Navigation path

Left navigation

Additional tools

Comissão Europeia

Comunicado de imprensa

Bruxelas, 10 de setembro de 2012

Relatório da UE sobre a juventude apela a que se dê prioridade ao emprego e à inclusão social

O Relatório da UE sobre a juventude hoje publicado faz um apelo para que o emprego juvenil, a inclusão social, a saúde e o bem-estar dos jovens assumam cariz absolutamente prioritário na política europeia de juventude. O relatório, produzido de três em três anos pela Comissão, evidencia a necessidade de a UE e os Estados-Membros envidarem mais esforços para apoiar os jovens, que têm sido os mais afetados pela crise económica.

O desemprego na UE na faixa etária 15-24 anos aumentou 50% desde o início da crise, passando de uma média de 15% em fevereiro de 2008 para 22,5% em julho deste ano. Segundo os dados mais recentes publicados pelo Eurostat, os níveis mais elevados encontram-se na Grécia (53,8%) e na Espanha (52,9%). Na UE, mais de 30% dos jovens desempregados estão nessa situação há mais de um ano.

«É com profunda preocupação que observo os efeitos da crise nos jovens. São demasiados os que estão em risco de exclusão social e pobreza. Os jovens são o nosso futuro e estou fortemente empenhada em reforçar os nossos programas e políticas na área da educação, formação e juventude para melhorar as suas perspetivas de emprego e oportunidades de vida», afirmou Androulla Vassiliou, Comissária Europeia responsável pela Educação, a Cultura, o Multilinguismo e a Juventude.

Não obstante, parece haver indícios de esperança no horizonte: o relatório revela que quase todos os Estados-Membros estão a aplicar a estratégia da UE para a juventude, a qual tem por objetivo criar mais e melhores oportunidades para os jovens e promover a cidadania ativa, a inclusão social e a solidariedade. Desde o relatório anterior publicado em 2009, os Estados-Membros reforçaram as iniciativas em prol da educação, do emprego e do empreendedorismo destinadas aos jovens. Os níveis de participação juvenil em associações e movimentos sociais continuam a ser elevados.

O novo programa proposto para as áreas da educação, formação e juventude Erasmus para todos, a vigorar no período 2014-2020, estará no centro da nova estratégia da UE para a juventude. Este novo programa prevê um significativo aumento dos fundos a afetar, o que permitirá a 5 milhões de pessoas receber bolsas da UE para estudar, prosseguir formações ou fazer voluntariado no estrangeiro – quase o dobro comparativamente aos programas 2007-2013 atualmente em vigor.

Próximas etapas

O relatório da UE sobre a juventude será apresentado ao Conselho e deverá ser adotado sob a forma de relatório conjunto do Conselho e da Comissão em novembro.

Contexto

A estratégia da UE para a juventude (2010-2018) foi adotada pelo Conselho em 27 de novembro de 2009 com o objetivo de 1) criar mais e melhores oportunidades para os jovens e 2) promover a cidadania ativa, a inclusão social e a solidariedade. A estratégia, com vigência de nove anos, divide-se em três ciclos. No termo de cada ciclo, é elaborado um relatório da UE sobre a juventude que avalia os resultados e propõe novas prioridades para o ciclo de três anos seguinte. Se forem adotadas pelo Conselho, as novas prioridades aplicar-se-ão de 2013 a 2015.

O relatório de 2012 inclui uma síntese de como a estratégia da UE para a juventude tem sido aplicada a nível nacional e da UE desde 2010, bem como uma análise aprofundada da situação vivida pelos jovens. Para a sua elaboração contribuíram elementos fornecidos pelos Estados-Membros, agências governamentais e ministérios, bem como consultas com jovens. Os países candidatos e os países da EFTA transmitiram também informações numa base voluntária.

A estratégia da UE para a juventude complementa a iniciativa emblemática Juventude em movimento da estratégia Europa 2020 para o crescimento e o emprego. A estratégia da UE para a juventude aborda as necessidades dos jovens e as oportunidades possíveis em oito áreas de ação:

  • Educação e formação

  • Emprego e empreendedorismo

  • - Inclusão social

  • - Saúde e bem-estar

  • - Voluntariado

  • - Participação

  • - Cultura e criatividade

  • A juventude e o mundo

Ações da UE para combater o desemprego juvenil

No cerne das recomendações específicas por país, adotadas pelo Conselho em junho, estão medidas para combater o desemprego juvenil e os problemas que lhe estão associados.

O Pacote de Emprego da Comissão (abril de 2012) destaca a necessidade de os Estados-Membros se concentrarem na criação de emprego e no crescimento e não apenas em medidas de austeridade. Para facilitar ainda mais a mobilidade da mão-de-obra, a Comissão tenciona desenvolver o seu portal de emprego EURES, que faz a correspondência entre os candidatos a emprego e as ofertas disponíveis além-fronteiras.

Antes do final do ano, a Comissão apresentará uma proposta de recomendação do Conselho sobre as «garantias para a juventude». Tal visa garantir que, nos quatro meses seguintes a deixarem o sistema educativo, todos os jovens têm emprego ou frequentam ações de educação ou formação. Além disso, a Comissão lançará uma consulta com as organizações patronais e sindicais sobre um quadro de qualidade para os estágios.

A Comissão está também a incentivar os Estados-Membros a aproveitar melhor o Fundo Social Europeu para apoiar a criação de empregos e tem equipas de ação a prestar assistência a oito Estados-Membros (Grécia, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Portugal, Eslováquia e Espanha) onde as taxas de desemprego juvenil são mais elevadas. Estas equipas têm ajudado os países em questão a reafetar verbas dos fundos estruturais da UE num total de 7,3 mil milhões de euros em benefício de mais de 460 000 jovens.

A Comissão está também a envidar esforços para suprimir obstáculos que se colocam aos cidadãos da UE, designadamente quando querem exercer o seu direito de circularem livremente na UE para ações de voluntariado, estudos ou trabalho.

O programa Juventude em Ação, que financia oportunidades de aprendizagem para jovens, animadores socioeducativos e organizações de juventude, apoia as prioridades e as recomendações constantes da estratégia da UE para a juventude. Em linha com a estratégia, o programa promove a cidadania e a solidariedade entre os jovens e permite-lhes adquirir competências através de ações de animação socioeducativa, voluntariado e participação cívica. Em 2011, cerca de 185 000 participantes beneficiaram do programa, contra os 111 000 em 2007, ano em que foi criado.

Os esforços para aumentar a empregabilidade, a mobilidade e a participação dos jovens são apoiados pelo atual programa Aprendizagem ao Longo da Vida, incluindo Erasmus e Leonardo da Vinci. Em 2012-2013, através destes programas, a Comissão financiará 280 000 colocações em empregos para estudantes do ensino profissional e superior enquanto parte da sua campanha 'We Mean Business'.

Para mais informações

Relatório da UE sobre a Juventude 2012 e anexos

Relatórios dos Estados-Membros

Painel de indicadores da UE no domínio da juventude

Sítio Web de Androulla Vassiliou

Siga Androulla Vassiliou no Twitter @VassiliouEU

Contactos :

Dennis Abbott (+32 2 295 92 58); Twitter: @DennisAbbott

Dina Avraam (+32 2 295 96 67)


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website