RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Segurança marítima: Pacote Erika II

A Comissão propõe, pela presente comunicação, reforçar a segurança do transporte marítimo de hidrocarbonetos

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho, de 6 de Dezembro de 2000, sobre um segundo pacote de medidas comunitárias no domínio da segurança marítima, no seguimento do naufrágio do petroleiro Erika [COM(2000) 802 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

O naufrágio do petroleiro ERIKA ao largo da costa francesa, em Dezembro de 1999, marcou o ponto de partida para novos avanços na execução da política comunitária de segurança marítima.

Três meses após o acidente, em 21 de Março de 2000, a Comissão adoptou uma «Comunicação sobre a segurança do transporte marítimo de hidrocarbonetos», acompanhada de um conjunto de propostas de acção concretas, destinadas a evitar a repetição de acidentes deste tipo.

O Conselho Europeu de Biarritz preconizou a rápida adopção do primeiro pacote de medidas, denominado "Pacote Erika", e convidou a Comissão a propor rapidamente um segundo pacote de medidas que complementassem as três propostas legislativas apresentadas em 21 de Março de 2000. Este segundo pacote de medidas, destinado a reforçar de forma sustentável a protecção das águas europeias contra os riscos de acidente e de poluição marinha, foi apresentado em 6 de Dezembro de 2000 e inclui uma proposta de directiva e duas propostas de regulamento.

1) Directiva sobre a instituição de um sistema comunitário de acompanhamento, controlo e informação sobre tráfego marítimo

A segurança do tráfego marítimo nas águas europeias constitui um desafio capital: 90 % das trocas comerciais entre a União Europeia e países terceiros realiza-se por via marítima. Os riscos de acidente ligados à densidade do tráfego ao longo das principais rotas marítimas europeias são particularmente elevados em certas zonas de convergência, tais como os estreitos de Pas-de-Calais ou de Gibraltar, sem contar que as consequências ambientais de um acidente marítimo, mesmo fora das zonas de forte densidade de tráfego, podem ser desastrosas para a economia e o ambiente dos Estados-Membros em causa. O objectivo é que a União Europeia disponha dos meios necessários a uma melhor vigilância e controlo do tráfego ao largo da sua costa, bem como uma intervenção mais eficaz em caso de situação crítica no mar.

Para o efeito, esta directiva prevê:

  • A melhoria do acompanhamento dos navios que transitam nas zonas com forte densidade de tráfego, obrigando-os a equipar-se de sistemas que permitam a sua identificação automática e acompanhamento pelas autoridades costeiras.
  • O recurso sistemático ao intercâmbio de dados por via electrónica com vista a simplificar e harmonizar a transmissão e utilização dos dados relativos às mercadorias perigosas e aos poluentes transportadas nos navios.
  • A criação da obrigatoriedade de os navios que escalam portos da comunidade estarem equipados com aparelhos de registo dos dados de viagem, a fim de facilitar as investigações em caso de acidente.
  • O reforço dos poderes de intervenção dos Estados-Membros, enquanto estados costeiros, em caso de risco de acidente ou de ameaça de poluição da sua costa.
  • A proibição de saída dos navios dos portos, caso as condições meteorológicas apresentem riscos graves para a segurança ou para o ambiente.

2) Regulamento sobre a criação de um fundo de compensação pelos prejuízos causados pela poluição por hidrocarbonetos nas águas europeias

A proposta de regulamento da Comissão complementa o actual regime internacional com dois níveis em matéria de responsabilidade e compensação pelos danos devidos à poluição causada pelos petroleiros, instituindo um fundo europeu suplementar ("terceiro nível"), o Fundo COPE, destinado a compensar as vítimas de derrames de hidrocarbonetos nas águas europeias.

O Fundo COPE apenas compensará as vítimas cujos pedidos de indemnização tenham sido considerados justificados e que se tenham visto na impossibilidade de obter plena compensação no quadro do regime internacional, devido à insuficiência dos limites máximos de compensação (200 milhões de euros). O limite máximo assim fixado é de mil milhões de euros. O fundo COPE será financiado pelas empresas europeias que recebem mais de 150 000 toneladas de petróleo bruto e/ou de fuelóleo pesado por ano, na proporção das quantidades recebidas.

Para além disso, o regulamento proposto prevê a aplicação de sanções pecuniárias por negligência grave imputável a qualquer entidade associada ao transporte de hidrocarbonetos por via marítima.

3) Criação de uma Agência Europeia da Segurança Marítima

A criação de uma Agência Europeia de Segurança Marítima, prevista na directiva da Comissão, tem por objectivo apoiar a acção da Comissão e dos Estados-Membros na aplicação e controlo da legislação comunitária neste domínio, bem como na avaliação da sua eficiência. A Agência terá um efectivo de meia centena de pessoas, provenientes das administrações marítimas nacionais e do sector industrial.

Esta Agência, fortemente inspirada na organização e missão da Agência para a Segurança Aérea, deverá desempenhar funções de assistência técnica (alteração dos textos legislativos comunitários) e de apoio aos Estados candidatos à adesão, organizar acções de formação, proceder à recolha de informação e à exploração de bases de dados sobre segurança marítima, efectuar missões de vigilância da navegação e missões de avaliação e de auditoria das sociedades de classificação, realizar inspecções in loco e participar nos inquéritos subsequentes aos acidentes marítimos.

Última modificação: 25.01.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página