Navigation path

Left navigation

Additional tools

Juntos e mais fortes nas TIC: a Europa reúne os esforços privados, nacionais e comunitários em investigação para se tornar mais competitiva

European Commission - IP/06/1589   21/11/2006

Other available languages: EN FR DE DA ES NL IT SV FI EL CS ET HU LT LV MT PL SK SL

IP/06/1589

Bruxelas, 21 de Novembro de 2006

Juntos e mais fortes nas TIC: a Europa reúne os esforços privados, nacionais e comunitários em investigação para se tornar mais competitiva

Pela primeira vez, a União Europeia está a alterar o método de financiamento de investigação tecnológica essencial com o lançamento de iniciativas tecnológicas conjuntas (JTI). A ideia das JTI surgiu na Comissão Europeia e foi apoiada pelos Chefes de Estado e de Governo da UE na recente cimeira informal realizada em Lahti (Finlândia). As JTI reunirão os recursos da indústria privada, da UE e de programas nacionais, apontando para objectivos comuns ambiciosos no domínio da investigação. A primeira JTI a lançar no início de 2007 será a ARTEMIS. A JTI ARTEMIS orientará a investigação da Europa em sistemas informáticos incorporados, os quais são cada vez mais essenciais para muitos sectores industriais cruciais. Esta iniciativa será uma referência para outras iniciativas do género que se seguirão. Reúnem-se hoje em Helsínquia líderes industriais e peritos nacionais e da UE no domínio da investigação para debater em maior profundidade este novo método do financiamento da investigação europeia.

"Tenho dito repetidamente que a Europa necessita de reunir recursos e de aumentar o seu investimento em investigação nas tecnologias da informação e das comunicações," afirmou Viviane Reding, Comissária da UE para a Sociedade da Informação e Meios de Comunicação. A ARTEMIS é já a prova viva do modo como os principais intervenientes europeus podem trabalhar juntos, construindo as fundações de um futuro próspero e competitivo. Tendo mostrado o caminho no domínio-chave dos sistemas incorporados, é necessário que esta iniciativa seja rapidamente seguida de outras do mesmo tipo, para que a Europa se aproxime das nações concorrentes e construa verdadeiramente a sua sociedade da informação com crescimento e emprego."

Espera-se que, nos próximos anos, as JTI se tornem um meio importante para estimular a capacidade inovadora da Europa. Estas iniciativas permitirão aos parceiros industriais e Estados-Membros mais interessados alinhar os seus investimentos com os da União Europeia em torno de metas e agendas comuns. Nos termos do artigo 171.° do Tratado, as JTI podem ser estabelecidas como entidades jurídicas independentes com agendas de investigação lideradas pela indústria. Podem receber e gerir financiamentos de qualquer fonte, incluindo financiamentos nacionais e comunitários, e permanecem abertas à participação de outros parceiros – públicos ou privados.

Como um modelo aberto e pioneiro para parcerias dos sectores público e privado, espera-se que as JTI estimulem o investimento europeu em investigação e criem uma massa crítica ao reunir esforços actualmente fragmentados, assegurando simultaneamente uma gestão eficaz e eficiente do programa.

A iniciativa ARTEMIS servirá de suporte à liderança mundial da Europa no domínio dos sistemas incorporados. O investimento próprio em investigação da indústria europeia neste sector está estimado em cerca de 15 a 20 mil milhões de euros por ano. Actualmente, quase 50% das 100 maiores empresas europeias investem na investigação em sistemas incorporados e a maioria das 25 empresas europeias com maiores despesas de investigação recorre a sistemas incorporados para os seus produtos e serviços. Como componentes essenciais de futuras aplicações em todas as indústrias, a manutenção desta liderança será vital para aumentar a produtividade e o emprego e gerará também importantes benefícios sociais.

Prevê-se que o orçamento da iniciativa ARTEMIS seja de cerca de 3 mil milhões de euros distribuídos ao longo de sete anos, dos quais mais de 50% provirá da indústria, sendo o restante financiado pelos Estados-Membros da UE e Estados associados envolvidos, bem como pela Comissão. Espera-se que o mecanismo proposto produza um efeito de alavanca que permitirá angariar 7 euros de esforço global de I&D por cada euro de contribuição comunitária.

A iniciativa ARTEMIS foi criada em Junho de 2004 como uma plataforma tecnológica europeia (ver IP/04/804 e MEMO/06/331) na qual participam, até à data, 17 grandes empresas europeias, incluindo a Philips, Nokia, Thales, Daimler Chrysler e ST Microelectronics. Catorze governos europeus exprimiram também o seu desejo de se juntarem à planeada iniciativa tecnológica conjunta ARTEMIS. Esta permanecerá aberta à participação de todos os Estados-Membros da UE e de outros parceiros que a ela queiram aderir em fase posterior. Numa reunião hoje realizada em Helsínquia, a indústria europeia e outros intervenientes na I&D com actividades neste domínio prosseguiram os seus esforços no sentido de criarem uma associação industrial formal para participação na iniciativa conjunta, que se espera venha a estar operacional em 2008.

Está igualmente a ser preparada uma outra JTI sobre nanoelectrónica (ENIAC).

Antecedentes:

A digitalização e a ligação em rede de dispositivos electrónicos de consumo, aparelhos electrodomésticos e de entretenimento, bem como a convergência entre computadores pessoais e comunicações, estão já a fazer surgir uma nova geração de dispositivos electrónicos inteligentes de consumo. Por exemplo, os futuros televisores digitais permitirão aceder a todos os tipos de conteúdos, como fotografias digitais ou filmes arquivados, bem como à Internet ou a jogos. A ligação de sistemas incorporados possibilita a criação de uma "inteligência colectiva" que permite, por sua vez, atingir novos níveis de conforto, segurança e produtividade em todas as áreas, desde o ambiente individual até ambientes industriais.

As iniciativas tecnológicas conjuntas ajudam a atingir a massa crítica e sinergias em investigação e contribuem para evitar duplicações e desperdícios que poderiam de outro modo ocorrer com muitas iniciativas separadas que funcionam em paralelo em diferentes Estados-Membros e consórcios. Estas iniciativas podem ser criadas com base no artigo 171.° do Tratado. Tal permite à Comissão criar empresas comuns – entidades jurídicas independentes que podem receber financiamento de qualquer fonte e estão abertas à participação de todos – para a execução eficiente dos programas comunitários de I&D.

Para mais informações sobre os 9 mil milhões de euros a injectar na investigação europeia em TIC, ver IP/06/1590


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website