Navigation path

Left navigation

Additional tools

A Comissão felicita-se pelo êxito dos esforços de recrutamento de funcionários dos Estados‑Membros que aderiram à UE em 2004

European Commission - IP/11/121   02/02/2011

Other available languages: EN FR DE DA ES NL IT SV FI EL CS ET HU LT LV MT PL SK SL BG RO

IP/11/121

Bruxelas, 2 de Fevereiro de 2011

A Comissão felicita-se pelo êxito dos esforços de recrutamento de funcionários dos Estados‑Membros que aderiram à UE em 2004

No final do período de transição (31.12.2010), a Comissão Europeia tinha ultrapassado os objectivos que se fixou em matéria de recrutamento de pessoal dos dez Estados‑Membros que aderiram à UE em 2004. O relatório final revela que entre 1 de Maio de 2004 e o final de 2010, a Comissão recrutou 4 004 funcionários e agentes temporários da República Checa, Chipre, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Malta, Polónia, Eslováquia e Eslovénia, número muito superior ao objectivo já ambicioso de 3 508. Ao nível de quadros superiores, a Comissão também ultrapassou os objectivos que se tinha fixado, ou seja, contar pelo menos com um nacional de cada um destes dez Estados-Membros a nível de director‑geral ou de director‑geral adjunto. O recrutamento de directores e de chefes de unidade também teve o mesmo êxito. O recrutamento dos países UE‑10 teve igualmente um efeito positivo no equilíbrio de géneros na Comissão, verificando-se que no final de 2010 o número de mulheres na Comissão era superior ao dos homens e havia uma maior percentagem de mulheres em funções de enquadramento do que antes do alargamento de 2004. O período de transição para o recrutamento de funcionários oriundos da Bulgária e da Roménia, que decorre até ao final de 2011, também está a correr de forma satisfatória.

«Congratulo-me com os esforços de recrutamento na sequência dos últimos alargamentos, que constituíram um grande êxito», declarou Maroš Šefčovič, Vice-Presidente da Comissão responsável pelas Relações Interinstitucionais e Administração. «A selecção e a integração de um elevado número de novos funcionários oriundos de diferentes países é um desafio para qualquer organização. Não só excedemos os nossos objectivos, como encontrámos também colegas excelentes e empenhados, que conseguimos integrar facilmente na instituição e que por seu turno deram nova energia à Comissão.»

No período de preparação para o maior alargamento de sempre, em 2004, foram acordadas regras que permitiram o recrutamento preferencial de pessoal oriundo dos novos Estados‑Membros durante um período de transição que terminou em 31 de Dezembro de 2010. Até ao final deste ano aplicam-se disposições semelhantes em relação à Bulgária e à Roménia.

A Comissão comprometeu-se a recrutar cerca de 3 500 cidadãos da UE‑10, o que correspondia a quase 16 % do número total de postos antes do alargamento. O objective relativo ao recrutamento de gestores baseou-se num aumento proporcional do número de funções de enquadramento. A Comissão também procurou recrutar pelo menos um director‑geral ou um director‑geral adjunto oriundo de cada um dos países da UE‑10.

O objectivo global para a UE‑10 foi atingido mais de dois anos antes da data prevista, em Outubro de 2008, tanto para AD (administradores) como AST (assistentes). No final de 2010, o número de recrutamentos de funcionários e de agentes temporários atingiu 4 004. Cerca de 62 % destes recrutamentos foram ao nível AD (licenciados). Além disso, no final de 2010 trabalhavam na Comissão 595 agentes contratuais e 144 peritos nacionais destacados oriundos da EU‑10. Havia, no mínimo, um nacional de cada um dos 10 países a nível de director‑geral ou de director‑geral adjunto e três Estados‑Membros contavam com dois nacionais no nível hierárquico máximo. Foram recrutados 42 directores/conselheiros principais e 189 chefes de unidade.

A política de recrutamento de funcionários dos novos Estados‑Membros atenuou necessariamente o recrutamento da EU‑15, embora se tenha mantido a um ritmo regular durante este período, o que significa que não se prevêm desequilíbrios geográficos importantes.

O alargamento de 2004 teve um efeito positivo no equilíbrio de géneros na Comissão. Mais de dois terços do pessoal recrutado dos EU‑10 são mulheres. A percentagem de 46,6 % de mulheres na Comissão anterior ao alragamento elevou-se para 52,1 % no final de 2010. Registou-se também um aumento da proporção global de mulheres em postos de enquadramento da Comissão O alargamento também reduziu ligeiramente a idade média do pessoal da Comissão.

O recrutamento de um número tão elevado de pessoas fora da instituição exigiu um esforço considerável do Serviço Europeu de Selecção do Pessoal, o organismo interinstitucional responsável pela selecção de pessoal para todas as instituições da UE, e dos serviços da Comissão, que aplicaram uma série de medidas novas para facilitar a integração do novo pessoal e das suas famílias.

Os 4 000 membros do pessoal recrutados dos 10 novos Estados‑Membros representam 16 % dos funcionários e agentes temporários da Comissão. A sua integração processou-se de forma harmoniosa, sem grandes problemas e sem travar o recrutamento dos outros 15 Estados‑Membros. Isto significa, juntamente com o recrutamento em curso dos funcionários búlgaros e romenos, que em 2011 a Comissão é uma verdadeira instituição europeia. Comparado com os alargamentos anteriores e considerando, em especial, a sua dimensão, o alargamento de 2004 constituiu um grande êxito para a Comissão. A experiência adquirida contribuirá para facilitar futuros alargamentos e a integração de novos funcionários, em benefício dos colegas de todos os Estados‑Membros.

Ver sitio Web:

http://ec.europa.eu/civil_service/index_pt.htm

http://ec.europa.eu/commission_2010-2014/sefcovic/headlines/news/2011/02/eu_10_recruitment_en.htm


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website