Navigation path

Left navigation

Additional tools

Ação climática: Comissão associa-se ao meio empresarial, grupos ambientais e universidades para fomentar soluções que contrariem as alterações climáticas

European Commission - IP/12/1076   08/10/2012

Other available languages: EN FR DE DA ES NL IT SV FI EL CS ET HU LT LV MT PL SK SL BG RO

Comissão Europeia

Comunicado de imprensa

Bruxelas, 8 de outubro de 2012

Ação climática: Comissão associa-se ao meio empresarial, grupos ambientais e universidades para fomentar soluções que contrariem as alterações climáticas

A Comissária Europeia Connie Hedegaard, responsável pela Ação Climática, marcou hoje o início de uma campanha de comunicação pan-europeia em colaboração com mais de 70 organizações de toda a UE. Sob o lema «Um mundo que me agrade, com um clima de que goste», a campanha visa trazer soluções práticas para o centro do debate das alterações climáticas e demonstrar de que maneiras as iniciativas neste domínio podem melhorar o bem-estar dos cidadãos europeus e proporcionar-lhes benefícios económicos.

Existem numerosos exemplos na União Europeia de soluções inteligentes e inovadoras de redução da poluição por CO2 que contrariam as alterações climáticas e, ao mesmo tempo, melhoram a qualidade de vida das pessoas. Por exemplo, na estação ferroviária central de Estocolmo, o calor corporal gerado pelos passageiros é transferido para um edifício de escritórios próximo, reduzindo, não apenas as emissões, mas também a fatura energética do edifício em 20-25 %. Na Dinamarca, a escola Gedved, em Horsens, poupa 30 000 euros por ano em energia, graças à energia solar. A verba economizada é utilizada na melhoria do ensino.

Estas soluções vantajosas a todos os títulos – que permitem poupar dinheiro, ganhar tempo e reduzir as emissões de gases com efeito de estufa – estão no cerne da campanha de comunicação a que a Comissária Hedegaard deu início no City Hall de Londres.

«Temos a possibilidade de escolher: podemos AGIR, procurando melhorar os nossos conhecimentos sobre as alterações climáticas, ou ficar parados, a ver as coisas piorar. Ambas as opções têm um preço. Por que não criar um mundo de que gostemos, com um clima que nos agrade, enquanto ainda estamos a tempo de o fazer? Com esta campanha, queremos centrar o debate nas soluções e descobrir o que está a impedir-nos de as aplicarmos», explicou a Comissária.

A campanha centra-se num sítio Web em breve disponível nas 23 línguas da UE, que constituirá uma plataforma para a participação dos cidadãos, empresas e grupos locais. Estes poderão apresentar, promover e debater as soluções hipocarbónicas que queiram propor e participar ainda num concurso pan-europeu que visa selecionar a solução melhor e mais original.

Um elemento fundamental da campanha serão as parcerias com organizações pautadas pelo mesmo tipo de objetivos. Já se associaram, como parceiros, mais de 70 organizações, nomeadamente associações empresariais, universidades, organizações não‑governamentais e entidades públicas. Pretende-se atrair mais parceiros, à medida que a campanha for evoluindo.

Na iniciativa que marca o arranque da campanha, realizada sob o lema «Visões de um mundo que nos agrade», os parceiros e os cidadãos puderam participar no início do debate juntamente com a Comissária Connie Hedegaard, o Ministro da Energia e Alterações Climáticas do Reino Unido, Ed Davey, o Secretário de Estado do Ambiente de Espanha, Federico Ramos de Armas, e outros oradores. O debate está a ser transmitido em direto na página da campanha no Facebook e podem ser inseridos contributos no Twitter.

Seguir-se-ão outras iniciativas em 2012-2013 em diversos Estados‑Membros, designadamente Bulgária, Itália, Polónia e Portugal.

Contexto

A campanha decorrerá até ao final de 2013 e visa dar a conhecer soluções economicamente vantajosas para alcançar o objetivo, a que a UE se propõe, de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 80-95 % até 2050.

Esta campanha surge no seguimento do «Roteiro de transição para uma economia hipocarbónica competitiva em 2050», que a Comissão apresentou em março de 2011 e no qual se estabelecem vias a percorrer pelos principais setores económicos para reduzir substancialmente as emissões com uma boa relação custo‑eficácia. O roteiro mostra que a construção de uma economia hipocarbónica aumentará os investimentos em tecnologias ecológicas e infraestruturas desse tipo, como redes elétricas inteligentes, e reduzirá drasticamente as faturas de importação de petróleo e gás.

A médio prazo, no horizonte de 2020, a UE pretende reduzir 20 % as emissões de gases com efeito de estufa, melhorar 20 % a eficiência energética e aumentar 20 % a percentagem de fontes de energia renováveis no mix energético. Atualmente, as emissões da UE situam-se mais de 17 % abaixo dos níveis de 1990.

Para mais informações

A iniciativa de lançamento está a ser transmitida em direto na página do Facebook www.facebook.com/EUClimateAction. Quem quiser, pode participar no debate através do Twitter, em #worldulike.

Sítio Web da campanha: http://world-you-like.europa.eu. Contém fotografias e informações destinadas aos meios de comunicação social.

Lista dos projetos pan-europeus: http://world-you-like.europa.eu/en/success-stories.

Para mais informações sobre o «Roteiro de transição para uma economia hipocarbónica competitiva em 2050», consultar o sítio Web da Direção-Geral da Ação Climática (http://ec.europa.eu/clima/policies/roadmap/index_en.htm).

Contactos:

Stephanie Rhomberg (+32 2 298 72 78)

Isaac Valero Ladron (+32 2 296 49 71)


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website