RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Objectivo nº 1

Arquivos

A política regional da União Europeia tem por objectivo essencial a coesão económica e social. A sua acção baseia-se na solidariedade financeira que permite a transferência de mais de 35 % do orçamento da União (213 mil milhões de euros para o período 2000-2006) para as regiões mais desfavorecidas. Desta forma, as regiões da União com atrasos de desenvolvimento, em reconversão ou que devem fazer frente a situações geográficas, económicas e sociais específicas encontram-se mais bem preparadas para enfrentar essas dificuldades e tirar plenamente partido das oportunidades do Mercado Único.

O apoio da União Europeia através da política regional é determinado em função do nível de desenvolvimento das regiões e do tipo de dificuldades com que estas se deparam. A regulamentação dos fundos estruturais para o período 2000-2006 prevê, nomeadamente, a instauração de três objectivos prioritários:

  • Objectivo nº 1: promover o desenvolvimento e o ajustamento estrutural das regiões com atraso de desenvolvimento.
  • Objectivo nº 2: apoiar a reconversão económica e social das zonas com dificuldades estruturais.
  • Objectivo nº 3: apoiar a adaptação e a modernização das políticas e sistemas de educação, de formação e de emprego para as regiões não abrangidas pelo objectivo nº 1.

A presente ficha é consagrada unicamente ao objectivo nº 1, sendo os outros objectivos contemplados em fichas específicas.

ELEGIBILIDADE GEOGRÁFICA

Diz-se que o objectivo nº 1 está "regionalizado" na medida em que se aplica a territórios delimitados de nível NUTS II na nomenclatura estatística das unidades territoriais (castellanodeutschenglishfrançais) que o Eurostat elaborou. Entre essas zonas geográficas, apenas são elegíveis para o objectivo nº 1 aquelas cujo Produto Interno Bruto (PIB) por habitante é inferior a 75 % da média comunitária.

O objectivo n° 1diz igualmente respeito a categorias específicas de regiões:

  • As 7 regiões ditas "ultraperiféricas" que se encontram numa situação única no contexto da União devido ao seu afastamento do continente europeu bem como ao seu reduzido peso demográfico e económico. Trata-se das Ilhas Canárias, de Guadalupe, da Martinica, da Reunião, da Guiana, dos Açores e da Madeira.
  • As zonas suecas e finlandesas elegíveis para o antigo objectivo n° 6 entre 1994 e 1999 que abrangia especificamente as regiões de muito escassa densidade populacional. Trata-se de parte das regiões Norra Mellansverige, Mellersta Norrland, Övre Norrland na Suécia e Pohjois-Suomi e Väli-Suomi bem como da totalidade da região Itä-Suomi na Finlândia.
  • A Irlanda do Norte beneficia de apoio comunitário especial com o objectivo de promover a reconciliação entre as comunidades e a emergência de uma sociedade estável e pacífica. O programa operacional PEACE II (2000-2004), que foi estabelecido no contexto de uma iniciativa comunitária durante o período de 1994-1999, constitui doravante parte integrante do objectivo nº 1 e beneficia de um apoio financeiro de 500 milhões de euros.

No total, cerca de 60 regiões em 13 Estados-Membros são elegíveis para o objectivo nº 1 para o período de 2000-2006. Está igualmente previsto um apoio transitório para as regiões que eram elegíveis para o objectivo nº 1 entre 1994 e 1999 mas que já o não são durante o período de 2000-2006. A Decisão 1999/502/CE da Comissão, de 1 de Julho de 1999, [JO L 194 de 27.07.1999] estabelece a lista das regiões abrangidas, válida por 7 anos a contar de 1 de Janeiro de 2000:

