Navigation path

Left navigation

Additional tools

Comissão Europeia

Comunicados de imprensa

Bruxelas, 18 de dezembro de 2013

Comissão adota novo regulamento em matéria de auxílios de valor reduzido (de minimis) no setor da produção agrícola primária

A Comissão adotou hoje um regulamento que visa elevar o limite máximo e a precisar a definição dos auxílios de valor reduzido (auxílios de minimis) que se podem considerar não constituírem auxílios estatais.

O comissário responsável pela Agricultura e pelo Desenvolvimento Rural, Dacian Cioloş, declarou: «Este novo regulamento proporcionará aos Estados‑Membros uma margem de manobra mais ampla para concederem auxílios sem distorcerem a concorrência, particularmente em situações de emergência, e permitirá à Comissão simplificar o tratamento dos auxílios nacionais no setor agrícola

Até à data, por força do Regulamento (CE) n.º 1535/2007, considerava‑se que não distorciam nem ameaçavam distorcer a concorrência os auxílios que não excedessem 7 500 EUR por beneficiário ao longo de um período de três exercícios fiscais nem um limite máximo de 0,75% do valor da produção agrícola estabelecido para cada Estado‑Membro.

O novo regulamento, aplicável a partir de 1 de janeiro de 2014, eleva o montante por beneficiário a 15 000 EUR ao longo de um período de três exercícios fiscais e o limite máximo por Estado‑Membro a 1 % do valor da produção agrícola. Além disso, define mais cabalmente os tipos de auxílio que caem no seu âmbito de aplicação.

Contexto

A concorrência é um dos principais fatores de crescimento, pelo que a manutenção de um sistema de livre concorrência, isento de distorções, constitui um dos princípios basilares da União Europeia (UE). Através da sua política de auxílios estatais, a União pretende garantir a livre concorrência, uma repartição eficaz dos recursos e a unidade do mercado europeu, sem prejuízo dos seus compromissos internacionais. Os auxílios estatais no setor agrícola assentam em três princípios:

conformidade com os princípios gerais da política de concorrência;

coerência com as políticas comuns da UE no domínio da agricultura e do desenvolvimento rural;

compatibilidade com os compromissos internacionais assumidos pela UE, nomeadamente com o acordo da OMC sobre a agricultura.

Estes princípios traduziram‑se em instrumentos jurídicos, de aplicação circunscrita ao setor agrícola:

Orientações comunitárias para os auxílios estatais no setor agrícola e florestal no período 2007‑2013;

Regulamento relativo às isenções por categoria no setor agrícola;

Previsão, pelo regulamento relativo aos formulários de notificação, de auxílios estatais específicos do setor agrícola [anexo I, parte III.12.A a T, do Regulamento (CE) n.º 794/2004];

Regulamento relativo aos auxílios de minimis no setor agrícola.

Estes instrumentos caducam em 31 de dezembro de 2013, pelo que se procede atualmente à sua revisão no âmbito da iniciativa da Comissão para modernizar os auxílios estatais e à luz das novas regras aplicáveis no domínio da agricultura e do desenvolvimento rural, decorrentes do quadro financeiro plurianual para 2014‑2020.

Em 2013, a Comissão Europeia realizou uma consulta pública sobre a revisão das normas aplicáveis aos auxílios estatais, proporcionando a todas as partes interessadas a possibilidade de manifestarem a sua posição sobre as alterações necessárias e de formularem observações sobre o projeto de novo regulamento em matéria de isenções por categoria no setor agrícola.

Porém, nem o novo regulamento das isenções por categoria no setor agrícola nem as novas orientações entrarão em vigor no início de 2014. Por comunicação de novembro de 2013, a Comissão prorrogou até 30 de junho de 2014 a aplicabilidade do regulamento das isenções e das orientações vigentes no setor agrícola.

Contactos:

Fanny Dabertrand (+32 2 299 06 25)

Roger Waite (+32 2 296 14 04)


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website