Navigation path

Left navigation

Additional tools

Agenda Digital: inquérito revela as qualidades e fragilidades dos programas de controlo parental

European Commission - IP/11/32   13/01/2011

Other available languages: EN FR DE DA ES NL IT SV FI EL CS ET HU LT LV MT PL SK SL BG RO

IP/11/32

Bruxelas, 13 de Janeiro de 2011

Agenda Digital: inquérito revela as qualidades e fragilidades dos programas de controlo parental

As conclusões de um estudo hoje divulgado pela Comissão Europeia mostram que, embora 84% dos programas de software testados permitam aos pais bloquear o acesso a certos sítios Web, o que é uma boa notícia, tais programas são menos eficientes a filtrar os chamados conteúdos Web 2.0, como os sítios de redes sociais ou os blogues. Além disso, apenas um número reduzido de produtos disponíveis no mercado consegue filtrar os conteúdos Web acessíveis através de telemóveis ou consolas de jogos, numa altura em que uma criança em cada quatro na Europa entra em linha desta forma. Paralelamente, um inquérito intitulado «EUKIdsOnline», também financiado pelo programa da UE «Internet mais Segura», apurou que, na UE, apenas um quarto dos pais utiliza software de controlo parental para monitorizar, acompanhar ou filtrar o que os seus filhos podem fazer em linha. A publicação dos resultados destes inquéritos serve para sensibilizar as pessoas para a importância de proteger as crianças contra certos conteúdos da Internet, fornecendo ao mesmo tempo aos pais uma perspectiva objectiva de qual o software de controlo parental mais eficaz. A Comissão está empenhada em ajudar pais e filhos a navegarem em segurança na Internet, com medidas que se enquadram na Agenda Digital para a Europa (ver IP/10/581, MEMO/10/199 e MEMO/10/200).

O estudo hoje publicado analisou 26 ferramentas de controlo parental para PC, 3 para consolas de jogos e 2 para telemóveis. O estudo constatou que o software existente é bom para filtrar os conteúdos em linha para adultos, mas continua a haver, pelo menos, 20% de hipóteses de os sítios com materiais impróprios para crianças e, em especial, os que incentivam os jovens a causarem danos a si próprios (sítios que promovem a anorexia, o suicídio ou a auto-mutilação) escaparem aos seus filtros. Ao mesmo tempo, outros sítios que incluem conteúdos especificamente para crianças estão bloqueados. Apenas algumas ferramentas são capazes de filtrar conteúdos Web 2.0 (como sítios de redes sociais, fóruns e blogues), bloquear programas de mensagens instantâneas ou protocolos de conversa ou filtrar listas de contactos.

No que diz respeito aos controlos parentais de telemóveis inteligentes («smart phones») e consolas de jogos, nem todos os produtos existentes no mercado são capazes de filtrar conteúdos Web, apesar de 31% das crianças da Europa acederem à Internet através dos seus telemóveis e 26% através de consolas de jogos.

O inglês é a língua mais comum nas ferramentas de controlo parental, sendo reduzidas as possibilidades de escolha de ferramentas noutras línguas.

Apenas um quarto dos pais utiliza ferramentas de controlo parental

O inquérito «EUKidsOnline» também publicado hoje mostra que cerca de um quarto dos pais bloqueia ou filtra sítios Web (28%) e/ou procura conhecer os sítios Web visitados pelos filhos (24%). No entanto, existem diferenças significativas entre Estados-Membros, verificando-se a percentagem máxima (54%) no Reino Unido e a mínima (9%) na Roménia.

Para além do exercício dos controlos parentais, 70% dos pais inquiridos afirmaram falar com os filhos sobre o que estes fazem na Internet. 58% dos pais afirmam ficar perto dos filhos quando estes utilizam a Internet. Mais de metade dos pais também intervém positivamente, por exemplo, sugerindo formas de comportamento em relação aos outros em linha (56%) e conversando sobre coisas que incomodem a criança (52%).