Estado-MembroRegiões elegíveis para o objectivo nº 1 ou que beneficiam do apoio transitório
AlemanhaBrandenburg, Mecklenburg-Vorpommern, Sachsen, Sachsen-Anhalt, Thüringen; apoio transitório: Ostberlin
ÁustriaBurgenland
Bélgicaapoio transitório: Hainaut
EspanhaGalicia, Principado de Asturias, Castilla y León, Castilla-La Mancha, Extremadura, Comunidad Valenciana, Andalucía, Región de Murcia, Ceuta y Melilla, Canarias; apoio transitório: Cantabria
FinlândiaItä-Suomi, Väli-Suomi (en parte), Pohjois-Suomi (em parte)
FrançaGuadeloupe, Martinique, Guyane, Réunion; apoio transitório: Corse e arrondissements de Valenciennes, Douai e Avesnes
GréciaAnatoliki Makedonia, Thraki, Kentriki Makedonia, Dytiki Makedonia, Thessalia, Ipeiros, Ionia Nisia, Dytiki Ellada, Sterea Ellada, Peloponnisos, Attiki, Voreio Aigaio, Notio Aigaio, Kriti (ou seja, todo o país)
IrlandaBorder Midlands e Western; apoio transitório: Southern, Eastern
ItáliaCampania, Puglia, Basilicata, Calabria, Sicilia, Sardegna, Molise
Países Baixosapoio transitório: Flevoland
PortugalNorte, Centro, Alentejo, Algarve, Açores, Madeira; apoio transitório: Lisboa e Vale do Tejo
Reino UnidoSouth Yorkshire, West Wales & The Valleys, Cornwall & Isles of Scilly, Merseyside; apoio transitório: Northern Ireland, Highlands and Islands
SuéciaNorra Mellansverige (em parte), Mellersta Norrland (em parte), Övre Norrland (em parte)

DOCUMENTOS DE PROGRAMAÇÃO

A programação constitui um elemento essencial da execução da política regional da União. Num primeiro tempo, os Estados-Membros apresentam planos de desenvolvimento que incluem uma descrição precisa da situação económica e social do país, por região, uma descrição da estratégia mais adequada para atingir os objectivos de desenvolvimento fixados, bem como indicações sobre a utilização e a forma de participação financeira dos fundos estruturais.

Os Estados-Membros apresentam ao executivo europeu documentos de programação que retomam as orientações gerais da Comissão. Relativamente ao objectivo nº 1, estes documentos de programação assumem a forma de:

  • Quadros Comunitários de Apoio (QCA) e frequentemente de Programas Operacionais (PO). Os QCA e os PO, que são os documentos previstos na programação do objectivo nº 1, descrevem o contexto socio-económico do país ou das regiões, apresentam as prioridades de desenvolvimento e os objectivos a atingir. Além disso, prevêem sistemas de gestão financeira, de acompanhamento, de avaliação e de controlo. Nos PO são apresentadas, pormenorizadamente, as diversas prioridades do QCA a nível de uma região ou de um eixo de desenvolvimento específico, tal como os transportes, a formação ou o apoio às empresas.
    Para o objectivo nº 1, a Alemanha, a Espanha, a Grécia, a Irlanda, a Itália, Portugal e o Reino Unido (Irlanda do Norte) optaram pela redacção de QCA e de PO.
    Para mais informações, os QCA e os PO das regiões elegíveis para o objectivo nº 1 ou que beneficiam do apoio transitório, podem ser consultados no sítio Internet INFOREGIO (DE) (EN) (FR) da Direcção-Geral da Política Regional.
  • Documentos Únicos de Programação (DOCUP). Os DOCUP, que são utilizados para o objectivo nº 1 no caso de uma programação que abranja um montante inferior a mil milhões de euros, consistem num documento único que reúne os elementos que figuram num QCA e num PO, designadamente, os eixos prioritários do programa, uma descrição sucinta das medidas previstas e um plano de financiamento indicativo.
    Para o objectivo nº 1, a Áustria, a Bélgica, a Finlândia, a França, os Países Baixos, o Reino Unido e a Suécia optaram por esta fórmula.
    Para mais informações, os DOCUP das regiões elegíveis para o objectivo nº 1 e os das regiões que beneficiam do apoio transitório podem ser consultados no sítio INFOREGIO (DE) (EN) (FR) da Direcção-Geral da Política Regional.

