RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Para uma norma europeia de homologação das locomotivas

A presente comunicação anuncia um conjunto de medidas destinadas a tornar o sector ferroviário mais competitivo em relação aos outros meios de transporte. A Comissão propõe simplificar os procedimentos de homologação das locomotivas e defender o princípio de reconhecimento mútuo neste domínio. Sugere, além disso, uma fusão das directivas sobre a interoperabilidade ferroviária e o reforço das competências da Agência Ferroviária Europeia.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu, de 13 de Dezembro de 2006, - «Facilitar a circulação das locomotivas na Comunidade» [COM(2006) 782 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A Comissão, no Livro Branco sobre a revisão intercalar da política dos transportes, reafirmou as vantagens dos caminhos-de-ferro no plano ambiental e a sua importância para o conceito de mobilidade sustentável. Além disso, multiplicou as iniciativas destinadas a suprimir os entraves técnicos e operacionais às actividades ferroviárias internacionais, quer se trate do transporte de mercadorias quer do transporte de passageiros, convencional ou de alta velocidade. O objectivo é tornar o sector ferroviário mais competitivo, nomeadamente em relação aos sectores rodoviário e dos transportes aéreos, através da constituição de um espaço cada vez mais integrado à escala da União.

Simplificar os procedimentos nacionais de homologação das locomotivas

Uma das principais dificuldades para o desenvolvimento dos caminhos-de-ferro comunitários decorre do facto de o material circulante cuja colocação em serviço foi autorizada num determinado Estado-Membro não ser automaticamente aceite num outro Estado-Membro. A aceitação mútua do material circulante está, com efeito, subordinada a especificações nacionais divergentes, devendo as transportadoras internacionais submeter-se a procedimentos de homologação repetidos nos Estados-Membros onde prevêem exercer as suas actividades, com base em elementos que não são, frequentemente, objecto de reconhecimento mútuo por parte dos Estados-Membros. Existe uma aceitação mútua para os vagões e carruagens, mas não para as locomotivas. A experiência demonstra que esta situação gera atrasos e custos para as empresas ferroviárias e para os fabricantes.

No passado, os Estados-Membros mantiveram durante muito tempo relações muito estreitas com as suas indústrias ferroviárias nacionalizadas. O mercado da construção é, por conseguinte, muito fechado, devido às particularidades nacionais. Entre as soluções actuais figuram a assinatura de acordos bilaterais ou multilaterais. Mas a multiplicação destes acordos teria como consequência fragmentar ainda mais o mercado e tornar a situação mais complexa.

Por outro lado, verificou-se, aquando do processo de consulta, que o princípio de reconhecimento mútuo era aplicado de maneira insuficiente no sector ferroviário. Com efeito, as empresas e as autoridades nacionais desconhecem este princípio. Além disso, mantém-se uma incerteza jurídica quanto ao seu alcance e ao ónus da prova. A Comissão pretende, assim:

  • Propor aos Estados-Membros que apliquem um guia (EN ) desenvolvido por um grupo de trabalho que trabalhou em 2005 sobre o problema. Tal permitiria criar condições favoráveis para a criação de novos serviços, nomeadamente no domínio do transporte de mercadorias, paralelamente à abertura do mercado, a partir de 1 Janeiro de 2007.
  • Alterar a legislação relativa ao procedimento de autorização de colocação em serviço do material novo e existente. Esta alteração permitiria criar um procedimento-quadro preciso com vista a ajudar as autoridades nacionais de segurança recentemente criadas.
  • Garantir que a Agência Ferroviária Europeia possa desenvolver e actualizar o procedimento de aceitação mútua com base nas contribuições dos Estados-Membros.

Codificação-fusão-reformulação das directivas relativas à interoperabilidade ferroviária

As directivas 96/48/CE e 2001/16/CE relativas, respectivamente, à à interoperabilidade do sistema ferroviário transeuropeu de alta velocidade e ao sistema ferroviário transeuropeu convencional, profundamente alteradas em 2004, deveriam ser, além disso, integradas num acto único.

Alteração da directiva relativa à segurança ferroviária

A Comissão propõe, além disso, alterar o artigo 14.º da Directiva 2004/49/CE sobre a segurança ferroviária, a fim de estabelecer um procedimento a nível comunitário que inclua:

  • A introdução do princípio do reconhecimento mútuo das autorizações de colocação em serviço emitidas por um Estado-Membro.
  • O alargamento das competências da Agência, para que esta possa proceder ao recenseamento dos processos e normas técnicas nacionais em vigor e gerir a lista dos requisitos.
  • A alteração do regulamento que institui a Agência Ferroviária Europeia.

As novas tarefas que incumbirão à Agência são as seguintes:

  • Elaborar um documento de referência que permita fazer a correspondência entre as normas nacionais.
  • Organizar os trabalhos da rede de autoridades nacionais de segurança.
  • Emitir parecer técnico a pedido das autoridades nacionais de segurança ou da Comissão.
Última modificação: 14.01.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página