base de dados Eudamed e o acesso dos organismos notificados à Eudamed, e

  • a rastreabilidade dos dispositivos.

Cada um destes pontos é crucial para garantir a segurança dos doentes e dos consumidores.

Mais informações:

http://ec.europa.eu/health/medical-devices/regulatory-framework/pip-action-plan/index_en.htm

Contactos:

David Hudson (+32 2 296 83 35)

Andreana Stankova (+32 2 295 78 57)

Para o público: Europe Direct pelo telefone 00 800 6 7 8 9 10 11 ou por e-mail


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website