Navigation path

Left navigation

Additional tools

Comissão Europeia

Comunicado de Imprensa

Bruxelas, 20 de agosto de 2013

Comissão adota medidas comerciais contra Ilhas Faroé para proteger unidade populacional de arenque atlanto‑escandinavo

A Comissão Europeia adotou hoje um conjunto de medidas para obviar à continuada pesca insustentável de arenque pelas Ilhas Faroé. Entre as medidas incluem‑se a proibição da importação de arenque e de sarda/cavala das unidades populacionais atlanto‑escandinavas que têm sido capturados sob controlo das Ilhas Faroé, e de produtos da pesca que contenham ou sejam feitos à base destes peixes, assim como restrições à utilização dos portos da UE por navios que visem as unidades populacionais de arenque e de sarda/cavala sob controlo das Ilhas Faroé. Noutros termos, alguns navios faroenses não serão autorizados a atracar em portos da UE, salvo em situação de emergência

Maria Damanaki, comissária europeia responsável pelos Assuntos Marítimos e das Pescas, afirmou: «Estas medidas são sempre impostas como derradeiro recurso. Os Faroenses poderiam ter posto termo à pesca insustentável que praticam, mas decidiram não o fazer. Tornámos claro que a União Europeia está determinada a recorrer a todos os meios de que dispõe para proteger a sustentabilidade a longo prazo das unidades populacionais».

As medidas entrarão em vigor 7 dias após a sua publicação no Jornal Oficial da União Europeia.

A unidade populacional do arenque atlanto‑escandinavo foi, até 2013, gerida conjuntamente pela Noruega, pela Rússia, pela Islândia, pelas Ilhas Faroé e pela União Europeia, através de um plano de gestão de longo prazo, acordado entre aquelas Partes, e de quotas preestabelecidas do total admissível de capturas (TAC). Contudo, em 2013, as Ilhas Faroé decidiram unilateralmente denunciar o acordo e estabelecer uma quota autónoma, que mais do que triplicou a quota anteriormente acordada.

Não obstante todos os esforços envidados pela Comissão para encontrar uma solução negociada e os repetidos avisos quanto à possibilidade de adoção de medidas, as Ilhas Faroé recusaram-se a pôr termo à pesca insustentável da unidade populacional em causa. Tendo esgotado todos os outros meios, a Comissão decidiu exercer os poderes que o instrumento comercial lhe confere, a fim de incentivar as Ilhas Faroé a contribuírem para a conservação destas unidades populacionais. Estas medidas receberam o apoio inequívoco dos Estados‑Membros no Comité para as Pescas e a Aquicultura em 31 de julho de 2013.

Embora não tenha ainda adotado medidas relativamente a um litígio semelhante com a Islândia, sobre a gestão da unidade populacional de sarda do Atlântico Nordeste, que se encontra pendente, a Comissão encetou já as primeiras diligências no sentido da aplicação do instrumento comercial também a este caso.

Informações complementares

Em outubro de 2012, o Parlamento Europeu e o Conselho adotaram o instrumento comercial [Regulamento (UE) n.º 1026/2012] que habilita a Comissão a tomar medidas contra países que permitam uma pesca insustentável.

Contactos:

Oliver Drewes (+32 2 299 24 21)

Lone Mikkelsen (+32 2 296 05 67)


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website