RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Um plano de acção para os aeroportos comunitários: o "pacote aeroportuário"

O objectivo desta comunicação é realizar um balanço da gestão dos aeroportos comunitários e sublinhar a sua importância na cadeia de transportes aéreos. O texto define, assim, o caminho a seguir para, em termos futuros, enfrentar a falta de capacidades aeroportuárias.

ACTO

Comunicação da Comissão, de 24 de Janeiro de 2007, ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões - Plano de acção sobre a capacidade, eficiência e segurança dos aeroportos na Europa [COM(2006) 819 final – não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Com o actual ritmo de crescimento do tráfego aéreo, se não forem adoptadas medidas, a Europa ver-se-á confrontada com uma falta de infra-estruturas. Até 2025, mais de 60 aeroportos europeus sofrerão de congestionamento grave e os 20 maiores ficarão saturados pelo menos 8 a 10 horas por dia. De facto, este "elo mais fraco" ameaça a eficiência de toda a cadeia de transportes aéreos. O congestionamento terá, também, efeitos negativos no ambiente e na segurança.

Com esta comunicação, a Comissão anuncia cinco acções-chave:

  • Uma melhor utilização da capacidade aeroportuária existente;
  • O desenvolvimento de uma abordagem coerente relativamente às operações de segurança aérea nos aeroportos;
  • A promoção da "co-modalidade", da integração e da cooperação entre modos de transporte;
  • A melhoria da capacidade ambiental dos aeroportos e o planeamento de novas infra‑estruturas aeroportuárias;
  • O desenvolvimento e a aplicação de soluções tecnológicas eficientes do ponto de vista dos custos.

É necessário proceder a uma reorganização de modo a optimizar a utilização das capacidades existentes

A Comissão pretende efectuar um inventário preciso dos fluxos aeroportuários, com o apoio do Eurocontrol (EN), com vista a desenvolver ferramentas de análise comuns para avaliação das capacidades. Deverá ser criado um observatório, com o apoio dos Estados-Membros, para supervisão das capacidades existentes e previstas.

O Eurocontrol deverá, também, ser mandatado para desenvolver instrumentos que assegurem a coerência entre as faixas horárias aeroportuárias e os planos de voos e apresentar recomendações sobre as alterações eventualmente necessárias à legislação aplicável.

Além disso, a Comissão propõe que se envidem esforços para que os progressos realizados pelo sector sejam mais previsíveis, promovendo a tomada de decisão em colaboração com os vários intervenientes no transporte aéreo.

As competências da Agência Europeia da Segurança da Aviação serão alargadas à regulamentação da segurança aeroportuária, dado os aeródromos permanecerem o elo menos regulamentado da cadeia de transporte aéreo. Está previsto a Comissão adoptar uma proposta legislativa nesta matéria no início de 2008.

A Comissão recomenda ainda que se explorem os sistemas de navegação por satélite (GNSS) de modo a reforçar a segurança aeroportuária. Estes sistemas permitirão também uma maior flexibilidade na concepção das rotas de aproximação e de partida, de modo a reduzir o impacto do ruído ou a permitir operações seguras em aeroportos ou pistas de aviação com menor distanciamento geográfico. Espera-se que, no âmbito do Programa SESAR, se proceda a uma integração generalizada dos GNSS nos processos operacionais de gestão do tráfego aéreo.

Promoção da co-modalidade e desenvolvimento de novas infra-estruturas

A Comissão considera que o transporte aéreo e ferroviário devem ser complementares: a melhoria das ligações entre os vários modos de transporte ofereceria múltiplas vantagens. O objectivo da Comissão é por conseguinte:

  • Criar ligações ferroviárias entre os aeroportos e as aglomerações, de modo a descongestionar as redes de estradas;
  • Criar ligações à região, de modo a aumentar a zona de influência dos aeroportos;
  • Estabelecer ligações por comboio de alta velocidade entre os aeroportos e as principais áreas metropolitanas.

Ao chamar a atenção para a disponibilidade do fundo RTE-T para financiamento de projectos a título da co-modalidade, a Comissão convida os Estados-Membros à apoiarem o desenvolvimento de plataformas intermodais, nomeadamente através da criação de ligações ferroviárias ou da construção de estações de caminho-de-ferro nos aeroportos.

Paralelamente, a Comissão chama a atenção para as necessidades em matéria de novas infra‑estruturas. A Comissão propõe, por conseguinte, a melhoria do quadro de planeamento dessas infra-estruturas, dedicando maior atenção às condicionantes ambientais, nomeadamente a poluição sonora. A Comissão pretende, ainda, simplificar os procedimentos e formular orientações sobre melhores práticas, de modo a promover uma melhor coordenação do planeamento aeroportuário e planos de afectação dos solos mais completos.

Desenvolvimento e utilização de novas tecnologias

A Comissão financiou, ao abrigo dos seus programas-quadro de investigação, um conjunto de projectos sobre sistemas avançados de controlo e guiamento de movimentos no solo (Advanced Surface Mouvement Guidance and Control Systems) para assegurar o encaminhamento, guiamento e vigilância em terra das aeronaves e dos veículos. Serão também desenvolvidas novas tecnologias no âmbito do programa SESAR, de modo a aumentar a segurança e a eficácia da exploração dos aeroportos.

A Comissão também publicou um relatório sobre a aplicação da Directiva relativa ao mercado da assistência em escala nos aeroportos da Comunidade, juntamente com o pacote aeroportuário.

Palavras-chave do acto
  • "Entidade gestora do aeroporto": a entidade à qual, em conjunto ou não com outras actividades, nos termos da legislação ou da regulamentação nacional, compete a administração e a gestão das infra-estruturas aeroportuárias e a coordenação e controlo das actividades dos vários operadores presentes no aeroporto em causa.
  • "Taxa aeroportuária": uma taxa cobrada pela entidade gestora do aeroporto e paga pelos utilizadores do aeroporto e/ou passageiros dos transportes aéreos com vista a recuperar a totalidade ou parte dos custos das instalações e serviços exclusivamente disponibilizados pela entidade gestora do aeroporto e relacionados com a aterragem, descolagem, iluminação e estacionamento das aeronaves e a assistência a passageiros e carga.
  • "Taxa de segurança": uma taxa que tem especificamente como objectivo a recuperação da totalidade ou parte dos custos das medidas de segurança destinadas a proteger a aviação civil contra actos de interferência ilegal.
Última modificação: 27.10.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página