Chemin de navigation

Left navigation

Additional tools

Comissão europeia

Comunicado de imprensa

Bruxelas, 19 de março de 2013

Segurança rodoviária: UE anuncia mortalidade rodoviária mais baixa de sempre e dá os primeiros passos rumo a uma estratégia em matéria de lesões

Em 2012, a mortalidade rodoviária na UE diminuiu 9 %. De acordo com as novas informações publicadas hoje pela Comissão Europeia, 2012 registou o número mais baixo de sempre (desde que são recolhidos dados sobre o assunto) de vítimas mortais do tráfego rodoviário nos países da UE.

O Vice-Presidente Siim Kallas, Comissário responsável pela pasta dos transportes, afirmou que «2012 foi um ano de charneira para a segurança rodoviária na Europa, registando o valor de mortalidade rodoviária mais baixo de sempre. Uma diminuição de 9 % significa que, no ano passado, foram poupadas 3 000 vidas. É extremamente encorajador constatar este tipo de resultados. Porém, 75 pessoas morrem diariamente nas estradas da Europa, pelo que não há margem para complacência. Temos objetivos ambiciosos, até 2020, de redução para metade da mortalidade rodoviária na UE e é necessário manter este impulso para conseguirmos alcançá‑los.

A mortalidade rodoviária é apenas a ponta do icebergue. Por cada morte nas estradas europeias contam-se 10 feridos graves, designadamente com lesões cerebrais ou na medula espinal. Precisamos de uma estratégia para diminuir o número de lesões graves resultantes de acidentes de viação em toda a UE

As estatísticas por país (ver quadro abaixo) indicam que o número de mortes nas estradas é ainda muito variável em toda a UE. Os países com o menor número de vítimas mortais de acidentes rodoviários continuam a ser o Reino Unido, a Suécia, os Países Baixos e a Dinamarca, que registam cerca de 30 mortes por milhão de habitantes.

Em comparação com os dados dececionantes de 2011, ano em que os progressos na redução da mortalidade rodoviária se ficaram pelos 2 %, a diminuição de 9 % em 2012 significa que os Estados-Membros se encontram no bom caminho para alcançarem o objetivo de reduzir para metade, entre 2010 e 2020, a mortalidade rodoviária. Para atingir este objetivo, é necessária uma redução média de cerca de 7 %.

O elemento mais preocupante das estatísticas relativas à segurança rodoviária em 2011 foi um aumento significativo do número de mortos entre os utentes vulneráveis, nomeadamente peões, motociclistas e idosos, não obstante uma redução global da mortalidade rodoviária. Com base nos dados provisórios relativos a 2012, o número de mortos entre os utentes vulneráveis diminuiu, de forma substancial, em 2012.

Programa de ação da UE para a segurança rodoviária 2011-2020

O programa de ação europeu para a segurança rodoviária 2011-2020 (ver MEMO/10/343) estabelece planos ambiciosos de redução para metade, nos próximos dez anos, da mortalidade rodoviária na Europa. Contém propostas ambiciosas que colocam a tónica na melhoria dos veículos, das infraestruturas e do comportamento dos utentes da estrada. A título de exemplo, as principais iniciativas recentes incluem:

uma nova carta de condução da UE, desde janeiro de 2013, com regras mais estritas para o acesso dos jovens a motociclos potentes;

planos nacionais de execução, apresentados pelos Estados-Membros, que constituem um manancial de melhores práticas;

regras de execução transnacionais no domínio da repressão das infrações ao código da estrada cometidas no estrangeiro (condução sob o efeito do álcool, excesso de velocidade, etc.), em vigor desde novembro de 2012;

trabalhos no sentido da elaboração de uma estratégia em matéria de lesões (ver mais abaixo).

Para uma estratégia em matéria de lesões: situação atual

Calcula-se que, por cada morte nas estradas europeias, contam-se 10 feridos graves e 40 feridos mais ligeiros.

Um fator decisivo que contribuiu para o êxito do combate à mortalidade rodoviária foi a abordagem baseada nos resultados, adotada no âmbito de duas estratégias decenais consecutivas para a segurança rodoviária na UE. A aplicação de uma abordagem semelhante ao número de lesões graves mas não mortais resultantes de acidentes de viação poderia revelar-se extremamente proveitosa. O problema é que os dados existentes sobre lesões graves são estimativas de caráter geral. Os números comunicados são erróneos ou subestimados e a sua comparabilidade na UE não é garantida.

Por estas razões, a Comissão Europeia publicou hoje um documento sobre lesões graves resultantes de acidentes de viação, que salienta as próximas medidas a tomar rumo a uma estratégia global da UE em matéria de lesões graves resultantes de acidentes de viação, nomeadamente: definição comum de lesão grave resultante de um acidente de viação (aplicável a partir de 2013); via a seguir pelos Estados-Membros para melhorar a recolha de dados sobre acidentes rodoviários graves (primeira declaração que utiliza métodos de recolha de dados comparáveis à escala da UE e uma nova definição, 2014); princípio de adoção de um objetivo a nível da UE para a redução do número de lesões graves resultantes de acidentes de viação (por exemplo, para o período de 2015-2020).

