Navigation path

Left navigation

Additional tools

Ambiente: a Comissão apoia 89 projectos de inovação em 17 países com 71 milhões de euros

European Commission - IP/05/1157   19/09/2005

Other available languages: EN FR DE DA ES NL IT SV FI EL CS ET HU LT LV MT PL SK SL

IP/05/1157

Bruxelas, 19 de Setembro de 2005

Ambiente: a Comissão apoia 89 projectos de inovação em 17 países com 71 milhões de euros

A Comissão Europeia aprovou financiamentos para 89 projectos de inovação no domínio do ambiente em 17 países, no âmbito do programa LIFE-Ambiente 2005. Os projectos demonstrarão novos métodos e técnicas para lidar com uma grande variedade de problemas ambientais, contribuindo assim para melhorar o ambiente na Europa. Os projectos serão liderados por “beneficiários”, ou promotores de projecto, baseados na Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Portugal, Reino Unido, Roménia e Suécia. Representam um investimento total de 220 milhões de euros, dos quais a UE financiará 71 milhões de euros.
O Comissário responsável pelo ambiente, Stavros Dimas, declarou: “O LIFE-Ambiente dá apoio ao desenvolvimento de tecnologias cada vez mais eficientes e inovadoras para lidar com as questões ambientais. Essas inovações contribuirão igualmente para a realização dos objectivos de competitividade e de crescimento da UE”.

Este ano, a Comissão recebeu 534 propostas de financiamento através do programa LIFE-Ambiente, provenientes de uma vasta gama de organizações públicas e privadas. A Comissão seleccionou 89 desses projectos, que irão aplicar tecnologias de vanguarda na resolução de problemas ambientais.

Este ano, a gestão de resíduos lidera em termos de número de projectos seleccionados (31) e do financiamento comunitário concedido (27 milhões de euros, o que representa 39% do financiamento total). A minimização do impacto ambiental das actividades económicas é o segundo tema mais popular, com 22 projectos (17 milhões de euros). Quase um quinto do financiamento comunitário (14 milhões de euros) será atribuído a 17 projectos no domínio da gestão sustentável das águas subterrâneas e superficiais. Doze projectos que tratam o tema do desenvolvimento e planeamento sustentáveis da utilização dos solos irão receber cerca de 9 milhões de euros (ou seja, 10%) do financiamento comunitário disponível. Finalmente, 7 projectos lidam com a redução dos impactos ambientais de produtos e serviços (5 milhões de euros).

Programa LIFE

O programa LIFE é o instrumento comunitário de apoio a projectos ambientais e de conservação da natureza na UE, bem como em certos países em vias de adesão, candidatos ou vizinhos. O seu objectivo é contribuir para o desenvolvimento e aplicação da política ambiental da UE, através do financiamento de acções específicas. Desde 1992, o programa LIFE co-financiou cerca de 2 500 projectos, tendo contribuído 1 500 milhões de euros para a protecção do ambiente.

O LIFE-Ambiente, que financia projectos-piloto e de demonstração inovadores, é uma das componentes temáticas do programa LIFE. As outras duas componentes são o LIFE-Natureza e o LIFE-Países Terceiros. O LIFE-Natureza visa contribuir para a aplicação das directivas da UE relativas à conservação das aves selvagens e dos habitats naturais da fauna selvagem, em especial a rede Natura 2000 de zonas de conservação, criada pela segunda dessas directivas. O LIFE-Países Terceiros ajuda os países da orla mediterrânica e do Mar Báltico na criação de capacidades para a protecção ambiental. No que respeita aos projectos aprovados no âmbito do LIFE-Natureza e do LIFE-Países Terceiros, ver os comunicados de imprensa IP/05/1155 e IP/05/1156.

O programa LIFE actualmente em curso (“LIFE III”) termina no final de 2006. A Comissão propôs um novo programa, designado por “LIFE +”, previsto para o período 2007-2013 e que contará com um orçamento de 2 190 milhões de euros. Essa proposta está actualmente em discussão no Conselho de Ministros e no Parlamento Europeu.

Mais informações

No anexo ao presente comunicado de imprensa pode ser consultado um resumo dos 88 projectos financiados ao abrigo do LIFE-Ambiente. Em relação a cada projecto, está disponível informação mais completa em:

http://ec.europa.eu/environment/life/project/index.htm

ANEXO

Descrição dos projectos LIFE-Ambiente 2005, por país

Bélgica – 2 projectos

Ambos os projectos são da área da gestão dos recursos hídricos. No primeiro projecto, serão aplicadas directrizes para melhores práticas de gestão na utilização segura de pesticidas, de forma a evitar a poluição das águas superficiais e subterrâneas.