DISPOSIÇÕES FINANCEIRAS

Meios financeiros

Para o período de 2000-2006, está previsto um montante de 213 mil milhões de euros para financiar as intervenções estruturais da União. Deste montante, 195 mil milhões de euros constituem a dotação destinada aos fundos estruturais. Atendendo à necessidade de concentrar as intervenções nas regiões que se deparam com maiores dificuldades, o objectivo nº 1 beneficia da maior dotação, uma vez que nele se concentram cerca de 70 % das dotações dos fundos estruturais, ou seja, 137 mil milhões de euros em 7 anos.

Todos os fundos estruturais (FEDER, FSE, FEOGA, secção Orientação, e IFOP) participam no financiamento do objectivo nº 1.

A repartição financeira, por Estado-Membro, das dotações de autorização a título do objectivo nº 1 e do apoio transitório dos fundos estruturais que foi objecto da Decisão 1999/501/CE da Comissão [Jornal Oficial L 194 de 27.07.1999] é a seguinte:

Estado-MembroObjectivo nº 1
(em milhões de euros)
Apoio transitório
(em milhões de euros)
Alemanha19229729
Áustria2610
Bélgica0625
Espanha37744352
Finlândia9130
França3254551
Grécia209610
Irlanda13151773
Itália21935187
Países Baixos0123
Portugal161242905
Reino Unido50851166
Suécia7220

Participação dos fundos

Regra geral, a participação dos fundos estruturais, a título do objectivo nº 1 está sujeita aos seguintes limites: 75 %, no máximo, do custo total elegível e, regra geral, 50 %, no mínimo, das despesas públicas elegíveis. Esta taxa de participação pode ascender a 80 % no que respeita às regiões situadas num Estado-Membro coberto pelo Fundo de Coesão (Grécia, Espanha, Irlanda e Portugal). O Regulamento (CE) nº 1447/2001 do Conselho [JO L 198 de 21.07.2001] aumenta esse limite máximo para 85 % no que respeita a todas as regiões ultraperiféricas, bem como às ilhas menores do Mar Egeu, na Grécia.

No caso de investimentos nas empresas, a participação dos fundos respeita os limites máximos de intensidade de ajuda e de cumulação estabelecidos em matéria de auxílios estatais.

Quando a intervenção em causa implica o financiamento de investimentos geradores de receitas (exemplo: pontes, auto-estradas com portagem), a participação dos fundos nesses investimentos é determinada tendo em conta a importância das receitas que são de esperar. Nestes casos, relativamente ao objectivo nº 1, a participação dos fundos fica sujeita aos seguintes limites máximos:

  • No caso de investimentos em infra-estruturas de que resultem receitas importantes, a intervenção não pode exceder 40 % do custo total elegível, que pode ser acrescido de uma majoração de 10 % nos Estados-Membros abrangidos pelo Fundo de Coesão. Esse financiamento pode ser completado por outras formas de financiamento, distintas das ajudas directas, até ao limite de 10 % do custo total elegível.
  • No caso de investimentos em empresas, a intervenção não pode exceder 35 % do custo total elegível ou 50 % para as regiões ultraperiféricas e as ilhas menores do Mar Egeu. No caso de investimentos em pequenas e médias empresas (PME), essas taxas podem ser objecto de uma majoração destinada a formas de financiamento indirectas, até ao limite de 10 % do custo total elegível.

