RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos (2007) – Para uma Sociedade Justa

Arquivos

O Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos pretende sensibilizar a população para os benefícios de uma sociedade justa e coesa. Preconiza iniciativas de sensibilização que tenham por objectivo combater atitudes e comportamentos discriminatórios, bem como informar os cidadãos sobre os seus direitos e obrigações. Inscreve-se numa abordagem transversal do combate à discriminação, que deverá permitir assegurar a aplicação correcta e uniforme do enquadramento legislativo comunitário em toda a Europa, pondo em evidência os seus princípios essenciais e angariando o apoio activo do público à legislação em matéria de não-discriminação e de igualdade.

ACTO

Decisão n.º 771/2006/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de Maio de 2006, que institui o Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos (2007) – Para uma Sociedade Justa.

SÍNTESE

Apesar dos progressos já conseguidos a nível europeu na eliminação da discriminação e na promoção da igualdade de oportunidades, muito há ainda a fazer. Toda e qualquer legislação, por mais cuidadosamente elaborada que seja, não passará de letra-morta se não for traduzida em acções de longo prazo por uma vontade política e não for amplamente apoiada pela população.

O Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos constituirá uma oportunidade de promover uma sociedade mais coesa. Procurará sensibilizar melhor a opinião pública para o substancial acervo comunitário no domínio da igualdade e da não-discriminação, bem como mobilizar todos os interessados a fim de fazer avançar a nova estratégia-quadro da UE no referido domínio, inclusive após 2007.

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

Sensibilizar a opinião pública para o direito à igualdade e à não-discriminação

É necessário que o público conheça melhor a legislação europeia sobre a igualdade e a não-discriminação, que constituem valores e princípios comuns da União Europeia (UE). O Ano Europeu procurará fazer circular no conjunto da população a mensagem de que todas as pessoas, independentemente dos respectivos sexos, origem racial ou étnica, religião ou crença, deficiência, idade e orientação sexual, têm direito à igualdade de tratamento.

Fomentar um debate sobre os meios de aumentar a participação na sociedade

Há que encetar um debate e um diálogo tendentes a favorecer uma maior participação dos grupos vítimas de discriminação, assim como uma participação equilibrada entre homens e mulheres.

Celebrar e facilitar a diversidade

O Ano Europeu pretenderá alertar para o contributo positivo que todas as pessoas, independentemente dos respectivos sexos, origem racial ou étnica, religião ou crença, deficiência, idade e orientação sexual, podem dar à sociedade no seu conjunto.

Lutar por uma sociedade mais coesa

O Ano Europeu procurará sensibilizar o público para a importância de promover boas relações entre os vários grupos que compõem a sociedade, em especial entre os jovens, bem como abolir os estereótipos, os preconceitos e a violência.

CONTEÚDO DAS ACÇÕES, ORÇAMENTO E SELECÇÃO DOS PEDIDOS DE SUBVENÇÃO

As acções, independentemente de se realizarem à escala comunitária ou à escala nacional, pretendem alcançar os quatro objectivos atrás definidos e compreendem:

  • reuniões e eventos (como, por exemplo, as conferências de abertura e encerramento ou a primeira cimeira anual da igualdade);
  • campanhas de informação e promoção (logótipo, slogans, concursos, etc.);
  • inquéritos e estudos à escala comunitária ou à escala nacional.

O orçamento previsto para o Ano Europeu de 2007, no período compreendido entre 1 de Janeiro de 2006 e 31 de Dezembro de 2007, é de 15 milhões de euros, 6 dos quais para o período que termina a 31 de Dezembro de 2006.

As acções à escala comunitária podem ser subvencionadas até 80% ou dar origem a contratos públicos financiados pelo orçamento geral da UE. As medidas de âmbito local, regional ou nacional podem ser co-financiadas pelo orçamento geral da UE até um máximo de 50% do total dos custos consolidados.

CONCRETIZAÇÃO

A Comissão assegurará que as actividades definidas a nível europeu serão coerentes e complementares relativamente às acções pertinentes a nível comunitário (fundos estruturais, desenvolvimento rural, educação, cidadania ou direitos fundamentais), nacional e regional.

Trabalhar em parceria com os países participantes

A participação no Ano Europeu está aberta aos Estados-Membros, aos países da EFTA/EEE, aos países candidatos que beneficiam de uma estratégia de pré-adesão, aos países dos Balcãs Ocidentais, segundo as modalidades definidas nos respectivos acordos, e aos países parceiros da política europeia de vizinhança, de acordo com os seus planos de acção (PEV).

Cada Estado-Membro deve criar ou designar uma entidade nacional de execução para organizar a participação nacional no Ano Europeu, definir a estratégia e as prioridades nacionais e seleccionar as diferentes acções a propor para financiamento comunitário.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Decisão n.° 771/2006/CE

20.6.2006

-

JO L 146 de 31.5.2006

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 19 de Junho de 2009 –Implementação, resultados e avaliação global do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos [COM(2009) 269 final – Não publicada no Jornal Oficial].
O Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades de 2007 foi um êxito em termos de implementação prática e financeira dos seus objectivos. Os países participantes lançaram 434 acções que resultaram em cerca de 1600 eventos, campanhas, publicações, etc. Estas acções cumpriram integralmente os princípios-chave de implementação: descentralização e tratamento equilibrado de todos os motivos de discriminação. A abordagem transversal ou multifacetada fomentou a cooperação entre as autoridades nacionais, regionais e locais relevantes e incluiu a sociedade civil e os parceiros sociais. Além disso, foi dado um destaque ainda maior às discriminações múltiplas e à integração das questões de igualdade dos géneros.
Na UE, o Ano foi implementado em várias vertentes: criação de um Comité Consultivo para garantir a participação dos principais actores, organização de um fórum “Parlamento Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos” para a promoção do diálogo com a sociedade civil, realização de três inquéritos Eurobarómetro e lançamento de uma campanha de informação e sensibilização em toda a UE.
O sucesso do Ano foi devido, em especial, ao empenho político em todos os níveis. Os Estados-Membros afectaram recursos consideráveis à sua implementação prática e muitas das acções iniciadas durante o Ano continuarão ou serão repetidas. Pela primeira vez, os Estados-Membros centraram igualmente a atenção em determinados tipos de discriminação, tais como os baseados na idade, raça ou origem étnica e orientação sexual. As estratégias nacionais foram elaboradas para abordar as novas questões identificadas, o que resultou igualmente no reforço da cooperação com a sociedade civil.
Na UE, o Ano conduziu à adopção de uma resolução do Conselho sobre o seu seguimento, bem como de várias medidas da Comissão, tais como uma proposta de directiva sobre a igualdade de tratamento, uma comunicação sobre a não-discriminação e igualdade de oportunidades, uma decisão que cria um grupo de peritos governamentais sobre a não discriminação e um documento de trabalho sobre a integração das pessoas de etnia cigana. A Comissão continuará a desenvolver medidas contra a discriminação, nomeadamente, através de mais estudos sobre a situação na UE, respostas a violações de direitos e identificação de novas soluções, em especial para a integração das pessoas de etnia cigana.

Última modificação: 04.12.2009
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página