Navigation path

Left navigation

Additional tools

Comissão Europeia

Comunicado de imprensa

Paris, 10 de junho de 2013

Investigação: Nova parceria para o combate às doenças associadas à pobreza

A União Europeia e a Fundação Bill & Melinda Gates assumiram hoje o compromisso de trabalhar conjuntamente no combate ao VIH/SIDA, à tuberculose, à malária e a outras doenças associadas à pobreza que, no seu conjunto, afetam mais de mil milhões de pessoas em todo o mundo. O acordo, assinado hoje em Paris pelo copresidente da Fundação, Bill Gates, e pela Comissária Europeia responsável pela Investigação, Inovação e Ciência, Máire Geoghegan‑Quinn, cria uma nova parceria estratégica de investigação neste domínio. Entre 2007 e 2011, a Fundação e a Comissão Europeia contribuíram com cerca de 2,4 mil milhões de EUR (3,1 mil milhões de USD) para a I&D centrada nas doenças infecciosas relacionadas com a pobreza, apoiando o desenvolvimento de mais de 20 produtos novos e melhorados.

A parceria investirá na investigação e no desenvolvimento de medidas destinadas a salvar vidas, com o objetivo de melhorar a saúde e o bem-estar das populações que vivem nos países em desenvolvimento. Para além de acelerar a criação de medicamentos, vacinas e meios de diagnóstico de grande necessidade, as duas organizações procurarão também encontrar vias sustentáveis e a preços razoáveis para assegurar o rápido encaminhamento destes produtos para quem deles mais necessita.

A Comissária Máire Geoghegan-Quinn declarou: «O nosso objetivo no âmbito desta nova parceria é trabalhar conjuntamente para desenvolver todos os anos pelo menos um produto de saúde novo e melhorado. Isto representará um grande passo em frente para os milhões de pessoas que sofrem de doenças relacionadas com a pobreza.»

«Com recursos suficientes e com vontade política, podemos melhorar a vida de milhões de pessoas até ao final desta década» declarou Bill Gates. «A Fundação está apostada em apoiar os esforços para o desenvolvimento de produtos que salvam vidas, a fim de ajudar a resolver alguns dos problemas mais difíceis do mundo. A parceria com a Comissão e outras entidades de financiamento é essencial para o êxito da nossa missão comum.»

A Fundação e a Comissão Europeia planeiam lançar, por ocasião da Convenção da Inovação de 2014, um prémio comum de inovação destinado a reconhecer e recompensar as inovações que incidem nos atuais desafios que se colocam à saúde mundial.

A Comissão e a Fundação irão também financiar conjuntamente o desenvolvimento clínico de novos instrumentos para o tratamento e a prevenção do VIH, da tuberculose, da malária e de outras doenças infecciosas negligenciadas, como as doenças diarreicas, a úlcera de Buruli, o tracoma, a filaríase linfática e a doença do sono. Grande parte deste trabalho será realizado no âmbito da Parceria Europa - Países em Desenvolvimento para a Realização de Ensaios Clínicos (EDCTP), uma iniciativa emblemática da União Europeia em que participam atualmente 16 países parceiros europeus e 30 da África subsariana.

Antecedentes

A EDCTP entrará em breve na sua segunda fase, que visa abranger mais fases de ensaios clínicos e um maior número de doenças. Esta parceria está em vias de se tornar numa importante instância de apoio ao desenvolvimento de produtos e à criação de capacidades nos países com doenças endémicas. A Comissão Europeia propôs um financiamento, que pode ir até mil milhões de EUR do orçamento da UE, para igualar as contribuições dos países parceiros europeus. A parceria pode desempenhar um papel fundamental na mobilização de financiamento catalisador para os ensaios clínicos em fase avançada, com vista a comprovar a segurança e a eficácia de medicamentos e vacinas inovadores. Um exemplo típico de ensaio em fase avançada pode durar até 15 anos, com um custo de desenvolvimento de 500 a 800 milhões de EUR para cada novo medicamento ou vacina.

No entanto, continuam a fazer falta medicamentos seguros, eficazes e a preços acessíveis para muitas doenças associadas à pobreza e os custos socioeconómicos dessas doenças limitam o potencial de desenvolvimento, principalmente na África subsariana.

Ambas as partes estão atualmente a identificar oportunidades de investimento em produtos promissores e novas abordagens científicas, combinadas com a utilização de estratégias de investimento eficientes e de mecanismos de financiamento flexíveis. Um dos principais domínios a visar será o da tuberculose, para o qual são necessários novos medicamentos, vacinas e abordagens científicas a fim de fazer face a esta epidemia e combater a emergência de estirpes resistentes aos medicamentos.

As doenças associadas à pobreza têm impactos negativos enormes na saúde, na sociedade e no crescimento económico em muitos países. Afetam especialmente as comunidades mais pobres e marginalizadas do mundo. Mais de mil milhões de pessoas, incluindo 400 milhões de crianças, sofrem de uma ou mais das três principais doenças associadas à pobreza – o VIH/SIDA, a malária e a tuberculose – ou de doenças infecciosas negligenciadas, como a úlcera de Buruli, o tracoma, a filaríase linfática e a doença do sono. Só o VIH/SIDA mata cerca de 2 milhões de pessoas por ano, e a malária e a tuberculose matam cerca de 2,2 milhões.

O combate às principais doenças associadas à pobreza é também, cada vez mais, um problema de saúde mundial. A crescente mobilidade a nível mundial, incluindo o turismo e as migrações, significa que qualquer país do mundo está sujeito ao aparecimento ou recrudescimento de doenças infecciosas. O aquecimento global e a emergência de resistências aos medicamentos são também fatores que alteram a prevalência e a distribuição destas doenças em todo o mundo.

Ligações

Ligação ao Memorando de Entendimento:

http://ec.europa.eu/research/press/2013/pdf/Gates_Foundation_MoU.pdf

Parceria Europa - Países em Desenvolvimento para a Realização de Ensaios Clínicos

(EDCTP): http://www.edctp.org/

http://www.gatesfoundation.org/What-We-Do

Comissão Europeia – Investigação no domínio da Saúde

http://ec.europa.eu/research/health/index_en.html

Contactos :

Michael Jennings (+32 2 296 33 88)

Monika Wcislo (+32 2 298 65 95)

media@gatesfoundation.org (+1 206 709-3400)


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website