RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Veículos a motor e reboques: procedimento de recepção CE

Arquivos

1) OBJECTIVO

Harmonizar as legislações dos Estados-Membros e aplicar um procedimento de recepção comunitária dos veículos a motor e seus reboques.

2) ACTO

Directiva 70/156/CEE do Conselho, de 6 de Fevereiro de 1970, relativa à aproximação das legislações dos Estados-Membros respeitantes à recepção dos veículos a motor e seus reboques. [Jornal Oficial L 42 de 23.02.1970].

Alterada pelos seguintes actos:

Directiva 78/315/CEE do Conselho, de 21 de Dezembro de 1977 [Jornal Oficial L 81 de 28.03.1978]
Directiva 80/1267/CEE do Conselho, de 16 de Dezembro de 1980 [Jornal Oficial L 375 de 31.12.1980]
Directivas 87/358/CEE e 87/403/CEE do Conselho, de 25 de Junho de 1987 [Jornal Oficial L 192 de 11.07.1987]
Directiva 92/53/CEE do Conselho, de 18 de Junho de 1992 [Jornal Oficial L 225 de 10.08.1992]
Directiva 93/81/CEE da Comissão, de 29 de Setembro de 1993 [Jornal Oficial L 264 de 23.10.1993]
Directiva 95/54/CEE da Commissão, de 31 de Outubro de 1995 [Jornal Oficial L 266 de 08.11.1995]
Directiva 96/27/CE do Conselho, de 20 de Maio de 1996 [Jornal Oficial L 169 de 08.01.1996]
Directiva 96/79/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Dezembro de 1996 [Jornal Oficial L 18 de 21.01.1997]
Directiva 97/27/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de Julho de 1997 [Jornal Oficial L 233 de 25.08.1997]
Directiva 98/14/CE da Comissão, de 6 de Fevereiro de 1998 [Jornal Oficial L 91 de 25.03.1998]

3) SÍNTESE

1. As directivas aplicam-se à recepção de todos os veículos a motor equipados com um motor de combustão interna e seus reboques, fabricados numa ou em várias fases, e dos sistemas, componentes e unidades técnicas destinados a serem utilizados nesses veículos e reboques.

2. Não se aplicam à recepção de veículos individuais e aos quadriciclos, na acepção da Directiva 92/61/CEE do Conselho.

3. O procedimento de recepção para cada modelo de veículo e cada tipo de sistema, componente e unidade técnica é composto por:

  • Pedido de recepção:

- o pedido de recepção deve ser apresentado pelo fabricante às autoridades de recepção de um único Estado-Membro;
- deve ser acompanhado por um dossier de fabrico e pelas fichas de recepção exigidas nos termos de cada uma das directivas específicas aplicáveis, em conformidade com as directivas supra;
- é acompanhado de informações específicas no que se refere às recepções em várias fases;

  • Processo de recepção:

- a recepção é concedida por cada Estado-Membro se o modelo ou tipo em causa estiver em conformidade com as informações contidas no dossier de fabrico e satisfizer os requisitos técnicos das directivas específicas;
- cada Estado-Membro preenche, para este efeito, uma ficha de recepção e respectivos anexos relativos aos resultados dos ensaios e envia-a ao requerente;
- a recepção pode ser recusada caso existam riscos para a segurança rodoviária;
- as autoridades de recepção de cada Estado-Membro estabelecem entre si um sistema de informação recíproca;

  • Alteração das recepções:

- o pedido de alteração ou extensão de uma recepção deve ser apresentado exclusivamente ao Estado-Membro que concedeu a recepção original;
- as alterações a introduzir no documento são diferentes consoante se trate de um veículo, de um sistema, de um componente ou de uma unidade técnica;
- são autorizados ensaios e inspecções adicionais na sequência da alteração de um dossier de recepção, caso o Estado-Membro os considere necessários; por conseguinte, a ficha de recepção e respectivos anexos apenas serão elaborados após as novas verificações;

  • Certificado de conformidade:

- é emitido pelo fabricante com base na ficha de recepção e em conformidade com os anexos da directiva;
- contém dados pormenorizados sobre os elementos alterados ou acrescentados e sobre eventuais restrições de utilização dos componentes e das unidades técnicas;
- para efeitos de matrícula ou tributação dos veículos, os Estados-Membros podem exigir que sejam introduzidas informações complementares no certificado de conformidade.

