RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Rendimento máximo sustentável

Na perspectiva de estabelecer uma exploração sustentável dos recursos haliêuticos, a presente comunicação fixa uma nova orientação política em matéria de pesca. A Comissão propõe implementar uma gestão da pesca comunitária baseada no rendimento máximo sustentável (RMS). Trata-se de um sistema de gestão a longo prazo que se destina a garantir uma exploração dos recursos aquáticos vivos em condições económicas, ambientais e sociais sustentáveis.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu, de 4 de Julho de 2006 - Alcançar a sustentabilidade nas pescarias da UE através do rendimento máximo sustentável [COM(2006) 360 - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Pela presente comunicação, a Comissão propõe-se melhorar os desempenhos económicos do sector da pesca e garantir a viabilidade da indústria pesqueira no espírito das decisões tomadas aquando da Cimeira Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável de Joanesburgo.

Nessa altura, a Comissão e os Estados-Membros subscreveram o objectivo de obter um rendimento máximo sustentável (RMS) para as unidades populacionais depauperadas, o mais tardar em 2015.

A Comissão considera que chegou o momento de mudar a gestão da pesca comunitária, e que o objectivo passe a ser alcançar a prosperidade e não apenas evitar o fracasso, reconstituindo as unidades populacionais de peixes através de uma gestão baseada no RMS.

A Comissão sublinha as vantagens potenciais desta nova orientação da política comum da pesca (PCP). De acordo com várias análises científicas, 80 % das unidades populacionais de peixes da Europa são actualmente objecto de um sobrepesca em relação ao que deveria constituir uma gestão baseada no rendimento máximo sustentável (RMS).

O RMS é uma abordagem a longo prazo, que consiste em fixar taxas de capturas que permitem às unidades populacionais de peixes reproduzir-se, a fim de assegurar a exploração em condições económicas, ambientais e sociais sustentáveis.

Vantagens de uma abordagem baseada no rendimento sustentável

A Comissão considera que o exercício da pesca no respeito do RMS contribuirá para inverter esta tendência de esgotamento dos recursos haliêuticos. Esta abordagem será benéfica para o ambiente marinho em geral, pois permitirá aumentar a disponibilidade dos recursos e reequilibrar os ecossistemas.

As vantagens são igualmente de ordem económica, dado que esta abordagem permitirá reduzir os custos da actividade de pesca. A exploração das unidades populacionais tornar-se-á menos árdua quando a disponibilidade dos recursos voltar a ser mais estável.

A pesca praticada no âmbito do RMS permitirá, por um lado, o aumento da proporção de capturas de grandes dimensões e de valor elevado e, por outro, a diminuição das devoluções.

Nos últimos anos, foram importados anualmente mais de 10 milhões de toneladas de peixes, o que representa 60 % do peixe consumido na Europa. Uma gestão das unidades populacionais de peixes com base no RMS melhora substancialmente a posição concorrencial da indústria da pesca europeia e garante uma oferta estável de alta qualidade.

Realização desta abordagem

A gestão da actividade da pesca deve basear-se na sustentabilidade e na estabilidade. Para o efeito, a Comissão preconiza um equilíbrio entre a actividade da pesca e a capacidade reprodutiva dos recursos haliêuticos.

Para atingir este objectivo, é importante definir, anualmente, as taxas de pesca adequadas para as diferentes unidades populacionais de peixes. A Comissão já sublinhou a importância de melhorar a tomada de decisões em matéria de gestão da pesca.

O sucesso da transição para esta nova abordagem depende da capacidade de adaptação das pescarias nacionais a uma nova situação, bem como da realização de consultas regulares entre a Comissão e os interessados.

Este período de adaptação progressiva pode conduzir a duas abordagens diferentes. No primeiro caso, os Estados-Membros podem promover o desenvolvimento de um sector da pesca mais pequeno, mais eficaz e mais lucrativo, que origine a redução do número de pescadores. No segundo caso, os Estados-Membros podem manter uma taxa de emprego elevada sem redução da dimensão da frota, mas com uma baixa de rentabilidade para as empresas.

Embora seja da competência dos Estados-Membros escolher uma estratégia económica aplicável às pescarias, a Comissão nota que, no passado, qualquer solução diferente do abate dos navios de pesca criou problemas de execução e de aceitação social, em virtude da dificuldade de manter uma sobrecapacidade de pesca sem a utilizar.

Planos a longo prazo

A Comissão proporá durante os próximos anos uma série de planos a longo prazo para que, no horizonte de 2015, os recursos explorados nas águas comunitárias atinjam o RMS. Cada plano definirá a taxa de pesca adequada para as unidades populacionais em causa. Os princípios que regulam estes planos a longo prazo consistem no seguinte:

  • Assegurar a consulta dos pescadores, dos consumidores e de qualquer outra parte interessada.
  • Basear cada plano em pareceres científicos imparciais.
  • Ter em conta as incidências económicas, sociais e ambientais das medidas propostas.
  • Estabelecer uma taxa de captura e os meios para a atingir progressivamente.
  • Reduzir os efeitos prejudiciais da pesca sobre o ecossistema.
  • Prever medidas técnicas para assegurar que a pesca das diferentes unidades populacionais aquando de capturas mistas seja compatível com os seus objectivos respectivos.
  • Prever eventualmente a possibilidade de explorar certas unidades populacionais abaixo dos níveis RMS a fim de obter certos ganhos de produtividade para outras espécies.
  • Estabelecer os objectivos independentemente do estado biológico das unidades populacionais aquando da entrada em vigor dos planos, desde que possam ser tomadas medidas de conservação mais estritas se o recurso se esgotar mais rapidamente do que previsto.
  • Prever orientações adequadas se, na ausência de dados ou por outras razões, o parecer científico não permitir quantificar as acções requeridas para atingir as condições do rendimento máximo sustentável.
  • Rever periodicamente os planos e os seus objectivos.

Contexto

Aquando da reforma da PCP em 2002, já se tinha sublinhado a importância de uma gestão da pesca a mais longo prazo a fim de preservar os recursos haliêuticos de uma forma sustentável, o que, aliás, se traduziu na criação de planos de reconstituição das unidades populacionais mais ameaçadas. Contudo, devido à sobrepesca, as taxas de captura de numerosas espécies foram objecto de fortes reduções desde há vários anos. Por conseguinte, a Comissão considera que é necessário passar a uma etapa seguinte e inverter a tendência do declínio da maior parte dos recursos haliêuticos europeus. Aquando da Cimeira Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável de Joanesburgo, em 2002, os Estados-Membros comprometeram-se a restabelecer as unidades populacionais, elevando-as para níveis compatíveis com o princípio do RMS, o mais tardar em 2015.

Última modificação: 17.10.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página