Chemin de navigation

Left navigation

Additional tools

Adoptar medidas globais a favor de um crescimento equilibrado: o Presidente José Manuel Barroso e o Presidente Herman Van Rompuy na cimeira do G20 a realizar em Seul, em 11 e 12 de Novembro

Commission Européenne - IP/10/1489   10/11/2010

Autres langues disponibles: FR EN DE DA ES NL IT SV FI EL CS ET HU LT LV MT PL SK SL BG RO

IP/10/1489

Bruxelas, 10 de Novembro de 2010

Adoptar medidas globais a favor de um crescimento equilibrado: o Presidente José Manuel Barroso e o Presidente Herman Van Rompuy na cimeira do G20 a realizar em Seul, em 11 e 12 de Novembro

Nunca como hoje os efeitos das decisões e dos desenvolvimentos económicos de outros países se repercutiram tão fortemente no nosso país. A crise económica e financeira pôs a nu a nossa interdependência e as nossas vulnerabilidades. Durante a próxima reunião dos líderes do G20 a realizar em Seul, a União Europeia impulsionará o «primeiro fórum de cooperação económica internacional» no sentido de assegurar a coordenação de que a economia mundial carece para um crescimento forte e equilibrado. Para esse efeito, será necessária uma acção de cooperação por parte de todos.

O Presidente José Manuel Barroso declarou: «O apoio à retoma e o estabelecimento das bases de um crescimento forte e mais equilibrado continuam a constituir um desafio político significativo. No momento em que entramos numa nova fase económica, existe o risco de se assistir ao enfraquecimento da dinâmica a favor da acção colectiva. Atravessámos com êxito a primeira fase e evitámos que o barco se afundasse. Agora, temos de o conduzir para um porto seguro. Regozijo-me particularmente com o facto de o G20 ter passado a inscrever na sua agenda as questões associadas ao desenvolvimento e espero que esta cimeira forneça uma clara orientação para a Ronda de Doha sobre o desenvolvimento do comércio.»

O Presidente Herman Van Rompuy salientou: «O G20 mudou o centro do seu interesse, passando de uma reacção imediata às situações de crise para a coordenação económica mundial a longo prazo. Com uma agenda ambiciosa, a cimeira de Seul constituirá um verdadeiro teste para a capacidade de o G20 agir na qualidade primeiro fórum de cooperação económica internacional. Estamos convencidos de que poderá fazer com que a economia mundial saia da crise e que permitirá encontrar soluções de cooperação para atenuar as recentes tensões. Os desafios a enfrentar em Seul são elevados - e pesarão na credibilidade tanto do G20 como de cada um dos seus membros. Os resultados das negociações de Seul irão preparar o terreno para o futuro.»

As principais questões a serem abordadas na cimeira de Seul serão o estabelecimento de um quadro para um crescimento forte, estável e sustentável, a aprovação e realização de progressos na reforma do Fundo Monetário Internacional, a manutenção da dinâmica de reforma da regulamentação financeira, o impulso político a favor de uma conclusão rápida da Ronda de Doha e o êxito da Conferência de Cancún sobre o Clima. O desenvolvimento, que será pela primeira vez inscrito na agenda do G20, facilitará as trocas comerciais e os investimentos nos países em desenvolvimento, num espírito de cooperação entre as economias avançadas e emergentes.

Numa carta conjunta de 5 de Novembro, dirigida aos outros líderes do G20, o Presidente José Manuel Barroso e o Presidente Herman Van Rompuy expuseram os seus pontos de vista sobre estas questões essenciais inscritas na agenda do G20.

Os dois presidentes convidaram o G20 a reconhecer que os desequilíbrios económicos constituem uma preocupação comum e que todas as grandes economias devem dar o seu contributo para o necessário reequilíbrio. Propõem que os desequilíbrios das balanças correntes sejam utilizados como um indicador para suscitar uma avaliação das possíveis causas que estão na base dos obstáculos aos ajustamentos remetendo em simultâneo para o mecanismo de alerta interno da UE para detectar os desequilíbrios económicos. Apelam igualmente a um compromisso político claro a favor de soluções de cooperação duradouras face às tensões actuais nos mercados cambiais, a fim de permitir que as taxas de câmbio sejam fixadas em conformidade com os princípios fundamentais do mercado e evitar uma desvalorização concorrencial das moedas. Os membros do G20 devem ter em conta os eventuais efeitos sobre os seus parceiros e sobre a economia mundial e devem evitar a adopção de medidas susceptíveis de provocar repercussões negativas.

Antecedentes

Na cimeira do G20, a União Europeia será representada por José Manuel Barroso, Presidente da Comissão Europeia, e por Herman Van Rompuy, Presidente do Conselho Europeu.

A União Europeia é um membro de pleno direito do G20, juntamente com 19 países: Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Coreia do Sul, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos.

A Presidência coreana do G20 convidou igualmente várias organizações internacionais e os seguintes cinco países: Etiópia (Presidência da Nova Parceria para o Desenvolvimento da África - NEPAD), Malawi (Presidência da União Africana), Singapura (Presidência do Grupo de Governação Mundial), Espanha e Vietname (Presidência da Associação de Nações do Sudeste Asiático - ASEAN).

A União Europeia, que representa 7 % da população e 30 % do PIB do mundo, é simultaneamente o maior exportador e importador mundial de bens e serviços.

A cimeira terá início com um jantar de debate sobre as perspectivas mundiais e o quadro para um crescimento forte, equilibrado e sustentável, temas que os líderes continuarão a debater em plenário na primeira sessão do dia seguinte. Em seguida, abordarão a reforma das instituições financeiras internacionais e o reforço das redes mundiais de segurança financeira e, no âmbito de uma sessão distinta, a nova agenda do G20 para o desenvolvimento. Estas sessões serão seguidas de um almoço de debate consagrado ao comércio (Doha e proteccionismo) e, em seguida, às alterações climáticas (Cancún e o crescimento verde). Na parte da tarde, os líderes abordarão a reforma da regulamentação financeira e a futura agenda do G20 (aspectos relacionados com a energia: subvenções a favor dos combustíveis fósseis, volatilidade dos preços do petróleo e protecção marinha e luta contra a corrupção). Pouco antes do G20, o Presidente José Manuel Barroso participará na Cimeira Empresarial, onde apresentará e presidirá a uma mesa redonda sobre a responsabilidade social das empresas.

Para mais informações:

Ler a carta conjunta de 5 de Novembro de 2010 dos Presidentes José Manuel Barroso e Herman Van Rompuy, dirigida aos líderes do G20.

Website do Presidente Barroso

Seguir o Serviço de Imprensa do Presidente no Twitter.


Side Bar

Mon compte

Gérez vos recherches et notifications par email


Aidez-nous à améliorer ce site