Navigation path

Left navigation

Additional tools

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno

European Commission - IP/14/188   25/02/2014

Other available languages: EN FR DE DA ES NL IT SV FI EL CS ET HU LT LV MT PL SK SL BG RO HR

Comissão Europeia

Comunicado de imprensa

Bruxelas/Estrasburgo, 25 de fevereiro de 2014

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno

As previsões do inverno da Comissão Europeia preveem a continuação da recuperação económica na maior parte dos Estados-Membros e no conjunto da UE. Depois da saída da recessão na primavera de 2013 e de três trimestres consecutivos de moderada recuperação, as perspetivas apontam para um relançamento moderado do crescimento económico. Na sequência de uma taxa de crescimento real do PIB de 1,5 % na UE e de 1,2 % na zona do euro em 2014, prevê‑se que a atividade acelere em 2015, passando para 2,0 % na UE e 1,8 % na zona euro. Estes valores representam uma revisão em alta de 0,1 pontos percentuais em comparação com as previsões do outono de 2013. A previsão baseia-se no pressuposto de que a execução das medidas acordadas, a nível da UE e dos Estados-Membros, apoia melhorias na confiança, bem como nas condições financeiras, e acelera o necessário ajustamento económico nos Estados-Membros, aumentando o respetivo potencial de crescimento.

Note-se que as previsões para Portugal se baseiam nas projeções preparadas no âmbito da décima revisão do programa de ajustamento económico de meados de dezembro e que serão atualizadas durante a décima primeira revisão em curso. As previsões para Chipre foram finalizadas no início de fevereiro após a terceira revisão do programa e antes da disponibilização da estimativa rápida do quarto trimestre relativamente ao PIB.

Olli Rehn, Vice-Presidente da Comissão Europeia, responsável pelos assuntos económicos e monetários e pelo euro, declarou: «A recuperação económica ganha terreno na Europa na sequência do regresso ao crescimento em meados do ano passado. O reforço da procura interna durante este ano deverá ajudar-nos a atingir um crescimento mais equilibrado e sustentável. O reequilíbrio da economia europeia está a progredir e a competitividade externa a melhorar, particularmente nos países mais vulneráveis. O pior da crise pode agora ter sido ultrapassado, mas isto não é um convite para complacências, dado a recuperação continuar a ser modesta. Para a tornar a recuperação mais forte e criar mais empregos, temos de manter a execução das reformas económicas.»

Crescimento económico com uma base mais ampla

A atividade começou a ser relançada igualmente nos países vulneráveis, prevendo-se que esta tendência se mantenha. Há indicadores que apontam para fortes sinais de melhorias na maior parte dos países. No entanto, em conformidade com as características de anteriores recuperações na sequência de crises financeiras profundas, a atual retoma mostra ser relativamente modesta em geral. Tal reflete o impacto duradouro, embora decrescente, da crise económica em termos de pressões no sentido da redução do endividamento, de condicionalismos em matéria de financiamento, bem como de necessidades de ajustamento interno e externo. Embora as condições de financiamento sejam favoráveis em média, existem ainda diferenças substanciais entre os Estados-Membros e entre empresas de diferentes dimensões. No entanto, depois de uma forte redução durante vários trimestres, o investimento deu um salto, prevendo-se que ganhe uma nova dinâmica no horizonte das previsões, igualmente em construção nalguma medida. A redução das incertezas deverá apoiar uma procura mais forte que se prevê que seja o principal motor do crescimento à medida que os fatores acima mencionados diminuam gradualmente.

O mercado de trabalho caracteriza-se por uma lenta estabilização do emprego, com uma taxa de desemprego elevada, uma vez que há um desfasamento de meio ano ou mais entre as evoluções no mercado de trabalho e as do PIB. De acordo com este modelo, as perspetivas apontam para um ligeiro aumento do emprego a partir do corrente ano, e uma diminuição da taxa de desemprego para 10,4 % na UE e 11,7 % na zona do euro em 2015, com diferenças entre os países que continuam a ser muito grandes.

Prevê-se que prevaleça uma inflação moderada dos preços no consumidor na UE e na zona do euro em 2014, a uma taxa de 1,2 % e 1,0 %, respetivamente, antes de aumentar ligeiramente em cerca de ¼ ponto percentual em 2015, quando o crescimento económico começar a ganhar um novo dinamismo.

Os saldos das contas correntes nos Estados-Membros vulneráveis têm melhorado nos últimos anos devido a ganhos contínuos de competitividade dos preços e a um reforço dos seus setores de exportação. Prevê-se que algumas destas economias registem excedentes de balança de transações correntes em 2014 e 2015.

Consolidação orçamental apresenta resultados

A redução dos défices das administrações públicas deverá manter-se. Em 2014, prevê-se que os défices orçamentais nominais diminuam para 2,7 % do PIB na UE e 2,6 % na zona do euro, enquanto o rácio dívida/PIB atingirá quase 90 % na UE e 96 % na área do euro. O ritmo da consolidação orçamental em termos de saldos orçamentais estruturais aponta para uma situação orçamental globalmente neutra.

Riscos e oportunidades mais equilibrados

Os riscos são mais equilibrados do que no outono. O maior risco de revisão em baixa das perspetivas de crescimento é uma nova perda de confiança que poderá resultar de uma paralisia das reformas a nível nacional ou europeu, o que aumentaria a probabilidade de um período prolongado de fraco crescimento na Europa, com um impacto negativo na atividade económica durante o período de previsão. Embora a evolução atual dos preços reflita tanto fatores externos como o processo de ajustamento em curso, uma inflação continuada muito baixa na zona do euro implicaria riscos para o reequilíbrio da economia. No entanto, dado o reforço gradual da retoma e o aumento da confiança, existe apenas uma probabilidade marginal da ocorrência de choques suficientemente amplos para pôr em causa as expectativas em matéria de inflação e desencadear uma deflação generalizada a nível da UE.

Por outro lado, existe a possibilidade de a retoma ser mais forte do que previsto, o que poderá acontecer se forem executadas mais reformas estruturais corajosas. Estas apoiariam a ocorrência de círculos virtuosos entre a confiança, o crescimento económico — em especial dos investimentos — e a capacidade do setor bancário para alargar empréstimos.

Para mais informações, ver:

http://ec.europa.eu/economy_finance/eu/forecasts/2014_winter_forecast_en.htm

Contactos:

Simon O'Connor (+32 2 296 73 59)

Audrey Augier (+32 2 297 16 07)

Vandna Kalia (+32 2 299 58 24)

Para o público em geral: O serviço Europe Direct por telefone (00 800 6 7 8 9 10 11) ou por correio eletrónico


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website