RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Livro Verde sobre a promoção de regimes alimentares saudáveis e da actividade física

Arquivos

Com base neste Livro Verde sobre a promoção de regimes alimentares saudáveis e da actividade física, a Comissão pretende favorecer o debate sobre as iniciativas em prol da prevenção da obesidade. O objectivo é nomeadamente poder reproduzir as melhores práticas através da Europa.
Actualmente, nos países da UE, até 27% dos homens e 38% das mulheres, incluindo mais de 3 milhões de crianças, sofrem de obesidade.

ACTO

Livro Verde, de 8 de Dezembro de 2005, «Promoção de regimes alimentares saudáveis e da actividade física: uma dimensão europeia para a prevenção do excesso de peso, da obesidade e das doenças crónicas» [COM(2005) 637 final - Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Os regimes alimentares pouco saudáveis e a falta de actividade física constituem as principais causas de doenças evitáveis e de morte prematura na Europa. Ora, a progressão contínua da obesidade constitui precisamente um problema essencial de saúde pública nos países da União Europeia (UE).

Nas conclusões de 3 de Junho de 2005, o Conselho apelou aos Estados-Membros e à Comissão para que delineassem e implementassem iniciativas destinadas a promover regimes alimentares saudáveis e a actividade física.

Além disso, o Conselho salientou a multiplicidade dos factores a ter em conta ao considerar a questão da obesidade. Por esta razão, apelou à concepção de abordagens que mobilizem as múltiplas partes interessadas, bem como acções a nível local, regional, nacional e europeu.

Objectivos do Livro Verde

O Livro Verde solicita os contributos das partes interessadas sobre um vasto leque de tópicos ligados à nutrição e à actividade física. O objectivo é recolher informações com vista a atribuir à questão do combate à obesidade uma dimensão europeia, que poderá completar, apoiar e coordenar as medidas nacionais existentes.

ESTRUTURAS E INSTRUMENTOS A NÍVEL COMUNITÁRIO

A nível europeu, existe um certo número de instrumentos e de estruturas que intervém no domínio do combate à obesidade.

Plataforma de Acção Europeia em matéria de Regimes Alimentares, Actividade Física e Saúde

Lançada em Março de 2005, visa criar um fórum de acção comum em matéria de combate à obesidade. Congrega todos os actores importantes que desenvolvem actividades a nível europeu e que estão dispostos a assumir compromissos vinculativos na luta contra o excesso de peso e a obesidade.

Rede Europeia para a Nutrição e a Actividade Física

A rede foi criada em 2003 com o objectivo de aconselhar a Comissão quanto ao desenvolvimento de actividades comunitárias destinadas a melhorar a nutrição, a prevenir doenças relacionadas com os regimes alimentares, a promover a actividade física e a combater a obesidade.

A saúde nas políticas da UE

A prevenção do excesso de peso e da obesidade implica uma estratégia integrada de promoção da saúde, abrangendo outras políticas comunitárias (defesa dos consumidores, assuntos sociais, agricultura, ambiente e educação, etc.) e beneficiando do seu apoio activo.

O Programa de Acção no Domínio da Saúde Pública

A tomada em consideração das questões de nutrição e do problema da obesidade está reflectida em diferentes eixos do programa de acção, nomeadamente na vertente da informação (recolha de dados sobre a epidemiologia da obesidade e sobre questões comportamentais) e na vertente sobre determinantes da saúde (apoio de projectos que se destinam a promover a actividade física e hábitos alimentares saudáveis).

O segundo Programa de Acção Comunitária no domínio da Saúde (2008-2013) dá igualmente ênfase à promoção e à prevenção na área da nutrição e da actividade física.

Perguntas

No domínio das estruturas e instrumentos que existem a nível comunitário, o Livro Verde solicita às partes interessadas que respondam a diversas questões nomeadamente sobre:

  • Os contributos concretos que podem dar as políticas comunitárias para promover regimes alimentares saudáveis e a actividade física.
  • O tipo de medidas comunitárias ou nacionais que podem contribuir para tornar a fruta e os legumes mais atraentes, disponíveis, acessíveis e baratos.
  • O contributo do programa de acção no domínio da saúde pública em matéria de sensibilização para a importância dos hábitos alimentares saudáveis e da actividade física na redução do risco de doenças crónicas.

