RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Programa específico «Cooperação»

Este programa específico visa essencialmente reforçar a cooperação entre os diferentes actores do mundo da investigação, a fim de dar aplicações concretas às tecnologias e aos conhecimentos para a sociedade europeia, permitindo-lhe assim responder mais eficazmente aos desafios sociais, económicos, ambientais e industriais, actuais e vindouros. O presente documento expõe as características e os objectivos, bem como as principais orientações que constituem o programa. Os objectivos, abordagens e actividades específicas são seguidamente apresentados em pormenor, por tema.

ACTO

Decisão 2006/971/CE do Conselho, de 19 de Dezembro de 2006, relativa ao programa específico Cooperação de execução do Sétimo Programa-Quadro da Comunidade Europeia de actividades em matéria de investigação, desenvolvimento tecnológico e demonstração (2007-2013).

SÍNTESE

Um dos principais objectivos do 7.º Programa-Quadro é tornar a Europa um líder mundial como pólo científico e tecnológico. Para esse fim, o programa específico «Cooperação» visa apoiar a cooperação entre universidades, indústrias, centros de investigação e poderes públicos quer na União Europeia (UE), quer a nível internacional.

Este programa específico compreende 9 temas que correspondem aos grandes domínios promissores a nível do conhecimento e da tecnologia, em que a cooperação transnacional deve ser apoiada, a fim de responder aos desafios sociais, económicos, ambientais e industriais:

  • a saúde;
  • a alimentação, a agricultura e a biotecnologia;
  • as tecnologias de informação e comunicação;
  • as nanociências, as nanotecnologias, os materiais e as novas tecnologias de produção;
  • a energia;
  • o ambiente (incluindo as alterações climáticas);
  • os transportes (incluindo a aeronáutica);
  • as ciências socioeconómicas e as ciências humanas;
  • a segurança e o espaço.

Em termos orçamentais, o montante considerado necessário para a execução do programa específico é de 32 413 milhões de euros para o período decorrente de 1 de Janeiro de 2007 a 31 de Dezembro de 2013.

CARACTERÍSTICAS E OBJECTIVOS GERAIS

O programa específico «Cooperação» visa a realização de vários objectivos a mais longo prazo, o que permitirá reforçar a competitividade da UE nos domínios científico e tecnológico.

Esses objectivos visam:

  • contribuir para o desenvolvimento sustentável no contexto da promoção da investigação ao nível de excelência mais elevado;
  • promover, através do lançamento de iniciativas tecnológicas conjuntas, parcerias pan-europeias ambiciosas entre os sectores público e privado que permitam o desenvolvimento de tecnologias fundamentais;
  • melhorar a coordenação dos programas de investigação nacionais, em especial reforçando o regime ERA-NET e criando um regime ERA-NET PLUS;
  • executar, em estreita cooperação com os Estados-Membros, quatro iniciativas específicas, visando as três primeiras os domínios da assistência à autonomia no domicílio, a investigação sobre o mar Báltico e a metrologia e a quarta o reagrupamento dos programas nacionais de investigação relativos às PME;
  • visar melhor a abordagem da cooperação internacional;
  • desenvolver respostas adaptadas a cada tema para fazer face às necessidades emergentes e às necessidades políticas imprevistas.

Este programa específico contribui essencialmente para reunir os recursos, as disciplinas e a excelência científica. Além disso, uma melhor coordenação das políticas nacionais, a divulgação dos resultados em toda a União, a criação de equipas e redes de investigação pan-europeias e a execução de trabalhos relacionados com desafios pan-europeus reforçarão a integração da investigação e do desenvolvimento a nível europeu.

A fim de optimizar o acompanhamento da execução do programa, está previsto criar indicadores de desempenho a três níveis:

  • indicadores quantitativos e qualitativos que demonstrem a via do progresso científico e técnico (normas, ferramentas, processos, técnicas, serviços, etc.);
  • indicadores de gestão que servem para acompanhar o desempenho a nível interno e para facilitar o processo de decisão a nível dos quadros superiores (execução do orçamento, prazo de assinatura dos contratos, prazo de pagamentos, etc.);
  • indicadores de resultados que servem para avaliar a eficácia global da investigação em relação aos objectivos globais da UE (incidência na realização dos objectivos de Lisboa, de Gotemburgo, de Barcelona e outros) e a nível do programa específico (contribuição para o desempenho científico, tecnológico e económico da UE).