Resultados da programação a título do objectivo nº 1 para o período de 2000 - 2006

Os resultados da programação a título do objectivo nº 1 dos fundos estruturais para o período de 2000-2006 são objecto da comunicação COM(2001) 378 final [Não publicada no Jornal Oficial] na qual são destacados os seguintes aspectos:

  • O desnível em termos de desenvolvimento relativamente ao resto da União permanece importante, não obstante os progressos realizados no decurso do período anterior, tal como salientado no segundo relatório sobre a coesão económica e social. As intervenções permitirão dar continuidade à acção de recuperação económica..
  • As orientações estratégicas indicativas, que a Comissão adoptou em Julho de 1999, constituíram uma base útil para a negociação dos planos e dos programas com os Estados-Membros. É evidente um maior esforço de concentração das intervenções em quatro domínios prioritários: infra-estruturas, investigação e inovação, sociedade da informação e valorização dos recursos humanos.
  • A eficácia das intervenções está estreitamente associada ao respeito das condições de execução e de gestão dos programas. Os Estados-Membros, em parceria com a Comissão, realizaram importantes progressos na instauração de sistemas de acompanhamento, de controlo e de avaliação mais rigorosos.
  • Foram detectadas dificuldades no que respeita: 1) ao período de 5 meses de negociação dos documentos de programação considerado demasiado curto (prazo médio de adopção estimado em 8 meses), e 2) ao complemento de programação que, não obstante se destinar a explicitar o conteúdo dos eixos prioritários dos programas, é frequentemente considerado como uma fase de programação efectiva.

Impacto económico das intervenções a título do objectivo nº 1 para o período de 2000 - 2006

Um novo estudo (EN ) da Direcção-Geral da Política Regional debruça-se sobre a incidência económica dos fundos estruturais nas principais zonas elegíveis para o objectivo nº 1 (Espanha, Portugal, Irlanda, Grécia, Mezzogiorno italiano e Länder alemães) para o período de 2000-2006. Desta análise destacam-se os seguintes resultados principais:

  • Os programas do objectivo nº 1 teriam uma incidência significativa no nível do PIB e na formação do capital fixo.
    O nível total do PIB para Portugal e Grécia aumentaria, respectivamente, de 3,5 % e 2,4 % relativamente ao que seria possível obter sem a ajuda europeia. Este aumento seria de 1,7 % para o Mezzogiorno e de 1,6 % para os Länder da Alemanha de Leste.
  • No conjunto do período e para as regiões consideradas, cerca de 700 000 empregos beneficiariam do apoio comunitário.
  • As contribuições comunitárias deveriam induzir um aumento da taxa de crescimento anual do PIB ligeiramente superior a 0,4 % em Portugal e ligeiramente inferior a 0,4 % na Grécia.
  • Uma parte importante das transferências dispersar-se-ia fora das regiões beneficiárias (efeito de fuga) sob a forma de importações de equipamentos, de bens e de serviços.
    Em média, por 4 euros gastos no âmbito do objectivo nº 1 mais de 1 euro seria consagrado a importações provenientes de outros Estados-Membros e 9 % a importações com origem em países terceiros.
  • Os programas do objectivo nº 1 contribuiriam para a reestruturação e a recuperação económicas das seis zonas com atrasos de desenvolvimento abrangidas pelo estudo.
    A produção industrial aumentaria em valor absoluto, a parte da agricultura e da transformação dos produtos agrícolas no PIB diminuiria, enquanto a parte dos serviços registaria um aumento.

ACTOS RELACIONADOS

Proposta de Regulamento do Conselho, de 14 de Julho de 2004, que institui um Fundo de Coesão [COM(2004) 494 final - Não publicado no Jornal Oficial].

Em Julho de 2004, no âmbito da reforma da política regional, a Comissão Europeia apresentou um pacote de propostas relativas aos fundos estruturais (FEDER, FSE) e ao Fundo de Coesão. O documento de base relativo às disposições gerais prevê para o Fundo de Coesão uma dotação total de 62,99 mil milhões de euros, ou seja, 23,86 % dos 264 mil milhões de euros destinados ao objectivo "Convergência" que substitui o objectivo nº1. A participação do Fundo de Coesão está limitada a 85 % das despesas públicas.

Última modificação: 14.07.2005
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página