Navigation path

Left navigation

Additional tools

Comissão Europeia

Comunicado de imprensa

Bruxelas, 28 de outubro de 2014

Eis o Poppy, o robô de fonte aberta, impresso em 3D, que irá inspirar a inovação nas salas de aula

Este é o Poppy, o primeiro robô humanoide de fonte completamente aberta e impresso em 3D (@poppy_project). Poppy é um robô que qualquer pessoa pode construir e programar. Não é, portanto, apenas uma ferramenta para cientistas e engenheiros: a equipa de criadores pretende incluí-lo na formação profissional ministrada nas escolas, oferecendo aos alunos a possibilidade de realizarem experiências.

O Poppy foi desenvolvido em França pela equipa Inria's Flowers, que cria modelos informáticos e robóticos com o objetivo de compreender os processos de desenvolvimento nos seres humanos. O Dr. Pierre-Yves Oudeyer, que obteve do CEI uma «Starting Grant» (bolsa para o arranque de um projeto) em ciências computacionais e informática, explica: “Tem-se feito muito pouco para explorar os benefícios da impressão 3D e a sua interação com a ciência informática nas salas de aula. Com a nossa plataforma Poppy, oferecemos agora às escolas e aos professores um meio para cultivarem a criatividade dos jovens que estudam mecânica, ciências computacionais, eletrónica e impressão 3D”.

Construa o seu próprio robô

O corpo do Poppy é impresso em 3D e o seu comportamento controlado por software gratuito que se encontra disponível, o que significa que os utilizadores podem desenhar as partes do corpo do robô rápida e facilmente e programar eles próprios o seu comportamento. O Dr. Oudeyer esclarece: "Tanto o hardware como o software são de fonte aberta. Não existe apenas um robô humanoide Poppy, mas tantas versões quantos os utilizadores. Este facto torna-o atraente, pois, tendo começado por ser uma ferramenta puramente tecnológica, evoluiu para uma verdadeira plataforma social".

Um hardware e um software acessíveis e de fonte aberta permitem facilmente que os utilizadores experimentem construir os seus próprios robôs pela primeira vez. O Poppy também é agora compatível com a plataforma Arduino, que permite que o robô interaja com outros dispositivos eletrónicos, nomeadamente vestuário, luzes, sensores e instrumentos musicais inteligentes.

«Faça você mesmo» nas escolas

O Dr. Oudeyer planeia levar esta tecnologia para fora dos laboratórios de investigação, estendendo o seu uso ao setor educativo, em particular. Comentando a iniciativa Poppy, a Comissária europeia da Investigação, Inovação e Ciência, Máire Geoghegan-Quinn, afirmou: "Trata-se de uma extraordinária emanação de um projeto CEI: uma plataforma de baixo custo que poderá promover um ambiente de aprendizagem mais interativo e inspirador, permitindo que os estudantes tomem contacto com a investigação e a conceção."

A plataforma Poppy surgiu graças ao projeto «Explorers» financiado pelo CEI, no qual o Dr. Oudeyer estuda os mecanismos de aprendizagem e desenvolvimento utilizando robôs. “O nosso pressuposto é que o corpo é uma variável essencial na aquisição de competências motoras e sociais nos seres humanos. Para estudar esta teoria, precisámos de criar uma plataforma que permitisse a experimentação rápida de novas morfologias de robô. Foi isto que conduziu à plataforma Poppy”.

Graças ao financiamento do CEI, o Dr. Oudeyer pôde desenvolver a capacidade de resolução de problemas e de pensamento crítico na robótica. O seu desejo é que os estudantes de ciências informáticas, programação e desenho possam utilizar o Poppy na sua formação e talvez, mais tarde, arranjar emprego no setor da robótica. O projeto «Explorers», com um valor de 1,5 milhões de euros, decorre até 2015.

Jogos sem fronteiras

O Poppy permitirá também que os utilizadores partilhem as suas ideias e resultados de um modo muito aberto e colaborativo, através de uma plataforma Web própria - que reúne pessoas do mundo escolar, artístico, científico e industrial, diluindo as fronteiras de cada um.

A equipa do Dr. Oudeyer já utilizou o Poppy noutros domínios, incluindo as artes. Num programa artístico residencial intitulado “Etres et Numériques”, que decorre atualmente, a equipa trabalhou com um bailarino e um artista plástico para explorar as emoções e perceções dos gestos e movimentos corporais utilizando o robô (ver mais aqui). A sua ideia é alargar estas experiências a outras expressões artísticas.

Contextualização

Criado pela UE em 2007, o Conselho Europeu da Investigação (CEI) é o primeiro organismo pan-europeu de financiamento da investigação de fronteira. O seu objetivo é incentivar a excelência científica na Europa, estimulando a concorrência para o financiamento da atividade dos melhores e mais criativos investigadores de todas as nacionalidades e idades. Contribui também para atrair para a Europa os melhores investigadores de todo o mundo.

No quadro do novo programa de investigação e inovação da UE - Horizonte 2020 - o CEI viu o seu orçamento substancialmente aumentado para mais de 13 mil milhões de euros.

Para mais informações sobre o projeto:

http://www.poppy-project.org/

Vídeo: http://vimeo.com/76917854

Imagens: https://www.poppy-project.org/illustration/

TEDx Cannes conferência

Contactos :

Michael Jennings (+32 2 296 33 88) Twitter: @ECSpokesScience

Monika Wcislo (+32 2 298 65 95)

Para o público: Europe Direct por telefone 00 800 6 7 8 9 10 11 ou por correio eletrónico


Side Bar