Chemin de navigation

Left navigation

Additional tools

Europeus prontos para o «envelhecimento ativo», revela novo inquérito

Commission Européenne - IP/12/16   13/01/2012

Autres langues disponibles: FR EN DE DA ES NL IT SV FI EL CS ET HU LT LV MT PL SK SL BG RO

Comissão Europeia - Comunicado de Imprensa

Europeus prontos para o «envelhecimento ativo», revela novo inquérito

Bruxelas, 13 de janeiro de 2012 – Para assinalar o Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações 2012, a Comissão apresentou hoje um novo inquérito Eurobarómetro que revela que 71% dos europeus estão conscientes do envelhecimento da população da Europa, mas apenas 42% estão preocupados com o facto. Esta constatação contrasta com a perceção dos decisores políticos, que consideram o envelhecimento demográfico como um desafio crucial. Para a maioria dos cidadãos, as pessoas com mais de 55 anos desempenham um papel essencial em áreas fundamentais da sociedade. Mais de 60% estão convictos de que devemos poder continuar a trabalhar após a idade da reforma e um terço afirma que eles próprios gostariam de prolongar a vida profissional. Um facto surpreendente é que, mais do que as gerações mais jovens, são as pessoas que mais próximas estão da reforma que tendem sobretudo a partilhar desta opinião.

László Andor, Comissário para o Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão, apresentou o inquérito, afirmando: «O inquérito Eurobarómetro que hoje apresentamos revela que as pessoas estão dispostas a permanecer ativas à medida que envelhecem. Estou confiante de que o Ano Europeu será instrumental para incentivar os cidadãos, as partes interessadas e os decisores políticos a agir para promover o envelhecimento ativo e enfrentar os desafios do envelhecimento de forma positiva.»

O inquérito Eurobarómetro abrange cinco áreas: perceções globais da idade e das pessoas mais velhas; as pessoas mais velhas no local de trabalho; reforma e pensões; trabalho voluntário e apoio às pessoas mais velhas num ambiente que lhes seja propício.

O inquérito demonstra como as definições de «jovem» e «velho» diferem significativamente consoante o país. Em Malta, Portugal e na Suécia, as pessoas com menos de 37 anos são consideradas jovens, enquanto em Chipre e na Grécia as pessoas são assim vistas até aos 50 anos. Em média, os europeus acreditam que começamos a ser considerados velhos pouco antes dos 64 anos e deixamos de ser considerados jovens por volta dos 41,8 anos. As perceções variam igualmente com a idade e o sexo – as mulheres acham que a velhice começa ligeiramente mais tarde do que os homens (65 contra 62,7 anos, respetivamente).

No que respeita ao emprego, apenas um em três europeus concorda com a ideia de que a idade de reforma deva ser aumentada até 2030, ainda que esta seja agora uma prioridade política clara em muitos Estados-Membros. Não obstante, a ideia de que as pessoas devem poder continuar a trabalhar uma vez chegadas à idade oficial de reforma reúne forte apoio (61%). 53% rejeitam a obrigatoriedade da idade de reforma, mas as variações são muito acentuadas consoante os Estados-Membros.

Ainda que a idade de reforma típica seja 65 anos, em 2009, a média de idade em que as pessoas abandonam a vida ativa era de cerca de 61,5 anos. 42% dos europeus acreditam ser capazes de continuar a exercer a mesma atividade que exercem atualmente após os 65 anos, ao passo que 17% acham que não serão capazes de continuar no seu emprego atual até aos 60 anos. Um terço dos europeus afirma que gostaria de continuar a trabalhar após a idade de reforma e quase dois terços considera a ideia de conjugar o trabalho a tempo parcial e uma pensão também parcial mais atrativa do que a reforma completa.

O envelhecimento ativo não se esgota no emprego. Cerca de um quarto dos europeus (incluindo os que têm mais de 55 anos) declaram exercer um trabalho voluntário. Em países onde a tradição de voluntariado está menos implantada, uma elevada proporção de pessoas declaram ter já ajudado ou prestado apoio a outras pessoas fora do seu agregado familiar. 36% dos europeus com mais de 55 anos prestaram um apoio deste tipo. 15% dos inquiridos com mais de 55 anos tomam conta de um familiar mais velho e 42% já o fizeram no passado.

Contexto

O Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre as Gerações 2012 procura sensibilizar chamar a atenção para o contributo das pessoas mais velhas para a sociedade e promover medidas que criem melhores oportunidades para essas pessoas se manterem ativas.

O Ano Europeu 2012 abrange três dimensões do envelhecimento ativo:

  • O envelhecimento ativo no emprego. Incentivar os trabalhadores mais velhos a permanecer no mercado de trabalho exige, nomeadamente, a melhoria das condições de trabalho e a adaptação destas ao estado de saúde e às necessidades desses mesmos trabalhadores, bem como a atualização das suas competências através de um melhor acesso à aprendizagem ao longo da vida e da revisão dos sistemas fiscais e de prestações sociais, a fim de garantir a existência de incentivos eficazes ao prolongamento do tempo de trabalho.

  • Participação na sociedade. Melhorar as oportunidades e as condições para que as pessoas mais velhas possam contribuir para a sociedade enquanto voluntários ou prestadores de cuidados a familiares e participar na sociedade, evitando assim sentimentos de isolamento social e muitos dos problemas e riscos que lhe estão associados.

  • Vida independente. A promoção da saúde e os cuidados de saúde preventiva através de medidas que maximizem os anos de vida saudável e previnam a dependência, ao mesmo tempo que se torna o ambiente (edifícios públicos, infraestruturas, transportes, edifícios) mais acessível, permitindo às pessoas mais velhas permaneceram o mais independentes possível.

O Ano Europeu visa encorajar todos os decisores políticos e partes interessadas a definirem compromissos específicos em matéria de envelhecimento ativo e a agir no sentido de os concretizarem. Esses compromissos podem ser divulgados publicamente no sítio Web do Ano Europeu. As ações de comunicação com o público em geral, as partes interessadas, os decisores políticos e os jornalistas serão organizadas aos níveis nacional e europeu.

Para mais informações:

Eurobarómetro especial n.º 378: Envelhecimento ativo (Report and Factsheets)

Informação comparativa sobre os Estados-Membros da UE no MEMO/12/10

Comunicado de Imprensa do Eurostat

Ver também:

Sítio Web do Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre as Gerações

Parceria Europeia de Inovação no domínio do envelhecimento ativo e saudável

Publicações:

Brochura do Eurostat - Envelhecimento Ativo e Solidariedade entre as Gerações – panorama estatístico da União Europeia 2012

Como promover o envelhecimento ativo na Europa - apoio da UE a agentes locais e regionais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e a da Solidariedade entre as Gerações 2012

Contact :

Cristina Arigho (+32 2 298 53 99)


Side Bar

Mon compte

Gérez vos recherches et notifications par email


Aidez-nous à améliorer ce site