RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


A logística do transporte de mercadorias na Europa

O objectivo da comunicação da Comissão é melhorar a eficácia do sistema de transportes europeu graças à logística. Esta comunicação também visa promover a intermodalidade tendo em vista um transporte de mercadorias mais respeitador do ambiente, mais seguro e mais eficaz do ponto de vista energético. Esta comunicação será acompanhada de um plano de acção a apresentar no decurso de 2007.

ACTO

Comunicação da Comissão - A logística do transporte de mercadorias na Europa - Chave da mobilidade sustentável [COM(2006) 336 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A globalização e o alargamento a Leste constituem novos desafios para a Europa dos transportes. Não obstante o seu contributo para a economia, o rápido crescimento do transporte de mercadorias também está na origem de congestionamentos, ruído, poluição e acidentes. Além disso, os transportes tornaram-se mais dependentes dos combustíveis fósseis. Nesta comunicação, a Comissão indica que, se não forem tomadas as medidas adequadas, a situação continuará a piorar, com consequências cada vez mais marcadas para a competitividade da Europa e para o ambiente.

A proposta da Comissão vai, por conseguinte, no sentido de se apostar na modernização da logística, de modo a aumentar a eficácia dos vários modos de transporte e das suas combinações. A Comissão pretende, nomeadamente, realizar uma melhor repartição do tráfego, mediante a sua transferência para modos de transporte mais respeitadores do ambiente, mais seguros e mais eficazes do ponto de vista energético. A Comissão anuncia, assim, que apresentará um plano de acção neste domínio em 2007.

Ponto da situação do mercado europeu da logística

De acordo com as estimativas, o sector da logística representa um montante de cerca de 5 400 mil milhões de euros a nível mundial, ou seja, cerca de 13,8 % do PIB mundial. Em média, os custos da logística representam entre 10 e 15 % do custo final dos produtos acabados. Embora tenha adquirido uma cada vez maior importância, a logística ainda não é objecto de análises estatísticas fiáveis. Contudo, as empresas comunitárias reconhecem que existem cada vez mais alternativas concorrenciais ao transporte rodoviário.

Estreitar as relações entre a logística e a política de transportes

Nesta comunicação, a Comissão reafirma a necessidade de equilíbrio entre as exigências de segurança (ver [COM(2006) 79]) e de fluidez do tráfego. A Comissão pretende, por conseguinte, introduzir a dimensão logística na política de transportes, a primeira tornando-se uma condicionante da segunda, de forma transversal.

A Comissão pretende intervir nos domínios seguintes:

  • Identificar os estrangulamentos: a Comissão pretende recensear os estrangulamentos, de modo a ultrapassar os obstáculos colocados à logística e à fluidez do tráfego.
  • Tirar partido das tecnologias de informação e de comunicação: a Comissão pretende associar sistemas como o GALILEO à logística, no que diz respeito à localização e ao acompanhamento da carga. As empresas deverão igualmente ter acesso a esta tecnologia a baixo custo. A logística deverá, por conseguinte, constituir uma prioridade no âmbito do sétimo programa-quadro de investigação.
  • Criar uma certificação europeia: o ensino e a formação no domínio dos transportes são muito dispares a nível europeu. A Comissão tem, por conseguinte, vindo a estudar a possibilidade de criar uma certificação para os especialistas em logística. Já foram realizados trabalhos nesta área no âmbito do Programa Leonardo Da Vinci no domínio da formação profissional.
  • Elaborar indicadores estatísticos: a Comissão pretende poder dispor de um quadro fiável da qualidade logística do mercado europeu de transportes. A Comissão tenciona assim trabalhar no sentido de desenvolver metodologias e indicadores adequados para o efeito.
  • Utilizar melhor as infra-estruturas: certas situações estão na origem de estrangulamentos e prejudicam a fluidez do tráfego. Ora, a construção de novas infra-estruturas não constitui a única solução para o problema. A Comissão considera, por conseguinte, que as instalações de transbordo, designadamente os portos marítimos e os aeroportos, deverão utilizar soluções tecnológicas modernas, nomeadamente a informática de ponta. A regulamentação deverá, portanto, prever um quadro adequado para alcançar este objectivo.
  • Criar um certificado de qualidade: o sector de transportes já utiliza diversos indicadores de desempenho ou valores de referência para avaliar ou controlar a qualidade dos seus serviços (nomeadamente no caso do transporte aéreo). Poderá, por conseguinte, ser criado um certificado de qualidade, a alargar aos outros modos de transporte da cadeia logística.
  • Simplificar as cadeias multimodais: os trâmites poderão ser simplificados e facilitados por meio de um balcão administrativo único, de modo a poder cumprir todas as formalidades aduaneiras de forma coordenada.
  • Promover uma estrutura regulamentar da multimodalidade a nível mundial: a responsabilidade no âmbito dos transportes internacionais é regida por convenções. Estas prevêem, com frequência, regras diferentes de acordo com os modos de transporte, o que impede a sua utilização combinada. A Comissão pretende, por conseguinte, promover a criação de um quadro regulamentar ao nível mundial. A utilização de um documento global de transporte poderá também contribuir para reduzir o grau de fragmentação dos regimes de responsabilidade.
  • Estabelecer normas europeias de carregamento: as regras aplicáveis às dimensões dos veículos e unidades de carregamento deverão ser adaptadas às necessidades da logística moderna e da mobilidade sustentável. A Comissão apresentou, de resto, uma proposta de normas europeias comuns para as unidades de carregamento intermodais. De facto, existe uma grande diversidade de configurações, o que aumenta os custos do transporte intracomunitário.

Contexto

Já em 1997, a Comissão havia publicado uma comunicação sobre a intermodalidade, em que salientava o papel desempenhado pelo sector multimodal na realização de um transporte europeu de mercadorias mais eficaz e respeitador do ambiente. Aquele texto destacava um certo número de estratégias de promoção da "mobilidade sustentável", designadamente a modernização dos sistemas logísticos. Além disso, também anunciava a substituição do programa PACT pelo programa Marco Polo. Em 2001, a análise intercalar do Livro Branco [COM(2006) 314 - Não publicado no Jornal Oficial] chamava a atenção para a importância da logística. A presente comunicação transforma a logística no elemento-chave do conceito de "mobilidade sustentável".

ACTOS RELACIONADOS

Directiva 92/106/CEE do Conselho, de 7 de Dezembro de 1992, relativa ao estabelecimento de regras comuns para certos transportes combinados de mercadorias entre Estados-Membros [Jornal Oficial L 368 de 17.12.1992].

Última modificação: 25.04.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página