4. Matrícula e venda:

  • É obrigatório dispor de um certificado de conformidade válido:

- para a venda, entrada em circulação e matrícula dos veículos em causa;
- para a venda e a entrada em serviço dos componentes e das unidades técnicas destinados a veículos que se inserem no âmbito de aplicação das directivas;

  • Todavia, um Estado-Membro pode:

- recusar a matrícula a título definitivo ou a entrada em circulação dos veículos incompletos enquanto não forem completados;
- mediante determinadas condições, recusar a matrícula e/ou proibir a venda e a entrada em circulação ou em serviço, no seu território, de veículos, componentes e unidades técnicas, caso constituam um sério risco para a segurança rodoviária, embora sejam acompanhados de um certificado de conformidade válido ou estejam devidamente marcados.

Estas derrogações não se aplicam aos veículos:

  • Destinados às forças armadas, protecção civil, serviços de incêndio e forças responsáveis pela manutenção da ordem pública;
  • Que não se insiram no âmbito de aplicação das directivas ou que delas estejam total ou parcialmente isentos;

5. Mediante determinadas condições, os seguintes veículos podem ser dispensados da conformidade com disposições de uma ou várias directivas específicas:

  • Os veículos produzidos em pequenas séries;
  • Os veículos de fim de série;
  • Os veículos, componentes ou unidades técnicas concebidos segundo técnicas ou princípios incompatíveis, devido à sua natureza, com um ou mais dos requisitos de directivas específicas (por um período máximo de vinte e quatro meses).

6. A não-conformidade com o modelo recepcionado é determinada:

  • Pelo Estado-Membro que procedeu à recepção ou por qualquer outro Estado-Membro;
  • Em relação à ficha e/ou ao dossier de recepção; e
  • Após se terem verificado divergências que não foram autorizadas pelo estado-Membro de recepção por força das directivas.

Incumbe ao Estado-Membro de recepção a adopção de medidas necessárias ao reestabelecimento da conformidade.

7. Os Estados-Membros notificam à Comissão e aos outros Estados-Membros as referências das autoridades de recepção e dos serviços técnicos.

ActoData
de entrada em vigor
Data limite de transposição nos Estados-Membros
Directiva 98/14/CE14.04.199830.09.1998
Directiva 97/27/CE11.08.199722.07.1999
Directiva 96/79/CE14.09.199701.10.1996
Directiva 96/27/CE21.08.199620.05.1997
Directiva 95/54/CEE:20.11.199501.12.1995
Directiva 93/81/CEE:01.10.199301.10.1993
Directiva 92/53/CEE:31.12.199231.12.1992
Directiva 87/358/CEE:01.10.199801.10.1988
Directiva 80/1267/CEE30.06.198230.06.1982
Directiva 78/315/CEE-21.06.1979
Directiva 70/156/CEE-06.08.1971

4) MEDIDAS DE APLICAÇÃO

5) TRABALHOS POSTERIORES

Proposta de directiva do Parlamento Europeu e do Conselho, de 14 de Setembro de 2003, relativa àhomologação dos veículos a motore seus reboques, sistemas, componentes e unidades técnicas destinados a serem utilizados nesses veículos (Reformulação) [COM(2003) 418 final - Não publicada no Jornal Oficial].
Uma vez adoptada, a proposta revogará e substituirá a Directiva 70/156/CEE.

 
Última modificação: 23.05.2005
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página