No quadro do programa da UE «Internet mais Segura», a Comissão continuará a financiar a análise do software de controlo parental de seis em seis meses até ao final de 2012 e a monitorizar os progressos. No endereço www.yprt.eu/sip encontra-se uma base dados onde os pais podem procurar a ferramenta de controlo parental mais adequada às suas necessidades.

A Comissão apoia igualmente todas as medidas que dotem as crianças e os pais de maior capacidade de intervenção em linha, através do financiamento dos Centros Internet mais Segura, que celebrarão o Dia da Internet mais Segura na terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011. A efeméride contará com uma série de eventos locais e nacionais por toda a Europa e por todo o mundo. Os eventos destinar-se-ão às crianças, mas também aos pais e professores que desejem aprender a manter as crianças seguras em linha.

Contexto

O projecto «Benchmarking of parental control tools for the online protection of children» (avaliação comparativa das ferramentas de controlo parental para a protecção das crianças em linha) é financiado pelo programa da UE «Internet mais Segura» desde 2006.

As ferramentas incluídas neste projecto foram analisadas tendo como pano de fundo dois grupos etários: crianças até aos 10 anos e crianças a partir dos 11 anos, em inglês, francês, alemão, italiano, polaco e espanhol, entre Setembro e Outubro de 2010. As ferramentas foram testadas de acordo com 4 critérios:

  • Funcionalidade: A ferramenta é compatível com os sistemas operativos (e.g. Windows, Linux, Mac OS)? É capaz de filtrar conteúdos Web de acordo com palavras-chave, temas, URL? É capaz de bloquear ou monitorizar o acesso à Internet, ao correio electrónico, às conversas, às ferramentas de mensagens instantâneas?

  • Segurança: A ferramenta pode ser facilmente desactivada ou contornada por jovens entendidos em tecnologias?

  • Eficácia: A ferramenta é capaz de bloquear sítios Web com material impróprio para crianças ou continua a ser possível aceder a esses sítios? Também bloqueia bons conteúdos para crianças? Está disponível em línguas que os utilizadores dominam? É capaz de filtrar adequadamente blogues, fóruns e sítios de redes sociais?

  • Utilizabilidade: A ferramenta pode ser instalada no computador tanto por utilizadores principiantes como por avançados? O processo de instalação é demasiado complexo? É fácil para o pai/mãe e para a criança perceberem que um sítio Web foi bloqueado?

O inquérito «EUKidsOnline» foi realizado entre Abril e Agosto de 2010 em 25 países e envolveu mais de 25 000 crianças e um dos respectivos pais. O inquérito faz parte do projecto «EUKidsOnline II», financiado pelo programa Internet mais Segura e coordenado pela London School of Economics and Political Science. As primeiras conclusões foram divulgadas em Outubro de 2010 (ver IP/10/1368).

Para mais informações:

A versão completa do relatório do programa «Internet mais Segura» intitulado «Benchmarking of parental control tools for the online protection of children» está disponível em linha:

http://ec.europa.eu/information_society/activities/sip/projects/filter_label/sip_bench2/index_en.htm

A versão completa do relatório «EUKidsOnline» está disponível em:

www.eukidsonline.net

Dia da Internet mais Segura, 2011:

http://saferinternet.org/web/guest/safer-internet-day-2011-kit

Anexo:

Figura 79 : Utilização pelos pais das ferramentas de controlo parental ou de outros meios de bloquear ou filtrar alguns tipos de sítios Web, por país

Figures and graphics available in PDF and WORD PROCESSED

QC331 (pergunta à criança): Os teus pais, ou um deles, utilizam ferramentas de controlo parental ou outros meios de bloquear ou filtrar alguns tipos de sítios Web?

QP224 (pergunta aos pais): Utiliza ferramentas de controlo parental ou outros meios de bloquear ou filtrar alguns tipos de sítios Web?

Base: Todas as crianças que utilizam a Internet em casa e um dos seus pais.


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website