Navigation path

Left navigation

Additional tools

Vencedores do Prémio Europeu de Arquitectura Contemporânea/Mies van der Rohe de 2011 homenageados

European Commission - IP/11/758   20/06/2011

Other available languages: EN FR DE DA ES NL IT SV FI EL CS ET HU LT LV MT PL SK SL BG RO

Comunicado de Imprensa da Comissão Europeia

Vencedores do Prémio Europeu de Arquitectura Contemporânea/Mies van der Rohe de 2011 homenageados

Bruxelas/Barcelona, 20 de Junho de 2011 – Os vencedores do Prémio Europeu de Arquitectura Contemporânea/Mies van der Rohe de 2011 foram hoje homenageados em Barcelona. O gabinete de arquitectura David Chipperfield Architects, em colaboração com Julian Harrap, recebeu o principal troféu pela reconstrução do Neues Museum em Berlim e Ramon Bosch e Bet Capdeferro receberam a menção especial Jovem Talento pela obra Collage House em Girona. Androulla Vassiliou, a Comissária Europeia para a Educação, Cultura, Multilinguismo e Juventude, e Ramón García Bragado, Presidente da Fundação Mies van der Rohe, entregaram os prémios aos vencedores, esculturas do artista catalão Xavier Corberó e um prémio monetário no valor de 60 000 e 20 000 euros, respectivamente. A cerimónia será seguida de conferências públicas dadas pelos vencedores em 21 de Junho.

«Espero que este prémio incentive mais investidores públicos e privados a apoiar o imenso talento que temos na Europa no domínio da arquitectura contemporânea. Tenho a certeza que David Chipperfield continuará a produzir muitos mais projectos magníficos e a Ramon Bosch e Bet Capdeferro desejo uma carreira internacional de sucesso no futuro» disse a Comissária Vassiliou.

Ambos os projectos vencedores eram compostos por uma mescla de materiais novos e antigos, insuflando nova vida a estruturas já existentes. See IP/11/453.

Tanto como reconhecer a excelência, o Prémio Europeu de Arquitectura Contemporânea/Mies van der Rohe incentiva os arquitectos a trabalhar fora das fronteiras nacionais e a contribuir para a construção de uma Europa mais forte e criativa, em linha com os objectivos da Estratégia Europa 2020.

O prémio pode abrir as portas a novas empresas. O vencedor de 2009, Tarald Lundevall, do gabinete norueguês SNØHETTA, disse: «Deu-nos mais visibilidade internacional e ajudou-nos a obter novos projectos.»

Os vencedores da menção especial Jovem Talento de 2009, Lea Pelivan e Toma Plejić de STUDIO UP (Zagrebe, Croácia) disseram: «Foi uma grande honra e um imenso estímulo receber o prémio pelo nosso primeiro trabalho. Instantaneamente, o nosso gabinete ficou conhecido no mundo da arquitectura. O prémio não é só um privilégio, é também uma responsabilidade para que criemos grandes projectos no futuro.»

A 12.ª cerimónia de entrega dos prémios coincide com o 25.º aniversário da inauguração da reconstrução do Mies van der Rohe Pavilion em Junho de 1986.

Contexto

O prémio europeu de arquitectura contemporânea/Prémio Mies van der Rohe foi lançado em 1987 e é hoje o mais prestigiado neste campo na Europa. É atribuído de dois em dois anos.

Em 2001, os vencedores foram seleccionados de entre 343 trabalhos apresentados, em 33 países europeus. Desses, seis foram finalistas ao prémio principal. See IP/11/341. Os restantes finalistas são: Bronks Youth Theatre (Bruxelas, Bélgica, de Martine De Maeseneer e Dirk Van den Brande); MAXXI: Museum of XXI Century Arts (Roma, Itália, de Zaha Hadid, Patrick Schumacher e Gianluca Racana); Concert House Danish Radio (Copenhaga, Dinamarca, de Jean Nouvel); Acropolis Museum (Atenas, Grécia, de Bernard Tschumi) e Rehabilitation Centre Groot Klimmendaal (Arnhem, Países Baixos, de Koen van Velsen).

Os membros do júri que seleccionaram os finalistas em 2011 foram: Mohsen Mostafavi, Presidente do júri/Reitor da Graduate School of Design, Universidade de Harvard, Cambridge, EUA; Ole Bouman, Director do Nederlands Architectuurinstituut, Roterdão; Yvonne Farrell, de Grafton Architects, Dublim; Annette Gigon, de Gigon/Guyer, Zurique; Anne Lacaton, de Lacaton & Vassal Architectes, Paris; Tarald Lundevall, Arquitecto, SNØHETTA, Oslo; Pei Zhu, Pequim, China, e Lluís Hortet, Secretário do júri/Director da Fundació Mies van der Rohe.

A arquitectura dá um contributo significativo para a economia da UE e representa uma parte importante das indústrias culturais e criativas, que asseguram emprego a 8,5 milhões de pessoas na UE e justificam 4,5 % do PIB da Europa. O Programa Cultura da UE – com um orçamento de 400 milhões de euros em 2007-2013 – apoia projectos de cooperação nos domínios da arquitectura e do património cultural em 36 países (27 Estados‑Membros, Islândia, Liechtenstein, Noruega, Croácia, Antiga República Jugoslava da Macedónia, Montenegro, Sérvia, Turquia e Bósnia-Herzegovina).

Fundação Mies van der Rohe

A Fundação Mies van der Rohe (Fundació Mies van der Rohe) foi criada em 1983 pela Câmara Municipal de Barcelona com o objectivo inicial de reconstruir o Pavilhão da Alemanha, desenhado originalmente por Ludwig Mies van der Rohe para a Exposição Universal de 1929 em Barcelona. Além de preservar e gerir o Pavilhão, a Fundação também tem as seguintes tarefas: promover o debate sobre a arquitectura contemporânea e o urbanismo; construir um arquivo documental sobre Ludwig Mies van der Rohe bem como sobre arquitectura moderna e contemporânea; e organizar concursos, cursos, conferências, exposições, publicações e estudos neste domínio.

Para mais informações:

http://ec.europa.eu/culture/our-programmes-and-actions/doc1103_en.htm

http://ec.europa.eu/culture

http://ec.europa.eu/commission_2010-2014/vassiliou/index_en.htm

http://www.miesarch.com

Contactos:

Dennis Abbott (+32 2 295 92 58)

Dina Avraam (+32 2 295 96 67)

Fundació Mies Van der Rohe:

Jordi García / Eva Salvó: +34 93 215 10 11

Adres e-mail: press@miesbcn.com


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website