RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Aditivos alimentares autorizados: regime geral

Arquivos

Desde 1990, todos os aditivos alimentares autorizados e respectivas condições de utilização estão harmonizados a nível comunitário, a fim de proteger a saúde dos consumidores e garantir a livre circulação dos géneros alimentícios na União Europeia (UE).

ACTO

Directiva 89/107/CEE do Conselho, de 21 de Dezembro de 1988, relativa à aproximação das legislações dos Estados-Membros respeitantes aos aditivos que podem ser utilizados nos géneros destinados à alimentação humana [Ver Actos Modificativos].

SÍNTESE

Directiva 89/107/CEE

A directiva aplica-se aos aditivos alimentares utilizados como ingredientes no fabrico ou na preparação de um género alimentício que ainda estejam presentes no produto final e que pertençam a uma das categorias do anexo I (considera-se "aditivo alimentar" qualquer substância normalmente não consumida como alimento, cuja adição intencional a torna um componente dos géneros alimentícios).

Só podem ser utilizadas como aditivos alimentares as substâncias incluídas nas listas estabelecidas e apenas nas condições de utilização previstas nas referidas listas (por exemplo, conservantes, emulsionantes, edulcorantes, levedantes).

O Conselho adopta:

  • A lista dos aditivos cuja utilização é autorizada, excluindo quaisquer outros.
  • A lista dos géneros alimentícios aos quais esses aditivos podem ser adicionados, as condições dessa adição e, se for caso disso, uma limitação quanto à finalidade tecnológica da sua utilização.
  • Regras relativas às substâncias utilizadas como solventes, acompanhadas, se for caso disso, de critérios de pureza.

Um processo especial, que permite à Comissão adoptar medidas após consulta do Comité Permanente dos Géneros Alimentícios, é aplicado para:

  • O estabelecimento dos critérios de pureza.
  • Em caso de necessidade, os métodos de análise necessários para verificar se os critérios de pureza são respeitados.
  • Em caso de necessidade, o processo de amostragem e os métodos de análise qualitativa e quantitativa dos aditivos alimentares no interior e à superfície dos géneros alimentícios.
  • Outras regras necessárias para garantir o respeito das disposições segundo as quais apenas são autorizados os aditivos que figuram nas listas.

A directiva prevê disposições relativas ao direito de acção de um Estado-Membro que tenha razões concretas para considerar que a utilização de um aditivo, embora em conformidade com a directiva, representa um risco para a saúde humana.

Prevê também as condições que permitem a um Estado-Membro autorizar, provisoriamente, no seu território, a comercialização e a utilização de um aditivo não previsto na lista e pertencente a uma das categorias do anexo I da directiva, a fim de ter em conta a evolução científica ou técnica verificada desde a adopção da lista, por exemplo, autorizar apenas por dois anos.

Prevê ainda requisitos em matéria de indicações que devem figurar na embalagem ou no recipiente dos aditivos destinados à venda, ao consumidor final ou ao fabrico de géneros alimentícios.

Directiva 94/34/CE

Pela Directiva 94/34/CE, os Estados-Membros poderão proibir a utilização de determinados aditivos nos géneros alimentícios fabricados segundo métodos tradicionais nos respectivos territórios, desde que essa proibição já existisse em 1 de Janeiro de 1992 e a livre circulação de mercadorias não seja afectada.

No entanto, os Estados-Membros deverão permitir a produção no seu território de produtos não tradicionais fabricados em conformidade com as directivas relativas aos aditivos alimentares.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigor - Data do termo de vigênciaPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Directiva 89/107/CEE28.12.198827.6.1990JO L 40 de 11.2.1989

Acto(s) modificativo(s)Entrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Directiva 94/34/CE10.9.1994-JO L 237 de 10.9.1994
Regulamento CE n.º 1882/2003 [adopção: co-decisão COD/2004/0237]20.11.2003-JO L 284 de 31.10.2003

ACTOS RELACIONADOS

Proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho, de 28 de Julho de 2006, relativo aos aditivos alimentares [COM(2006) 428 final - Não publicada no Jornal Oficial].
O futuro regulamento vai harmonizar numa lista comunitária todos os aditivos autorizados para utilização em géneros alimentícios, incluindo edulcorantes e corantes. Estabelecerá além disso um procedimento único de autorização e de avaliação.
O Comité Permanente da Cadeia Alimentar e da Saúde Animal examinará todos os aditivos já autorizados, bem como os novos, e a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (AESA) procederá a uma avaliação dos riscos destes produtos. Para autorizar um novo aditivo ou renovar uma autorização existente, a avaliação deverá demonstrar que o produto oferece segurança, é necessário do ponto de vista tecnológico, deve trazer vantagens para o consumidor e não o induz em erro quanto à sua utilização.
O futuro regulamento revogará todas as disposições em vigor relativas a aditivos (ver a seguir).

O conjunto da regulamentação sobre aditivos assenta:

  • Na Directiva 89/107/CEE.
  • Na Directiva 95/2/CE (castellanodeutschenglishfrançais) relativa aos aditivos alimentares com excepção dos corantes e dos edulcorantes.
  • Na Directiva 94/35/CE relativa aos edulcorantes.
  • Na Directiva 94/36/CE (castellanodeutschenglishfrançais) relativa aos corantes.
  • Na Decisão n.º 292/97/CE (ver a seguir).

Decisão n.º 292/97/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de Dezembro de 1996, relativa à manutenção de disposições legislativas nacionais respeitantes à proibição de utilizar certos aditivos na produção de determinados géneros alimentícios específicos [Jornal Oficial L 48 de 19.2.1997].
Esta decisão autoriza alguns Estados-Membros a aplicar disposições que proíbem a utilização de certos aditivos na produção de determinados géneros alimentícios específicos, considerados tradicionais e fabricados nos respectivos territórios. Estas excepções são sem prejuízo do disposto relativamente às especialidades tradicionais garantidas dos produtos agrícolas e dos géneros alimentícios (castellanodeutschenglishfrançais).

Relatórios

Relatório [COM(2001) 542 final - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão, de 1 de Outubro de 2001, relativo à ingestão de aditivos alimentares no âmbito do regime alimentar na União Europeia.

Última modificação: 25.04.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página