OS TEMAS: ORIENTAÇÕES

A execução dos nove temas (ver supra) sobre os quais incidirá a acção da UE tem várias implicações:

  • o fomento da pluridisciplinaridade através de abordagens conjuntas multitemáticas de temas de investigação e de desenvolvimento tecnológico;
  • a adaptação da agenda à evolução das necessidades e das possibilidades («necessidades emergentes» e «necessidades políticas imprevistas»);
  • o reforço da coordenação a nível da divulgação dos conhecimentos e da transferência dos resultados da investigação através, designadamente, do financiamento de iniciativas de ligação em rede/intermediação, seminários e eventos, bem como pela assistência prestada por peritos externos e pelos serviços de informação;
  • a dinamização da participação das pequenas e médias empresas (PME), entre outros, graças à melhoria dos procedimentos financeiros e administrativos, a uma melhor ponderação das suas necessidades e à execução de acções de apoio;
  • o respeito dos aspectos éticos fundamentais cujos princípios estão enunciados na Carta dos Direitos Fundamentais da UE, mas também aspectos sociais, jurídicos, socioeconómicos, culturais e de igualdade dos géneros;
  • a promoção da investigação colaborativa, a fim de aumentar o prestígio do saber-fazer europeu à escala mundial;
  • a criação, em determinadas condições (valor acrescentado, solidez do compromisso, impossibilidade de atingir o objectivo com os instrumentos actuais, etc.) de iniciativas tecnológicas conjuntas combinando investimentos privados e financiamentos públicos, nacionais e europeus;
  • a coordenação de programas de investigação não comunitários (nacionais e regionais) através do regime ERA-NET e da participação da Comunidade.
  • o apoio a uma política internacional no domínio das ciências e das tecnologias através de acções de cooperação internacional como, por exemplo, parcerias estratégicas de investigação com países terceiros ou ainda a resolução de problemas segundo o princípio do interesse e da vantagem recíprocos.

Saúde

No sector da saúde, o objectivo do programa é duplo. Consiste, por um lado, em melhorar as condições de saúde tanto a nível europeu como a nível mundial e, por outro lado, em reforçar a competitividade das indústrias e empresas europeias activas no sector.

No que refere à abordagem, a tónica será posta:

  • na investigação translacional (transposição das descobertas fundamentais para aplicações clínicas);
  • na elaboração e na validação de novas terapias;
  • na comunicação dos resultados da investigação;
  • na aplicação de métodos de promoção da saúde, de prevenção e luta contra a propagação de doenças, de instrumentos e tecnologias de diagnóstico, bem como de sistemas de cuidados de saúde duradouros e eficazes (saúde infantil e envelhecimento demográfico).

O tema compreenderá três grandes domínios de actividade:

  • o desenvolvimento das biotecnologias e dos instrumentos genéricos e tecnológicos ao serviço da saúde humana;
  • o reforço da investigação translacional;
  • a optimização das prestações de cuidados de saúde.

O orçamento concedido no âmbito deste tema eleva-se a 6100 milhões de euros.

Alimentação, agricultura e biotecnologia

Neste domínio, o objectivo é criar uma bioeconomia europeia baseada no conhecimento e que reúna todas as partes interessadas entre as quais a comunidade científica e as indústrias. Trata-se essencialmente de adaptar a investigação à evolução dos desafios sociais e económicos actuais (alimentação saudável, desenvolvimento sustentável, produção e alterações climáticas, etc.).

A nível da abordagem, a tónica incidirá principalmente:

  • na gestão, produção e consumo sustentáveis de recursos biológicos;
  • na eco-eficácia e na competitividade das PME (que representam 90 % do sector agro-alimentar).

Em termos de actividades, tal traduzir-se-á:

  • no desenvolvimento de uma produção e de uma gestão sustentáveis dos recursos biológicos do solo, das florestas e do meio aquático;
  • na optimização do equilíbrio entre alimentação, saúde e bem-estar;
  • na exploração das ciências vivas e das biotecnologias para fins não alimentares (energia, indústria, etc.).

O orçamento concedido no âmbito deste tema eleva-se a 1935 milhões de euros.

Tecnologias de informação e comunicação

O objectivo é melhorar a competitividade da indústria europeia, bem como a adaptabilidade das tecnologias de informação e comunicação (TIC), a fim de fazer face à evolução das necessidades da sociedade e da economia europeias.

A abordagem adoptada privilegia:

  • o reforço da base científica e tecnológica da Europa no domínio das TIC;
  • a estimulação da inovação pela utilização das TIC;
  • a concretização dos progressos realizados em vantagens concretas para os cidadãos, as empresas, a indústria e os poderes públicos europeus.

As diferentes actividades previstas concentrar-se-ão:

  • na investigação estratégica de aplicações inovadoras das TIC;
  • na integração das tecnologias em todos os sectores da sociedade através de acções de colaboração e de ligação em rede, de apoio a iniciativas tecnológicas conjuntas e de coordenação dos programas nacionais.

