Navigation path

Left navigation

Additional tools

IP/10/1368

Bruxelas, 22 de Outubro de 2010

Agenda Digital: inquérito à utilização da Internet pelas crianças; concurso para conteúdos em linha de alta qualidade

As crianças, na Europa, começam a utilizar a Internet, em média, aos 7 anos, mas apenas uma em cada três com idades compreendidas entre os 9 e os 12 anos acha que existem na rede suficientes «coisas boas para as crianças» da sua idade, de acordo com um inquérito pan-europeu publicado pela Comissão Europeia. O estudo mostra igualmente que uma em cada oito crianças tem experiências desagradáveis em linha e que ainda não possui habilitações e confiança suficientes para utilizar a Internet. Para tentar resolver estes problemas, a Comissão lançou um concurso destinado a incentivar a criação de conteúdos em linha de alta qualidade para as crianças. A Comissão está empenhada em ajudar pais e filhos a navegarem em segurança na Internet, com medidas que se enquadram na Agenda Digital para a Europa (ver IP/10/581, MEMO/10/199 e MEMO/10/200).

Nas palavras de Neelie Kroes, vice-presidente da Comissão Europeia, responsável pela Agenda Digital: «As crianças começam a ir para a Internet cada vez mais cedo, por isso precisamos de assegurar que se sintam confiantes no universo em linha e que nele possam encontrar conteúdos que sejam interessantes, seguros, educativos e adequados à sua idade, quando navegam na rede».

Crianças na Internet cada vez mais tempo e cada vez mais cedo

Segundo o inquérito, as crianças vão para a Internet cada vez mais cedo. Os jovens actualmente com 15 ou 16 anos começaram a utilizar a Internet aos 11, ao passo que as crianças com 9-10 anos declararam que utilizaram a Internet pela primeira vez aos 7 anos. Também há diferenças entre os países: os países onde as crianças começam mais cedo a utilizar a Internet são os países nórdicos, a Estónia, os Países Baixos e o Reino Unido, começando mais tarde na Áustria, na Grécia, em Itália, em Portugal e na Roménia. Metade das crianças utiliza diariamente a Internet, em média, uma hora e meia. Os jovens de 15 e 16 anos são utilizadores ainda mais activos da rede, já que 77% deles a utilizam diariamente.

As crianças interrogadas no inquérito afirmam que utilizam a Internet principalmente para fazer trabalhos escolares ou para ver vídeos (84% e 83%, respectivamente). Os jogos (74%) e as comunicações através de mensagens instantâneas (61%) são as segundas actividades mais populares em linha.

As crianças utilizam a Internet principalmente em casa (85%) e mais de metade dos jovens dos 13 aos 16 anos no quarto. A escola é o segundo local mais comum para aceder à Internet (63%). Embora a maioria das crianças se ligue à Internet através de computadores pessoais ou portáteis, um em cada três jovens liga-se agora através do telemóvel ou de outros dispositivos portáteis.

Os riscos da navegação em linha estão a diminuir, mas as crianças continuam a não dispor de qualificações básicas que garantam a sua segurança

O inquérito mostra também que as crianças enfrentam menos riscos em linha do que o apurado em inquéritos anteriores. 5% das crianças na Europa afirmam terem sido importunadas em linha, verificando-se a percentagem mais elevada (14%) na Estónia e na Roménia. No entanto, uma em cada oito sentiu-se incomodada ou irritada por algo que encontrou em linha.

Ao mesmo tempo, o relatório mostra que, embora os adultos considerem que as crianças são naturalmente dotadas para o mundo digital, metade das crianças mais novas não possui as qualificações básicas de segurança, tais como saber definir as configurações que protegem a privacidade ou bloquear contactos não desejados.

30% dos jovens com idades compreendidas entre os 11 e os 16 anos já apresentaram sintomas associados a uma utilização excessiva da Internet, tais como navegarem quando não estão verdadeiramente interessados em fazê-lo, passarem menos tempo com os amigos, com a família ou a fazer os trabalhos escolares devido ao tempo passado na Internet ou sentirem-se irritados quando, por algum motivo, não podem estar «ligados». O programa da UE "Internet Mais Segura" co-financiará, em 2011, um projecto destinado a compreender melhor este problema.

Promover os conteúdos inovadores e adequados à idade

A Comissão Europeia e os centros «Internet mais segura» de 14 países acabam de anunciar um concurso para atribuição do Prémio europeu do melhor conteúdo em linha para crianças. O concurso está aberto a produtores de conteúdos em linha de duas categorias: para os jovens dos 12 aos 17 anos e para os adultos, e procura estimular a produção e a difusão de conteúdos em linha de alta qualidade próprios para as crianças e os jovens. Realiza-se em 14 países: Alemanha, Bélgica, Eslovénia, Espanha, França, Grécia, Hungria, Islândia, Itália, Letónia, Países Baixos, Polónia, Portugal e República Checa. Os vencedores de ambas as categorias nos concursos nacionais concorrerão ao prémio europeu, que será apresentado em Junho de 2011.

Contexto

O inquérito EUKidsOnline interrogou mais de 23 000 crianças e um dos respectivos pais nos seguintes países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Dinamarca, Eslovénia, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Lituânia, Noruega, Países Baixos, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Roménia, Suécia e Turquia. O inquérito faz parte do projecto EUKidsOnline II, financiado pelo programa Internet Mais Segura e coordenado pela London School of Economics and Political Science.

A Comissão mediou acordos de auto-regulação com alguns dos principais fornecedores de serviços em linha mais populares entre as gerações mais jovens (empresas gestoras de redes sociais, operadores de telemóveis) (ver IP/10/144). No âmbito da Agenda Digital, está a ser estudado o desenvolvimento de outras medidas de auto-regulação que visem a segurança das crianças em linha, por forma a criar confiança nas novas tecnologias e a torná-las seguras.

Em 2009, a Comissão Europeia apoiou uma campanha contra o assédio em linha em todos os Estados-Membros da UE, conduzida pela rede INSAFE de centros de sensibilização (MEMO/09/58).

A rede INSAFE criou também linhas telefónicas de apoio através das quais as crianças, os pais e os professores podem pedir aconselhamento personalizado sobre questões de segurança, incluindo o assédio em linha.

Para mais informações:

A versão integral do relatório pode ser consultada no seguinte endereço:

www.eukidsonline.net

Mais informações sobre o Fórum Safer Internet:

http://ec.europa.eu/information_society/activities/sip/events/forum/index_en.htm

Para mais informações sobre o concurso:

http://ec.europa.eu/information_society/activities/sip/events/competition/index_en.htm 

Annex

Figures and graphics available in PDF and WORD PROCESSED

Figures and graphics available in PDF and WORD PROCESSED

Figures and graphics available in PDF and WORD PROCESSED

Figures and graphics available in PDF and WORD PROCESSED

Figures and graphics available in PDF and WORD PROCESSED

Figures and graphics available in PDF and WORD PROCESSED


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website