RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Equipas de investigação conjuntas

A presente decisão-quadro prevê a possibilidade de os Estados-Membros criarem equipas de investigação conjuntas a fim de melhorar a cooperação policial. Estas equipas de investigação conjuntas são compostas pelas autoridades judiciárias ou policiais de, pelo menos, dois Estados-Membros. Estão encarregadas de realizar investigações em domínios específicos e por um período limitado.

ACTO

Decisão-quadro 2002/465/JAI relativa às equipas de investigação conjuntas.

SÍNTESE

Os Estados-Membros, reunidos em Tampere em 1999, tinham-se comprometido a criar sem demora equipas de investigação conjuntas para lutar contra o tráfico de droga, o tráfico de seres humanos e o terrorismo. A Convenção relativa ao auxílio judiciário mútuo em matéria penal, adoptada em Maio de 2000, prevê a criação de equipas de investigação conjuntas.

Acelerar / Desenvolver a cooperação policial

Porém, tendo em conta o atraso registado na ratificação da Convenção por parte dos Estados-Membros, em Junho de 2002, o Conselho adoptou a presente decisão-quadro relativa às equipas de investigação conjuntas, que os Estados-Membros deveriam, em princípio, aplicar até 1 de Janeiro de 2003.

Criar equipas de investigação conjuntas

A fim de realizar investigações criminais em Estados-Membros que requeiram uma acção coordenada e concertada, pode criar-se uma equipa de investigação conjunta. Com este objectivo, as autoridades competentes dos Estados-Membros em causa concluem um acordo comum que define as modalidades da equipa de investigação conjunta. Todas as infracções penais podem justificar a criação de uma equipa de investigação conjunta que tenha:

  • Um objectivo preciso.
  • Uma duração limitada (que pode ser prolongada com o acordo de todas as partes contratantes).

Os Estados-Membros serão responsáveis pela composição, objectivo e duração do mandato da equipa de investigação. É igualmente possível que os Estados-Membros prevejam a colaboração dos representantes da Europol, do OLAF ou de autoridades de Estados terceiros nas actividades da equipa de investigação conjunta.

Os membros da equipa de um Estado-Membro, que não o Estado-Membro em que a equipa realiza a missão, são definidos como "membros destacados" junto da equipa. Poderão ser-lhes confiadas missões nos termos do direito do Estado-Membro em que é realizada a missão.

No que diz respeito às infracções que cometam ou de que sejam vítimas, os agentes destacados terão o mesmo tratamento que os funcionários do Estado-Membro em que é realizada a missão no que se refere à sua responsabilidade penal.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigorTransposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Decisão-quadro 2002/465/JAI20.6.20021.1.2003Jornal Oficial L 162 de 20.6.2002

ACTOS RELACIONADOS

Relatório da Comissão sobre a transposição jurídica da Decisão-quadro do Conselho, de 13 de Junho de 2002, relativa às equipas de investigação conjuntas [COM(2004) 858 final - Não publicado no Jornal Oficial].
O relatório da Comissão, adoptado em 7 de Janeiro de 2005, faz o ponto da situação sobre a transposição jurídica da presente decisão-quadro que vincula os Estados-Membros quanto aos resultados a alcançar, deixando, no entanto, às instâncias nacionais a competência quanto à forma e aos meios.

Última modificação: 30.09.2005
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página