O orçamento concedido no âmbito deste tema eleva-se a 9050 milhões de euros.

Nanociências, nanotecnologias, materiais e novas tecnologias de produção

Neste domínio, o objectivo é simultaneamente melhorar a competitividade da indústria europeia e assegurar a transição de uma indústria de recursos para uma indústria do conhecimento.

Para o atingir estão previstos dois tipos de abordagem:

  • a curto prazo, a abordagem visa concentrar-se na convergência dos conhecimentos e das competências;
  • a longo prazo, visa explorar ao máximo as perspectivas oferecidas pelas nanociências e as nanotecnologias para criar uma indústria e uma economia do conhecimento.

Em termos de actividades, a prioridade será dada à elaboração interdisciplinar de novos produtos e materiais, mas também aos novos processos e técnicas.

O orçamento concedido no âmbito deste tema eleva-se a 3475 milhões de euros.

Energia

O principal objectivo deste tema é a transformação do sistema energético actual baseado em combustíveis fósseis num sistema sustentável, diversificado e rendível, capaz de fazer face aos desafios iminentes (dependência energética, alterações climáticas, competitividade).

A nível da abordagem, a investigação centrar-se-á no desenvolvimento de tecnologias rendíveis, a fim de melhorar tanto a rendibilidade como a competitividade da economia energética europeia.

As aplicações são as seguintes:

  • a execução do programa «hidrogénio e pilhas de combustível»;
  • o desenvolvimento de tecnologias que permitam a produção de electricidade a partir de fontes de energia renováveis;
  • a aplicação de tecnologias para a produção de combustíveis renováveis;
  • a optimização da utilização de fontes de energia renováveis para o aquecimento e o arrefecimento;
  • o desenvolvimento de processos de captação e de armazenamento do CO2;
  • o desenvolvimento de tecnologias de carvão limpo;
  • a criação de redes energéticas inteligentes (rendimento, flexibilidade, segurança, fiabilidade);
  • o aumento do rendimento energético;
  • a utilização dos conhecimentos ao serviço da política energética.

O orçamento concedido no âmbito deste tema eleva-se a 2350 milhões de euros.

Ambiente

O principal desafio é desenvolver as tecnologias necessárias que permitirão obter o equilíbrio entre as actividades humanas e a gestão sustentável do ambiente e dos seus recursos.

Para tal, a tónica será posta:

  • na criação de instrumentos de prevenção e de atenuação das alterações climáticas;
  • na aplicação dos compromissos internacionais da UE e dos seus Estados-Membros;
  • na promoção de ecotecnologias inovadoras;
  • na coordenação de programas nacionais;
  • no reforço da divulgação dos resultados da investigação.

Quanto às actividades a desenvolver, o programa específico prevê realizar investigações em vários domínios para responder adequadamente aos futuros desafios:

  • o funcionamento do sistema climático e do sistema terrestre;
  • as interacções entre os factores de risco ambientais e a saúde humana;
  • a gestão de catástrofes naturais;
  • a conservação e gestão sustentável dos recursos naturais e antrópicos;
  • a evolução do meio marinho;
  • a exploração das ecotecnologias para a gestão e a conservação sustentáveis do ambiente;
  • a avaliação, verificação e experimentação das tecnologias;
  • a observação da Terra;
  • o desenvolvimento de instrumentos de avaliação.

O orçamento concedido no âmbito deste tema eleva-se a 1890 milhões de euros.

Transportes

No sector dos transportes, o objectivo é, em primeiro lugar, criar infra-estruturas que sejam simultaneamente mais competitivas, mais seguras, mas também mais ecológicas.

Quanto à abordagem, será dada prioridade à elaboração e aplicação de novas políticas que coloquem os avanços tecnológicos ao serviço de transportes europeus duradouros. A este propósito, o sistema europeu de navegação mundial por satélite, que compreende os sistemas Galileo e EGNOS, oferece numerosas potencialidades que é conveniente explorar.

Estão previstas várias actividades a nível quer do transporte aéreo quer do transporte de superfície (ferroviário, rodoviário, vias navegáveis).

Para o transporte aéreo:

  • a ecologização das redes de transporte;
  • o aumento do rendimento temporal (pontualidade, gestão do tráfego, etc.);
  • a melhoria do grau de satisfação e do nível de segurança do passageiro;
  • a optimização da relação custo-eficácia;
  • o reforço da protecção das aeronaves e dos passageiros;
  • a exploração de novas tecnologias.

Para o transporte de superfície:

  • a ecologização das redes de transporte;
  • a promoção dos transportes públicos e descongestionamento dos eixos de transporte;
  • a criação de uma mobilidade urbana sustentável;
  • a melhoria da segurança intrínseca e extrínseca;
  • o reforço da competitividade.