ÁREAS DE ACTUAÇÃO

As áreas susceptíveis de afectar, quer a promoção de uma alimentação saudável e da actividade física, quer o combate à obesidade, são muito variadas. Para cada uma destas áreas, a Comissão solicita a opinião das partes interessadas através de um certo número de perguntas específicas.

Informação dos consumidores e publicidade
13. A política de defesa dos consumidores visa nomeadamente permitir que as pessoas façam opções com conhecimento de causa no tocante aos alimentos que ingerem. Para isso, o consumidor deve dispor de uma informação clara sobre os produtos alimentares.
Com este objectivo, a Comissão apresentou uma proposta de regulamento sobre a harmonização das regras em matéria de alegações nutricionais e de saúde. A Comissão está igualmente a ponderar a alteração das actuais regras em matéria de rotulagem nutricional.

No que respeita à publicidade e à comercialização, há que garantir que os consumidores não são enganados e, especialmente, que não serão exploradas a credulidade e o iletrismo dos consumidores vulneráveis, sobretudo das crianças, em relação aos meios de comunicação.
Neste domínio, a auto-regulação da indústria pode ser uma opção pertinente. Possui, com efeito, várias vantagens em relação à regulamentação externa, nomeadamente em termos de rapidez e de flexibilidade.

Perguntas. As questões colocadas no Livro Verde respeitam, nomeadamente:

  • Aos principais nutrientes e categorias de produtos a ser considerados na informação nutricional fornecida ao consumidor.
  • Aos códigos voluntários (auto-regulação), sua eficácia e alternativas a considerar caso a auto-regulação falhe.
  • Às medidas a tomar para assegurar que a credulidade e o iletrismo das crianças em relação aos meios de comunicação não sejam explorados pela publicidade e as técnicas comerciais.

Educação dos consumidores
16. Importa ajudar os cidadãos a conhecer melhor os factores que determinam o excesso de peso, e nomeadamente:

  • A relação entre regime alimentar e saúde.
  • A relação entre calorias ingeridas e despendidas..
  • Os regimes alimentares que reduzem o risco de doenças crónicas.
  • Opções alimentares saudáveis.

Nesta perspectiva, é necessário elaborar mensagens simples e claras, e divulgá-las através de múltiplos canais e de formas adequadas à cultura local, à idade e ao sexo.

Perguntas. Tendo em vista a identificação das melhores práticas, os participantes são convidados a responder a várias questões sobre os seguintes tópicos:

  • Meios que ajudem, tanto quanto possível, os consumidores a optar com conhecimento de causa.
  • Contributo das parcerias público-privadas para a educação dos consumidores.
  • As mensagens essenciais a transmitir aos consumidores no domínio da nutrição e da actividade física, os modos e os canais de difusão.

Especial atenção às crianças e aos jovens
18. É frequentemente durante a infância e a adolescência que os hábitos alimentares se fixam e predeterminam os riscos para a saúde na idade adulta.
A escola constitui um ambiente privilegiado para ajudar a orientar as crianças para hábitos e comportamentos saudáveis. Com efeito, pode contribuir significativamente para a promoção da saúde, de regimes alimentares saudáveis e da actividade física.

As medidas aplicáveis nas escolas são da competência dos Estados-Membros. No entanto, a Comunidade pode dar o seu contributo ajudando a identificar e a divulgar as melhores práticas.

Perguntas. Os domínios abrangidos são:

  • A melhoria do valor nutricional das refeições escolares e os meios utilizados para informar os pais sobre a forma de melhorar o valor nutricional das refeições em casa.
  • As boas práticas para se facultar a actividade física regular nas escolas.
  • As boas práticas para incentivar os alunos a fazer opções alimentares saudáveis nas escolas.
  • Apoio dos meios de comunicação, dos serviços de saúde, da sociedade civil e dos sectores industriais aos esforços das escolas em matéria de educação para a saúde.

