RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Sexto Programa-Quadro (2000-2006): Nanotecnologias e nanociências

Arquivos

O objectivo deste programa específico é ajudar a Europa a dotar-se das capacidades necessárias para desenvolver e explorar as nanotecnologias e as nanociências, a fim de criar novos materiais, dispositivos ou sistemas para o controlo da matéria à escala atómica.

ACTO

Decisão 2002/835/CE do Conselho, de 30 de Setembro de 2002, que adopta o programa específico de investigação, desenvolvimento tecnológico e demonstração: «Integração e reforço do espaço europeu de investigação» (2002-2006) [Jornal Oficial L 294 de 29.10.2002)].

SÍNTESE

As nanotecnologias designam a manipulação dos átomos ou das moléculas tendo em vista o fabrico de materiais, aparelhos e novas tecnologias. Trata-se de construir, átomo por átomo e molécula por molécula à escala nanométrica, novos dispositivos que possuem propriedades extraordinárias. O princípio das nanotecnologias é simples: em vez reduzir a matéria a fim de chegar ao mais pequeno, extrai-se o mais pequeno da matéria.

Sempre extraímos materiais da terra, sempre os modificámos, aquecemos, pressionámos, juntámos, etc. Todos estes processos utilizam muita energia e produzem também muitos resíduos. A produção industrial actual baseia-se no princípio da produção.

Contudo, as nanotecnologias utilizam directamente os átomos individuais e, ao manipulá-los e recorrendo a métodos de montagem, formam-se grupos de átomos a fim de fabricar nanomateriais e nanomáquinas.

As nanotecnologias (o termo "nano" é derivado do grego "nannos" que significa anão) exigem enormes esforços de investigação fundamental e aplicada em domínios multidisciplinares que envolvem uma diversidade de especialidades: genómica e biotecnologias, desenvolvimento sustentável, segurança dos alimentos, aeronáutica, saúde, etc.

As nanotecnologias constituem não só um desafio tecno-industrial essencial, como motor da competitividade económica, mas também um imenso desafio intelectual, cultural e educativo.

Nas nanotecnologias distinguem-se três domínios de investigação principais:

  • A nanoelectrónica: destinada aos computadores, a fim de criar máquinas mais eficientes, mais potentes e adaptadas à vida doméstica e industrial.
  • A nanobiotecnologia: o seu uso no domínio médico e sanitário destina-se ao fabrico de biossensores, biomateriais e outras máquinas para o tratamento,nomeadamente,do cancro e das doenças cardiovasculares.
  • Os nanomateriais: destinam-se ao fabrico de materiais solares, ópticos, etc.

O orçamento,no âmbito do 6º programa-quadro, destinado a esta prioridade (EN) é de 1 300 milhões de euros e as acções concentram-se em três grandes domínios:

A) Nanotecnologias e nanociências

As nanotecnologias e nanociências representam uma nova abordagem da ciência e engenharia dos materiais. O mercado mundial de nanotecnologias apresenta um potencial muito importante e a União Europeia (UE) não deve perder as vantagens concorrenciais que este representa para a indústria. O objectivo é promover o estabelecimento de uma indústria europeia em torno das nanotecnologias e favorecer o seu desenvolvimento nos sectores já existentes:

  • Ivestigação interdisciplinar a longo prazo: controlo do processo e desenvolvimento de ferramentas de investigação.
  • Arquitecturas supramoleculares e macromoléculares.
  • Técnicas de engenharia à escala nanométrica para a criação de materiais.
  • Desenvolvimento de dispositivos e de instrumentos de manipulação e de controlo.
  • Aplicações em domínios como a saúde, a química, a energia e o ambiente.

B) Materiais multifuncionais baseados no conhecimento

Os novos materiais que oferecem novas funcionalidades e melhor desempenho serão o motor da inovação industrial aplicada em sectores como os transportes, a energia, a medicina, a electrónica ou a construção.

  • Desenvolvimento dos conhecimentos fundamentais.
  • Tecnologias associadas à produção e transformação de materiais multifuncionais.
  • Engenharia de apoio.

C) Novos processos e dispositivos de produção

O objectivo é desenvolver sistemas industriais que incluam uma concepção do ciclo de vida dos produtos ("do berço ao túmulo"), desde a produção, utilização e recuperação eficaz dos produtos, até à implementação de modelos de organização e de gestão melhorados.

  • Métodos e sistemas de fabrico flexíveis e inteligentes que integrem os progressos do fabrico virtual, a engenharia de alta precisão, etc.
  • Investigação sistémica para a gestão sustentável dos resíduos, a redução do consumo de matérias-primas, a redução da poluição, etc.
  • Optimização do ciclo de vida dos sistemas, produtos e serviços industriais numa perspectiva de redução das substâncias perigosas para o ambiente.

REFERÊNCIAS

ActoData
de entrada em vigor
Data limite de transposição nos Estados-Membros
Decisão 1513/2002/CEData de aplicacão : 01.01.2003
Data de termo de vigência : 31.12.2006
-

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão - Para uma Estratégia Europeia sobre Nanotecnologias
[COM(2004) 338 final - Não publicado no Jornal Oficial].

Última modificação: 04.01.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página