O segundo projecto irá demonstrar que uma técnica conhecida por “precipitação metálica no local” representa uma solução sustentável para a limpeza das águas subterrâneas poluídas com metais não ferrosos.

Dinamarca – 6 projectos

Dois são projectos de gestão de recursos hídricos. Um dos projectos visa reduzir as perdas de azoto e de fósforo da actividade agrícola na bacia hidrográfica do rio Odense, em conformidade com os objectivos da Directiva-Quadro comunitária da Água[1].

O segundo projecto diz respeito à protecção integrada das águas superficiais e subterrâneas em três regiões agrícolas do centro-leste da Jutlândia.

Dois projectos procuram mitigar o impacto ambiental das actividades económicas. O primeiro é um estudo piloto para testar a utilização de “bio-coberturas” inovadoras de forma a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa a partir dos aterros.

O segundo irá demonstrar os benefícios ambientais, comerciais e de segurança de um protótipo de sistema de refrigeração para supermercados e outras aplicações similares, utilizando dióxido de carbono como agente refrigerante.

No domínio da gestão de resíduos, um projecto visa reutilizar os efluentes líquidos da incineração na produção de betão. O segundo projecto irá testar a adequação do uso de resíduos e de efluentes de esgotos como matéria-prima em instalações de produção de lã mineral, na Dinamarca, França, Alemanha e no Reino Unido.

Estónia – 1 projecto

O objectivo do projecto é minimizar o impacto ambiental das actividades económicas. O projecto irá demonstrar que o estrume de suínos pode ser totalmente transformado para produção de energia e de matérias-primas secundárias (água e adubos), utilizando uma nova tecnologia que inclui a fermentação do estrume, a transformação do bio-gás em energia e calor “verdes” e a separação completa dos componentes recicláveis e não recicláveis.

Finlândia – 2 projectos

Ambos os projectos tratam da gestão de resíduos. Um dos projectos analisa possibilidades de reciclagem dos resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos, em conformidade com a legislação comunitária[2], com particular ênfase para as zonas rurais.

O segundo está orientado para as habitações, escolas e centros de dia em Helsínquia, visando aumentar a sensibilização para o problema e garantir que a quantidade de resíduos produzida não ultrapasse os níveis de 2003.

França – 11 projectos

Um projecto de gestão de recursos hídricos irá reduzir a poluição aquática por pesticidas, melhorando as práticas de protecção das culturas através de um melhor controlo do volume de pesticidas debitado pelos pulverizadores. A experiência adquirida será partilhada com parceiros italianos e espanhóis.

Três projectos respeitam a tecnologias limpas. Um irá demonstrar uma alternativa mecânica – e ecológica – para a moagem química de painéis de forma complexa, utilizados nas indústrias aeronáutica e aeroespacial.

O segundo visa desenvolver uma tecnologia limpa para os processos utilizados nos acabamentos de produtos têxteis, com base na electrofloculação.

O objectivo geral do terceiro projecto é reduzir em 30% a quantidade de CO2 emitido durante o processo de secagem de produtos cerâmicos à base de terracotas.

Seis projectos são da área da gestão de resíduos. O primeiro irá contribuir para a concepção, desenvolvimento e validação de linhas de montagem industriais inovadoras, sem utilização de chumbo, e analisar a fiabilidade de novas ligas metálicas sem chumbo, em conformidade com as directivas comunitárias relativas aos resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos2 e à restrição do uso de substâncias perigosas (RSP)[3] nesses equipamentos.

O segundo projecto irá desenvolver um processo para a gestão de aeronaves em fim de vida. Apesar do aumento do número de aeronaves que são retiradas da circulação (cerca de 250 por ano), não existe nenhum procedimento reconhecido para o desmantelamento dessas aeronaves em condições de segurança e respeitadoras do ambiente.

O terceiro projecto, localizado no departamento de Deux-Sèvres, visa reduzir os resíduos através da criação de incentivos para a população e para os actores económicos em todas as fases do ciclo de consumo.

O quarto irá demonstrar a viabilidade técnica da introdução de tecnologias de ultra-sons para reduzir a produção de efluentes numa estação de tratamento de águas residuais.

