Chemin de navigation

Left navigation

Additional tools

Envelhecimento dos professores: um desafio para o setor educativo da UE

Commission Européenne - IP/12/950   11/09/2012

Autres langues disponibles: FR EN DE DA ES NL IT SV FI EL CS ET HU LT LV MT PL SK SL BG RO

Comissão Europeia

Comunicado de Imprensa

Bruxelas, 11 de setembro de 2012

Envelhecimento dos professores: um desafio para o setor educativo da UE

A Comissão Europeia saudou hoje a publicação do relatório anual «Education at a Glance 2012», que fornece dados de 34 países, incluindo 21 Estados-Membros da UE (lista infra), sobre os resultados alcançados no domínio da educação. O relatório, elaborado pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), identifica vários aspetos da educação na Europa que poderão originar desafios num futuro próximo. É o caso do envelhecimento do pessoal docente: mais de 40 % dos professores dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e do ensino secundário em cinco países da UE (Áustria, República Checa, Estónia, Países Baixos e Suécia) têm idade igual ou superior a 50 anos esta percentagem é ainda mais elevada na Alemanha e em Itália, cifrando-se em mais de 50 %. A desigualdade entre homens e mulheres também é problemática: o relatório revela que quase um terço mais de mulheres do que homens na UE se inscreve no ensino superior.

«Este relatório é um instrumento precioso para os responsáveis políticos nacionais e europeus. Os Estados-Membros reconhecem que o investimento na educação é uma condição fundamental para o futuro da Europa e uma prosperidade a longo prazo. Os dados revelam claramente que o custo da educação é muito ultrapassado pelos seus benefícios. Mas não podemos ser complacentes: o relatório mostra igualmente que são necessárias reformas para modernizar a educação e torná-la mais atrativa tanto para os alunos como para os professores», declarou Androulla Vassiliou, a Comissária Europeia responsável pela Educação, Cultura, Multilinguismo e Juventude.

O relatório Education at a Glance revela também que:

  • - A despesa com a educação nos 21 Estados-Membros da UE abrangidos pelo relatório corresponde a uma média anual de 9 122 USD por aluno, do ensino primário ao ensino superior. Este valor é ligeiramente inferior à média da OCDE (9 252 USD).

  • - Prevê-se que 84 % dos jovens dos países da OCDE concluam o ensino secundário; nos países da UE, serão cerca de 86 %. Em 1995-2010, o maior aumento nas taxas de conclusão do ensino secundário registou-se em Portugal (taxa anual de crescimento de 4,7 %).

  • - Os benefícios financeiros do ensino superior continuam a crescer. Se um diplomado europeu pode esperar um ganho líquido de 176 000 USD (média da OCDE: 162 000 USD) durante a sua vida ativa, os proventos públicos a longo prazo gerados pelo ensino superior, através do aumento de impostos pagos e de outras poupanças, representam quase o triplo da despesa pública com este setor.

  • A Europa continua a ser o destino preferido dos estudantes que efetuam um curso fora do seu país: os países da UE acolhem 41 % de todos os estudantes internacionais (da UE e não-UE). Os estudantes internacionais representam uma percentagem igual ou superior a 10 % de inscrições no ensino superior na Áustria, no Luxemburgo e no Reino Unido. Correspondem a mais de 20 % das inscrições em investigação avançada na Áustria, na Dinamarca, na Irlanda, no Luxemburgo, na Suécia e no Reino Unido. Em toda a UE, 76 % dos estudantes estrangeiros provêm de outro país da UE.

Contexto

O relatório «Education at a Glance» é elaborado anualmente pela Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económico (OCDE) e baseia-se em dados compilados pelo Eurostat e pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

O relatório fornece informações sobre a situação da educação, incluindo os recursos financeiros e humanos investidos neste domínio, a relação entre o número de alunos e de professores, as horas letivas, o número de estudantes graduados e os resultados alcançados, o acesso, a participação e a progressão no ensino, bem como dados sobre o contexto de aprendizagem e a organização dos estabelecimentos de ensino.

Novos indicadores incidem nos efeitos da crise económica mundial na despesa com a educação e no impacto da educação em resultados macroeconómicos como o PIB. Além disso, o relatório abrange temas como a educação pré-escolar, a mobilidade intergeracional no ensino superior, os fatores que influenciam a despesa com a educação, as expectativas profissionais dos jovens com 15 anos de idade, a composição do corpo docente e o impacto dos exames no acesso aos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico, ao ensino secundário e ao ensino superior.

O relatório reúne dados sobre a educação de 34 países membros da OCDE, incluindo 21 Estados-Membros da UE (Áustria, Bélgica, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Polónia, Portugal, República Eslovaca, Eslovénia, Espanha, Suécia e Reino Unido), 4 outros países europeus (Islândia, Noruega, Suíça e Turquia) e 9 países terceiros (Austrália, Canadá, Chile, Israel, Japão, Coreia, México, Nova Zelândia e Estados Unidos da América). Fornece igualmente dados sobre o Brasil, a Federação da Rússia e, em alguns casos, a Argentina, a China, a Índia, a Indonésia, a Arábia Saudita e a África do Sul.

Os seis Estados-Membros da UE que não são países membros da OCDE e que, por essa razão, não estão incluídos no relatório são a Bulgária, o Chipre, a Letónia, a Lituânia, Malta e a Roménia.

Em resposta à crescente importância das questões relativas à educação e às competências no âmbito da estratégia «Europa 2020» para o crescimento e o emprego, a Comissão Europeia e a OCDE também anunciaram hoje o seu acordo em cooperar mais estreitamente no futuro. Tal permitirá reforçar o impacto e o valor do trabalho que desenvolvem no domínio da educação e da formação para os seus Estados-Membros.

A análise da situação dos países, a definição de estratégias em matéria de competências e a cooperação na realização de estudos como a avaliação PISA e a futura avaliação de competências dos adultos (PIAAC) serão prioritárias no contexto deste novo quadro de cooperação.

Para mais informações

O resumo técnico oficial será apresentado via Web às 11h00 (web streamed)

A versão integral do relatório está disponível em sítio web

«Education at a Glance 2012: OECD Indicators»

Comissão Europeia: Objetivos da UE no domínio da educação e da formação

Anexo 1: Taxas de acesso ao ensino superior e repartição etária dos novos estudantes (2010)

Anexo 2: Repartição etária dos professores nos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e no ensino secundário (2010)

Contactos :

Dennis Abbott (+32 2 295 92 58); Twitter: @DennisAbbott

Dina Avraam (+32 2 295 96 67)


Side Bar

Mon compte

Gérez vos recherches et notifications par email


Aidez-nous à améliorer ce site