O orçamento concedido no âmbito deste tema eleva-se a 4160 milhões de euros.

Ciências socioeconómicas e ciências humanas

A melhoria dos conhecimentos relativos aos diferentes desafios socioeconómicoscom que a Europa se vê confrontada (crescimento, emprego, competitividade, etc.) aparece como um objectivo a atingir para fazer progredir as políticas que lhes estão associadas.

Para tal, para além da investigação socioeconómica e em ciências humanas, os trabalhos apoiar-se-ão também nos programas nacionais pertinentes, sendo facilitados pela criação de infra-estruturas de investigação adaptadas. Serão também empreendidas acções de divulgação específicas, orientadas para grupos específicos (designadamente decisores políticos) e para o grande público (workshops, conferências, meios de comunicação social, etc.).

As principais actividades consistirão basicamente em empreender trabalhos de investigação sobre:

  • as problemáticas do crescimento, do emprego e da competitividade;
  • os compromissos e sinergias possíveis entre os objectivos económicos, sociais e ambientais no contexto mundial;
  • o desenvolvimento sustentável;
  • as grandes tendências sociais e as suas implicações;
  • a Europa no mundo;
  • os cidadãos na União Europeia;
  • a utilização dos indicadores socioeconómicos e científicos na execução das políticas;
  • a identificação precoce dos desafios a longo prazo e domínios de interesse comum.

O orçamento concedido no âmbito deste tema eleva-se a 623 milhões de euros.

Segurança e espaço

Nestes dois domínios os objectivos visados são múltiplos:

  • desenvolver as tecnologias e os conhecimentos centrados em aplicações civis para garantir a segurança dos cidadãos face às ameaças (terrorismo, criminalidade, catástrofes naturais, acidentes industriais, etc.);
  • permitir uma utilização óptima e concertada das tecnologias que estão disponíveis e das que estão a ser desenvolvidas para fins de segurança e no respeito dos direitos fundamentais da pessoa humana;
  • estimular a cooperação entre os fornecedores e os utilizadores de soluções em matéria de segurança;
  • reforçar a base tecnológica e a competitividade da indústria europeia da segurança;
  • apoiar um programa espacial europeu centrado em aplicações como o sistema GMES, em benefício dos cidadãos e da competitividade da indústria espacial europeia.

A prioridade no domínio da segurança será dada à dimensão civil. A investigação será multidisciplinar e articular-se-á em torno de dois eixos: o desenvolvimento de métodos e a integração, a demonstração e a validação de tecnologias. As actividades incidirão em quatro domínios relativos às missões de segurança que apresentem um valor acrescentado europeu (protecção contra o terrorismo e a criminalidade, segurança das infra-estruturas e dos serviços de utilidade pública, segurança das fronteiras, restabelecimento da segurança em caso de crise) e em três domínios transversais (integração e interoperabilidade dos sistemas de segurança, segurança e sociedade, coordenação e estruturação da investigação).

No domínio espacial, o objectivo é colocar ao serviço da sociedade europeia as tecnologias de satélite (segurança, ambiente, comunicação), mas também apoiar actividades de exploração do espaço.

Os orçamentos concedidos ao espaço e à segurança elevam-se, respectivamente, a 1 430 e 1 400 milhões de euros.

Contexto

Desde 1984 que a UE desenvolve uma política de investigação e desenvolvimento tecnológico baseada em programas-quadro plurianuais. O 7.º Programa-Quadro é o segundo desde o lançamento da Estratégia de Lisboa de 2000 e deve desempenhar um papel primordial no crescimento e no emprego na Europa nos próximos anos. A Comissão deseja desenvolver o «triângulo do conhecimento» formado pelas políticas de investigação, educação e inovação, a fim de colocar o conhecimento ao serviço do dinamismo económico e do progresso social e ambiental.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigor - Data do termo de vigênciaPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial

Directiva 2006/971/CE

1.1.2007 – 31.12.2013

-

JO L 400 de 30.12.2006

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 29 de Abril de 2009, sobre os progressos realizados no âmbito do Sétimo Programa-Quadro de Investigação Europeu [COM(2009) 209 final – Não publicada no Jornal Oficial].
Os instrumentos de investigação em colaboração do Programa «Cooperação» permitem a colaboração entre empresas e universidades num ambiente de «inovação aberta», contribuindo para a livre circulação de conhecimentos e tecnologias. O valor acrescentado europeu e os efeitos estruturantes no Espaço Europeu da Investigação (EEI) são critérios decisivos para a selecção dos tópicos prioritários, independentemente da dimensão e do âmbito do instrumento.

Última modificação: 15.01.2010
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página