O quinto irá demonstrar a viabilidade de uma tecnologia inovadora para a reciclagem de pilhas de ião de lítio, principalmente utilizadas em telemóveis, computadores portáteis, máquinas fotográficas, brinquedos, etc.

O sexto irá substituir o chumbo por outras ligas metálicas, de modo a produzir componentes electrónicos “verdes” para sistemas de comunicação aeronáuticos e militares, o que permitirá garantir o cumprimento da Directiva RSP3, que proíbe a utilização de chumbo em equipamentos electrónicos a partir de 1 de Julho de 2006.

O último projecto francês diz respeito à gestão da qualidade do ar e irá construir um sistema de amostragem do ar utilizando uma nova abordagem para o seguimento dos níveis de pólen em suspensão. Em vez de quantificar os grãos de pólen pela sua morfologia, serão utilizadas medições em linha do potencial antigénico/alérgico.

Alemanha – 6 projectos

Dois dos projectos são da área da gestão de recursos hídricos. O primeiro utilizará uma abordagem integrada para reduzir a poluição difusa da agricultura, contribuindo para os fins da Directiva-Quadro comunitária da Água.

O segundo visa melhorar as tecnologias de tratamento de águas residuais, utilizando uma tecnologia inovadora para separar os componentes orgânicos dos efluentes de esgotos numa forma solúvel, apropriada para a produção de bio-gás.

Dois projectos tratam tecnologias limpas para ajudar a reduzir o impacto ambiental das actividades económicas. Um irá demonstrar a eficácia técnica e ambiental de um novo ligante inorgânico utilizado na moldagem de blocos de motor em alumínio. O processo permitirá reduzir os custos energéticos em cerca de 30% e reduzir substancialmente os resíduos.

O segundo respeita ao pré-tratamento da lã na produção de fios. O principal objectivo é a eliminação das emissões de compostos orgânicos halogenados absorvíveis (HOA) e uma diminuição significativa da utilização de produtos químicos no processo de limpeza, através de um processo sustentável de pré-tratamento com plasma.

Outro projecto visa a gestão dos recursos hídricos e a prevenção, através da criação de um programa de formação sobre a soldadura sem chumbo na indústria electrónica europeia.

O sexto projecto visa a redução dos impactos ambientais da indústria do aço, que actualmente utiliza ácidos perigosos para eliminar as rebarbas nas bandas laminadas a frio. Será utilizado um novo processo, sem produtos químicos, com base numa tecnologia de vácuo a alta pressão.

Grécia – 4 projectos

Um primeiro projecto trata o desenvolvimento e planeamento da utilização dos solos, aplicando uma abordagem participativa, num ambicioso plano para a regeneração sócio-ambiental da zona urbana da Baía de Elefsina até 2020.

Um segundo projecto, relacionado com a gestão da qualidade do ar, visa desenvolver um sistema integrado para a avaliação, acompanhamento e gestão da poluição atmosférica na Prefeitura de Kozani (Macedónia Ocidental), onde está localizada a maior central eléctrica a lenhite do país.

O terceiro, relacionado com o impacto ambiental dos produtos e serviços, irá aplicar um conceito de construção sustentável através de uma abordagem de política integrada dos produtos, com envolvimento de todas as partes interessadas.

O último projecto, na área da gestão dos recursos hídricos, visa desenvolver um conjunto de tecnologias respeitadoras do ambiente para a minimização da poluição de fonte não pontual nos terrenos agrícolas. Essas tecnologias serão integradas no plano de gestão da bacia hidrográfica do rio Evrotas e da respectiva zona costeira.

Hungria – 1 projecto

O projecto, no domínio da gestão dos recursos hídricos, avalia a escala da poluição por arsénico nas águas subterrâneas do sul da Hungria. Irá ser desenvolvido um plano de gestão piloto, incorporando uma nova tecnologia para a remoção do arsénico.

Irlanda – 2 projectos

Ambos os projectos são da área da gestão de recursos hídricos. Um irá desenvolver uma ferramenta de demonstração para a concepção de componentes e de subconjuntos no sector automóvel, incorporando exigências de cumprimento de requisitos ambientais, em especial no que respeita à Directiva Veículos em Fim de Vida[4].

O segundo irá demonstrar os benefícios ambientais e concorrenciais de um tipo de paletes que reutiliza materiais residuais derivados de pneus em combinação com resíduos de serração e com aparas de madeira provenientes de paletes descartadas.