Local de trabalho
20. Juntamente com a escola, o local de trabalho é um ambiente privilegiado para promover regimes alimentares saudáveis e a actividade física (variedade de refeições oferecidas pelas cantinas, existência de instalações destinadas à prática de uma actividade física, etc.).

Perguntas. As perguntas abrangem os seguintes tópicos:

  • Modos de os empregadores proporem uma variedade de refeições equilibradas nas cantinas dos locais de trabalho e melhorar o valor nutricional das refeições na cantina.
  • Medidas para incitar e facilitar a prática de uma actividade física durante os intervalos e no trajecto de e para o trabalho.

Papel dos profissionais de saúde
21. Os profissionais de saúde estão bem colocados para ajudar os doentes a compreender melhor as relações entre regime alimentar, actividade física e saúde, e para induzir as necessárias mudanças a nível dos estilos de vida.

Perguntas. Neste domínio, a Comissão solicita o parecer das partes interessadas sobre as medidas necessárias para reforçar a promoção de regimes alimentares saudáveis e da actividade física nos serviços de saúde.

Abordar o ambiente obesogénico
23. As políticas de transporte e de planeamento urbano podem ajudar a incentivar a actividade física. Com efeito, estas políticas podem promover a actividade física na vida quotidiana dos cidadãos, por exemplo, garantindo a comodidade e a segurança das deslocações a pé e de bicicleta ou perspectivando modos de transporte não motorizados.

Perguntas. As perguntas incluem os seguintes tópicos:

  • A forma como as políticas públicas podem contribuir para assegurar que a actividade física seja integrada nas rotinas do dia-a-dia.
  • As medidas necessárias para fomentar o desenvolvimento de ambientes propícios à actividade física.

Desigualdades socioeconómicas
25. A posição social, os rendimentos e a educação são elementos determinantes dos regimes alimentares e da actividade física praticada.

Perguntas. Os domínios abrangidos são:

  • As medidas susceptíveis de promover regimes alimentares saudáveis e a actividade física junto de grupos populacionais e de famílias pertencentes a determinadas categorias socioeconómicas menos elevadas.
  • O modo como se poderia resolver a acumulação de hábitos pouco saudáveis, que existe frequentemente em determinados grupos socioeconómicos.

Abordagem global e integrada
27. Uma abordagem coerente e abrangente em matéria de nutrição e actividade física implica que se tenha em conta em todas as políticas relevantes, aos níveis local, regional, nacional e europeu, a criação de ambientes propícios, a concepção e utilização dos instrumentos apropriados para avaliar o impacto das outras políticas na saúde nutricional e na actividade física.

Perguntas. As perguntas incidem sobre:

  • A identificação dos elementos mais importantes de uma abordagem integrada e abrangente para a promoção de regimes alimentares saudáveis e da actividade física.
  • O papel a nível nacional e a nível comunitário.

PRÓXIMAS ETAPAS

As organizações interessadas poderão enviar as suas respostas até 15 de Março de 2006. Os serviços da Comissão procederão seguidamente à análise dos contributos enviados, que serão resumidos num relatório a ser publicado em Junho de 2006.

Atendendo aos resultados do processo de consulta, a Comissão irá considerar as medidas a propor e os instrumentos necessários à sua aplicação.

ACTOS RELACIONADOS

Conclusões do Conselho «Emprego, Política Social, Saúde e Consumidores», de 3 de Junho de 2005, «Obesidade, nutrição e actividade física» [Não publicado no Jornal Oficial].

Resolução (castellanodeutschenglishfrançais) do Conselho, de 14 de Dezembro de 2000, sobre a saúde e a nutrição [Jornal Oficial C 20 de 23.01.2001].

Última modificação: 05.04.2008

Veja também

Para mais informações, consultar o sítio "Saúde pública" (ES) (DE) (EN) (FR) da Comissão Europeia.

Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página