Em 2012, já foi dado um passo fundamental com o acordo sobre um sistema à escala da UE para a definição de lesões graves resultantes de acidentes de viação. A Comissão Europeia participou em inúmeros trabalhos com os Estados-Membros, no âmbito do grupo de alto nível para a segurança rodoviária, no sentido de chegar a acordo sobre a utilização da classificação de traumatismos MAIS (Maximum Abbreviated Injury Score, classificação máxima abreviada das lesões) para a definição de lesões graves resultantes de acidentes de viação. Para mais informações sobre a estratégia em matéria de lesões, ver MEMO/13/232.

5 factos fundamentais: o que é já sabemos sobre as lesões graves?

As estimativas atuais indicam o seguinte:

cerca de 250 000 pessoas são, anualmente, vítimas de lesões graves em acidentes rodoviários na UE, tendo-se registado 28 000 mortes na estrada em 2012.

Embora o número de vítimas mortais de acidentes rodoviários tenha diminuído 43 % na última década, o número de pessoas gravemente feridas regrediu apenas 36 %.

As lesões graves mais comuns resultantes de acidentes de viação são os traumatismos cranianos e cerebrais, seguidos de lesões das pernas e da coluna vertebral.

Os utentes da estrada vulneráveis, por exemplo peões, ciclistas e motociclistas ou utentes em determinados grupos etários – nomeadamente os idosos — encontram-se particularmente expostos às lesões graves. Este tipo de lesões é mais frequente nas zonas urbanas do que na rede rodoviária rural.

Documento de trabalho dos serviços da Comissão «First milestones towards an injury strategy», ver

http://ec.europa.eu/transport/road_safety/topics/serious_injuries/index_en.htm.

Estatísticas sobre a mortalidade rodoviária por país para 20121

Estado-Membro

Número de mortes por milhão de habitantes

Evolução do número de mortes

 

1965

2010

2011

2012

Diminuição anual média 2000-2010

2010-2011

2011-2012

Belgique/België

147

77

78

73

-6%

2%

-12%

България (Bulgaria)

91

103

89

82

-3%

-15%

-8%

Česká republika

150

76

74

71

-5%

-4%

-4%

Danmark

212

46

40

32

-6%

-14%

-18%

Deutschland

234

45

49

44

-7%

10%

-10%

Eesti

178

58

75

65

-10%

29%

-14%

Éire/Ireland

124

47

41

36

-7%

-12%

-12%

Ελλάδα (Elláda)

89

111

101

92

-4%

-9%

-10%

España

114

54

45

41

-9%

-17%

-9%

France

249

62

61

56

-8%

-1%

-8%

Italia

186

68

64

62

-6%

-6%

-2%

Κύπρος (Kypros)/Kibris

162

73

85

59

-5%

18%

-28%

Latvija

290

97

86

86

-10%

-18%

-2%

Lietuva

250

90

97

100

-9%

-1%

2%

Luxembourg

250

64

64

65

-8%

3%

3%

Magyarország

86

74

64

60

-6%

-14%

-5%

Malta

36

36

51

26

-1%

40%

-48%

Nederland

202

32

33

32

-7%

2%

-1%

Österreich

252

66

62

64

-6%

-5%

4%

Polska

79

102

109

93

-4%

7%

-15%

Portugal

117

79

84

71

-6%

-7%

-16%

România

98

111

94

96

0%

-15%

1%

Slovenija

327

67

69

59

-7%

2%

-13%

Slovensko

128

68

60

55

-5%

-13%

-9%

Suomi/Finland

230

51

54

48

-5%

7%

-11%

Sverige

170

28

34

31

-8%

20%

-7%

United Kingdom

146

31

31

28

-7%

3%

-12%

UE

171

62

60

55

-6%

-2%

-9%

Contactos :

Helen Kearns (+32 2 298 76 38)

Dale Kidd (+32 2 295 74 61)

1 :

Os dados relativos a 2012 são provisórios; podem registar-se pequenas alterações nos dados definitivos respeitantes a determinados países. Os valores de 1965 baseiam-se em dados da Comissão Económica para a Europa das Nações Unidas (CEE-ONU). Para os países a seguir indicados, os primeiros dados disponíveis são de 1970, no caso da Eslováquia, República Checa e Eslovénia, e de 1980, no caso da Estónia, Letónia e Lituânia (1980).


Side Bar

Mon compte

Gérez vos recherches et notifications par email


Aidez-nous à améliorer ce site