Itália – 15 projectos

Cinco projectos visam minimizar o impacto ambiental das actividades económicas através da redução das emissões de gases com efeito de estufa ou do desenvolvimento de melhores técnicas disponíveis (MTD). Um irá desenvolver um local para a demonstração da geração de energia com uma nova tecnologia de produção de bio-carbono a partir de biomassa.

O segundo irá testar técnicas de captura das emissões de dióxido de carbono a partir de um aterro de resíduos sólidos municipais, com vista ao desenvolvimento de opções para a disseminação alargada do processo.

O terceiro irá demonstrar a forma de controlar a humidade do ar à pressão atmosférica e sem arrefecimento, técnica que permite reduzir significativamente o consumo de energia nos equipamentos de arrefecimento utilizados em diversas indústrias.

O quarto lida com a recuperação e a reutilização de resíduos dos curtumes, através da purificação e reutilização das águas residuais, com extracção das substâncias utilizáveis.

O quinto irá avaliar da possibilidade de aplicação de MTD de referência nas pequenas e médias empresas da indústria têxtil, através da construção de uma instalação de demonstração.

Dois outros projectos lidam com a redução do impacto ambiental dos produtos e serviços. O primeiro visa eliminar a utilização de substâncias perigosas na aplicação de decorações e de padrões nas peças de cerâmica.

O segundo desenvolverá técnicas para a identificação e seguimento da poluição por produtos de OGM na produção agrícola, definido normas para a segregação e conservação dos produtos não-OGM ao longo da cadeia de abastecimento e na produção alimentar.

Três projectos estão relacionados com o desenvolvimento e planeamento sustentáveis da utilização dos solos. Um irá combinar o Regime de Eco-Gestão e Auditoria (EMAS) com outros sistemas de contabilidade “verde”, a fim de garantir uma abordagem integrada da gestão ambiental em 4 cidades piloto.

Dois outros projectos irão desenvolver sistemas ecológicos de transporte, um através da criação de um centro ecológico de distribuição urbana de mercadorias, no centro histórico de Lucca, e o outro através do desenvolvimento de ferramentas para o planeamento e controlo integrados do transporte de mercadorias nas zonas urbanas.

Dois projectos visam o melhoramento da gestão de recursos hídricos através do desenvolvimento de novas tecnologias de tratamento de águas. Um dos projectos irá desenvolver um protótipo para demonstrar um novo método ecológico para o tratamento das águas residuais.

O segundo projecto respeita ao tratamento das escorrências de águas pluviais antes da sua entrada nas massas de água receptoras, como por exemplo os sistemas de drenagem, rios e portos.

Os três últimos projectos estão centrados na gestão de recursos hídricos. Dois têm por objectivo o tratamento dos efluentes da indústria cerâmica e dos mármores.

O terceiro visa o aperfeiçoamento e alargamento dos resultados de um anterior projecto LIFE-Ambiente, na área da reciclagem dos efluentes dos lagares de azeite.

Luxemburgo – 1 projecto

O projecto irá desenvolver um novo sistema de secagem de painéis à base de madeira, que resultará numa diminuição substancial, durante a sua produção e utilização, das emissões de compostos orgânicos voláteis, de CO2 e de monóxido de carbono.

Países Baixos – 7 projectos

Três dos projectos holandeses tratam da gestão de resíduos. Um irá testar uma tecnologia de branqueamento em circuito fechado, mais ecológica do que o branqueamento com água quente, que é a técnica mais utilizada na produção de produtos à base de batata.

O segundo irá converter as cinzas depositadas no processo de incineração de resíduos numa matéria-prima secundária de alta qualidade, facilmente comercializável para as indústrias do betão, dos tijolos de silicato de cálcio e metalúrgica.

O terceiro irá demonstrar a viabilidade da reciclagem dos forros de telhados antigos, feitos de alcatrão.

Um quarto projecto respeita ao desenvolvimento urbano sustentável e irá reduzir o ruído e os incómodos associados em pelo menos 25% à volta das zonas industriais portuárias, através de um sistema de mapeamento e gestão do ruído, com o correspondente guia de boas práticas, em conformidade com a Directiva sobre o Ruído[5].

O quinto projecto está centrado na redução do impacto ambiental das linhas de alta tensão. Irá utilizar um novo tipo de linhas de alta tensão, com um campo magnético reduzido.

