RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Programa de promoção do transporte marítimo de curta distância

A presente comunicação pretende estabelecer um programa de promoção do transporte marítimo de curta distância na União Europeia (UE), que inclua acções legislativas, técnicas e operacionais.

ACTO

Comunicação da Comissão: Programa de promoção do transporte marítimo de curta distância [COM(2003) 155 final - Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

O Livro Branco sobre a política europeia de transportes no horizonte de 2010 chama a atenção para o papel que o transporte marítimo de curta distância poderá vir a desempenhar para controlar o crescimento do tráfego de veículos pesados de mercadorias, reequilibrar a repartição modal e evitar os pontos de estrangulamento terrestres. O desenvolvimento do transporte marítimo de curta distância também poderá ajudar a reduzir o crescimento do transporte rodoviário, a reequilibrar a distribuição entre modos de transporte e a contornar os pontos de estrangulamento, além de concorrer para o desenvolvimento sustentável e para a segurança.

O programa estabelecido na comunicação agrupa um conjunto de 14 actividades, subdivididas em medidas, e indica os intervenientes e o calendário de execução respectivos (de 2003 a 2010). Este programa descreve as iniciativas a adoptar a nível comunitário, nacional, regional e do sector para desenvolver o transporte marítimo de curta distância no domínio legislativo, técnico e operacional.

As acções legislativas são as seguintes:

  • aplicação da directiva relativa às formalidades de declaração exigidas dos navios à chegada e/ou à partida de portos dos países da UE – esta directiva simplifica os procedimentos administrativos aplicados ao transporte marítimo, exigindo dos países da UE que reconheçam os formulários normalizados FAL da Organização Marítima Internacional (OMI) (EN), o que permitirá obter todas as informações necessárias sobre a chegada e a partida de um navio num formulário. Esta directiva relativa às formalidades de declaração foi agora substituída pela Directiva 2010/65/UE que estabelece uma transmissão electrónica de dados normalizada;
  • aplicação do programa Marco Polo – os programas Marco Polo e Marco Polo II, com um orçamento médio anual de 18,75 milhões de euros, permitem transferir 12 mil milhões de toneladas/quilómetros por ano, da rodovia para a navegação marítima de curta distância, a ferrovia e a navegação interior;
  • normalização e harmonização das unidades de carregamento intermodais – o grande número de configurações que caracteriza as unidades de carregamento intermodais (contentores e caixas móveis) está na origem dos atrasos verificados quando da transferência de um modo de transporte para outro;
  • desenvolvimento das auto-estradas do mar – ao proporem serviços eficazes, regulares e frequentes, que possam rivalizar com os serviços oferecidos pelo transporte rodoviário, nomeadamente em termos de tempo de viagem e de preço, as auto-estradas do mar deveriam permitir evitar os pontos de estrangulamento existentes na Europa, no quadro de cadeias logísticas globais porta à porta;
  • melhoria do desempenho ambiental do transporte marítimo de curta distância – de uma forma geral, por cada tonelada ou passageiro transportado, o transporte marítimo é menos nocivo para o ambiente. A transferência modal para o transporte marítimo de curta distância poderia contribuir, por exemplo, para satisfazer os objectivos do Protocolo de Quioto.

As acções técnicas são as seguintes:

  • um guia dos procedimentos aduaneiros aplicáveis ao transporte marítimo de curta distância – a Comissão publicou um guia dos procedimentos aduaneiros aplicáveis ao transporte marítimo de curta distância, com dois objectivos: especificar a legislação aduaneira assinalando os casos em que podem ser aplicados procedimentos simplificados (na base do segundo objectivo) e identificar as necessidades concretas em termos de simplificação complementar;
  • identificação e eliminação dos obstáculos ao progresso do transporte marítimo de curta distância – a Comissão tem vindo a proceder ao recenseamento dos obstáculos ao desenvolvimento do transporte marítimo de curta distância desde 1999. Esses obstáculos podem ser classificados em cinco categorias: imagem antiquada do sector de actividade, falta de integração na cadeia logística intermodal, procedimentos administrativos complexos, ineficácia dos portos e diferente aplicação de regras e procedimentos entre os países da UE;
  • aproximação das modalidades de aplicação nacionais e informatização dos procedimentos aduaneiros comunitários – a iniciativa “alfândegas electrónicas” visa acelerar e simplificar os procedimentos de declaração das mercadorias transportadas. Uma das primeiras acções consiste em pôr em prática o Novo Sistema de Trânsito Informatizado (NSTI), que permitirá substituir a versão papel do documento administrativo único (DAU) utilizado por cerca de 3 000 postos alfandegários em 22 países;
  • investigação e desenvolvimento tecnológico – os trabalhos de investigação têm por objectivo melhorar a qualidade, a segurança e o desempenho ambiental do transporte marítimo. Trata-se de efectuar, no âmbito de uma rede temática, trabalhos directamente relacionados com o transporte marítimo de curta distância, nomeadamente no quadro do Sexto Programa-Quadro.

As acções operacionais são as seguintes:

  • balcões administrativos únicos nos portos – visam simplificar as formalidades relativas à chegada, partida e desembaraço dos navios. Um “balcão único” limita o número de autoridades administrativas que sobem a bordo dos navios para efectuar controlos, bem como propor aos utentes dos portos pontos de contacto únicos ou gabinetes de apoio para as formalidades administrativas;
  • garantia do papel essencial dos elementos de contacto para o transporte marítimo de curta distância (agentes de ligação) – é necessário assegurar uma cooperação permanente entre os elementos de contacto e a Comissão por meio da realização de reuniões regulares e da permanente divulgação de informações via Internet (CIRCA – Communication and Information Resource Centre Administrator). Será também necessário associar os países candidatos à adesão aos trabalhos para que tomem consciência da importância do transporte marítimo de curta distância;
  • garantia do bom funcionamento e da orientação dos centros de promoção do transporte marítimo de curta distância – estes centros são movidos por interesses comerciais, oferecendo um instrumento prático de promoção do transporte marítimo de curta distância a nível nacional. Os centros nacionais estão a ser interligados no âmbito da Rede Europeia de Transporte Marítimo de Curta Distância (ESN – European Short Sea Network), que constitui um instrumento comum de promoção do transporte marítimo de curta distância à escala europeia. O objectivo da rede consiste em realizar o intercâmbio de informações e de boas práticas e em dar conselhos práticos sobre as diferentes etapas de um trajecto de curta distância;
  • promoção da imagem do transporte marítimo de curta distância como alternativa de transporte válida – o transporte marítimo de curta distância deve criar uma imagem mais moderna e dinâmica, colocando em destaque o seu actual potencial, nomeadamente a velocidade, a fiabilidade, a flexibilidade, a regularidade e o elevado nível de segurança para as mercadorias transportadas;
  • recolha de informação estatística – os dados estatísticos da UE sobre o comércio marítimo de curta distância não são suficientemente pormenorizados. O objectivo é recolher informações sobre o transporte marítimo de curta distância graças ao contributo da Organização dos Portos Marítimos Europeus (ESPO) até que a directiva relativa ao levantamento estatístico dos transportes marítimos possa fornecer informações suficientes, que permitam a realização de estudos comparativos.
Última modificação: 05.09.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página