O sexto projecto trata da redução das emissões de gases com efeito de estufa, neste caso os hidrofluorocarbonetos (HFC) dos frigoríficos, utilizando um sistema de refrigeração a CO2.

O último projecto está relacionado com a gestão sustentável dos recursos hídricos, em particular no sector da horticultura, e irá reduzir significativamente a necessidade de utilizar pesticidas nas plantas, através de um sistema de seguimento das culturas.

Portugal – 2 projectos

Ambos os projectos são da área da gestão de recursos hídricos. Um visa aumentar a taxa de reciclagem das misturas de plásticos, borrachas e embalagens de cartão para bebidas, tendo em vista a concepção de novos produtos para utilização na construção de estradas.

O segundo está centrado na reutilização dos óleos de fritura para produção de bio-diesel, destinado à frota de veículos municipais de Oeiras.

Roménia – 1 projecto

Na Roménia, um projecto na área da gestão da qualidade do ar irá identificar as fontes de poluição atmosférica em Bucareste e nos seus arredores, fornecendo às autoridades e ao público informação sobre os níveis dessa mesma poluição.

Espanha – 16 projectos

Três dos projectos estão centrados na gestão dos recursos hídricos. Um irá definir um modelo integrado de gestão para lidar com os resíduos líquidos da indústria de metalização.

O segundo irá desenvolver técnicas de irrigação e fertilização combinada, com o objectivo de reduzir a poluição dos solos e das águas subterrâneas e de aumentar a produtividade.

O terceiro irá demonstrar a utilização de um sistema de irrigação automática na Irrigação Comunitária de “El Vicario” (Guadiana).

Três projectos estão relacionados com o desenvolvimento e planeamento da utilização dos solos. O primeiro visa promover a mobilidade sustentável em seis empreendimentos industriais, através da definição de mecanismos de gestão e da promoção dos transportes públicos, da utilização da bicicleta e da utilização conjunta de veículos (car sharing).

O segundo lida com a protecção dos solos nas zonas mediterrânicas com elevadas taxas de erosão. Irá demonstrar os benefícios de se cultivarem novas variedades de amendoeira que se conseguem adaptar às rigorosas condições.

O terceiro visa definir um sistema de gestão sustentável da viticultura de montanha, de modo a reduzir os impactos ambientais desta actividade sobre a paisagem, os solos e os recursos hídricos.

Quatro projectos são da área das tecnologias limpas. O primeiro irá reduzir o impacto ambiental das operações de limpeza das instalações de transformação de produtos alimentares, que tradicionalmente consomem elevados volumes de água e geram águas residuais altamente poluídas, utilizando ozono em vez dos tradicionais agentes químicos desinfectantes.

O segundo irá demonstrar a viabilidade técnica, económica e ambiental da recuperação de energia a partir do bio-gás dos aterros, através da utilização de micro-turbinas e da eliminação do sulfureto de hidrogénio e dos siloxanos por um processo biológico.

O terceiro irá construir uma instalação piloto para reduzir as emissões de compostos orgânicos voláteis (COV) para a atmosfera. O sistema, destinado a uma fábrica que utiliza solventes para o tratamento de superfícies, permitirá reduzir os níveis de COV emitidos até um quinto do limite fixado pela Directiva COV[6].

O quarto projecto irá demonstrar que a energia proveniente de painéis solares pode ser eficazmente armazenada sob a forma de hidrogénio para futura utilização em motores de células de combustível, para iluminação ou refrigeração.

Seis projectos são da área da gestão de resíduos. O primeiro irá reduzir o impacto ambiental do estrume produzido nas suiniculturas da região de Los Serranos, na Comunidade de Valência. Irão ser utilizados insectos para degradar o estrume e transformá-lo em adubo orgânico.

O segundo projecto visa reduzir o volume de resíduos da indústria têxtil através da criação de um procedimento comum para a gestão de resíduos.

Um terceiro projecto irá desenvolver uma instalação piloto na cidade de Baena (Andaluzia) para transformar os resíduos líquidos gerados durante o processo de produção de azeite em produtos secundários com valor acrescentado.

O quarto projecto irá reduzir o impacto ambiental dos efluentes gerados pelas instalações de tratamento de esgotos, através de uma gestão adequada e de técnicas de reciclagem.

O quinto visa minimizar os impactos ambientais negativos dos resíduos produzidos pela indústria das pescas, através da recomendação de práticas eficientes e integradas de gestão e transformação dos resíduos, de modo a reciclar e a reduzir a quantidade de resíduos produzidos pelo sector.

O último projecto irá demonstrar a viabilidade técnica e económica de um novo processo de elevada capacidade para a separação de ligas metálicas de elevada pureza (> 90%). Através da separação de ferro, alumínio e metais pesados nos veículos em fim de vida, o processo permitirá a reutilização dos metais, que poderão assim ser utilizados para a produção de novos motores para a indústria automóvel.

Suécia – 2 projectos

Os dois projectos procuram mitigar o impacto ambiental das actividades económicas. O primeiro irá demonstrar uma tecnologia inovadora de reactor em contínuo, baseada na ART® (Tecnologias Avançadas de Reactores), que poderá ser utilizada para uma produção sustentável no sector químico.

O segundo irá reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, através do ensaio e demonstração da utilização de veículos pesados de mercadorias movidos a éter dimetílico (DME). A produção do combustível DME é praticamente neutra em termos de CO2, pelo que representa uma alternativa promissora aos combustíveis derivados do petróleo.

Reino Unido – 10 projectos

Quatro dos projectos do Reino Unido tratam da gestão de resíduos. O primeiro visa demonstrar a utilização de uma tecnologia avançada com água a ultra-alta pressão para a recuperação de materiais em pneus usados.

O segundo irá demonstrar tecnologias inovadoras para a reciclagem de fluxos de resíduos de vidro que actualmente não se adequam à maior parte dos processos de fabrico de vidro, pelo que acabam por ser depositados em aterro.

Um projecto de prevenção da produção de resíduos irá demonstrar que uma técnica conhecida como hidrólise enzimática representa uma forma segura e ecológica de tratamento dos efluentes de esgotos, para reutilização.

Um quarto projecto visa reduzir a deposição de resíduos clínicos não-estéreis em aterros e promover a sua utilização como matéria-prima para produtos reciclados.

Dois projectos procuram mitigar o impacto ambiental das actividades económicas. Um irá demonstrar a eficácia da reciclagem de água utilizando um novo reactor para a digestão aeróbia das águas residuais.

Um segundo projecto visa a reutilização dos terrenos industriais abandonados para cultivar plantas destinadas à produção de energia de biomassa, repondo os terrenos degradados e gerando calor e energia a partir de fontes energéticas renováveis.

Dois dos projectos são da área da gestão de recursos hídricos. Um irá apresentar uma nova tecnologia de transformação através da qual o formaldeído, utilizado na produção de colas, produtos de madeira, conservantes, etc. é convertido em açucares não tóxicos. O objectivo é a eliminação total do formaldeído nos efluentes que correm para o estuário do rio Severn, no Reino Unido.

O segundo trata da remediação da poluição agrícola das águas superficiais por nitratos, conseguindo uma redução de pelo menos 85% da poluição por nitratos em condições economicamente vantajosas.

Outro projecto visa o desenvolvimento e a gestão de ambientes urbanos de qualidade para os utilizadores e outras partes envolvidas nas vias navegáveis internas.

O último projecto diz respeito ao impacto ambiental dos produtos e serviços, estando centrado no potencial da integração de estufas noutros edifícios, por exemplo edifícios de escritórios. Irá demonstrar os benefícios da concepção, construção e operação de estufas e sistemas de construção ecologicamente sustentáveis, para além do potencial de redução dos impactos ambientais da produção hortícola aí realizada.


[1] Directiva 2000/60/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de Outubro de 2000, relativa a um quadro de acção comunitária no domínio da política da água.

[2] Directiva 2002/96/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de Janeiro de 2003, relativa aos resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE).

[3] Directiva 2002/95/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de Janeiro de 2003, relativa à restrição do uso de determinadas substâncias perigosas em equipamentos eléctricos e electrónicos.

[4] Directiva 2000/53/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de Setembro de 2000, relativa aos veículos em fim de vida.

[5] Directiva 2002/49/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Junho de 2002, relativa à avaliação e gestão do ruído ambiente.

[6] Directiva 99/13/CE do Conselho, de 11 de Março de 1999, relativa à limitação das emissões de compostos orgânicos voláteis resultantes da utilização de solventes orgânicos em certas actividades e instalações.


Side Bar

My account

Manage your searches and email notifications


Help us improve our website