RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Reconhecimento mútuo das medidas de controlo tomadas antes do julgamento

Arquivos

Com o intuito de atenuar a discriminação exercida contra suspeitos não residentes contribuindo, ao mesmo tempo, para a diminuição da população carceral, a presente decisão-quadro destina-se a autorizar os suspeitos não residentes domiciliados num outro Estado-Membro a regressarem ao seu Estado-Membro de origem para aí aguardarem julgamento sob o controlo deste Estado, em vez de serem inutilmente mantidos em prisão preventiva ou submetidos a medidas de controlo de longa duração não privativas da liberdade no Estado-Membro onde foi cometida a infracção presumida. Este novo instrumento legislativo, aplicado através de uma decisão europeia de controlo judicial, destina-se a permitir aos Estados-Membros o reconhecimento mútuo de medidas de controlo tomadas antes do julgamento.

PROPOSTA

Proposta de decisão-quadro do Conselho, de 29 de Agosto de 2006, relativa à decisão europeia de controlo judicial no âmbito dos procedimentos cautelares aplicados entre os Estados-Membros da União Europeia [COM(2006) 468 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Baseando-se no princípio da livre circulação de pessoas num espaço de liberdade, de segurança e de justiça, a Comissão propõe o estabelecimento de uma decisão europeia de controlo judicial.

Trata-se de uma decisão judicial emitida por uma autoridade competente de um Estado-Membro em relação a um suspeito não residente tendo em vista a transferência dessa pessoa para o seu Estado-Membro de residência, na condição de a pessoa em causa respeitar as medidas cautelares. O objectivo da decisão-quadro consiste em garantir o regular exercício da justiça e, em especial, a comparência do interessado no julgamento no Estado-Membro de emissão, isto é, o Estado-Membro em cujo território é emitida a decisão europeia de controlo judicial.

A presente decisão-quadro faz parte do programa relativo ao reconhecimento mútuo em matéria penal. Certos aspectos do reconhecimento não tinham ainda sido abordados, nomeadamente as medidas cautelares. A Comissão considera que esta medida deverá abranger cerca de 8000 pessoas.

A presente proposta prevê três intervenientes:

  • Uma autoridade de emissão, ou seja, o tribunal, o juiz, o juiz de instrução ou o magistrado do Ministério Público com competência, ao abrigo do direito nacional, para emitir uma decisão europeia de controlo judicial.
  • Uma autoridade de execução, ou seja, o tribunal, o juiz, o juiz de instrução ou o magistrado do Ministério Público com competência, ao abrigo do direito nacional, para executar uma decisão europeia de controlo judicial.
  • Um suspeito não residente no Estado-Membro no qual será emitida a decisão.

Risco de tratamento discriminatório

As medidas cautelares não estão harmonizadas a nível comunitário. Actualmente, existe o risco de serem aplicados tratamentos diferentes aos suspeitos, consoante residam ou não no Estado-Membro em que deverá ter lugar o julgamento. O Conselho considera que esta desigualdade de tratamento entre estas duas categorias de suspeitos - residentes e estrangeiros - constitui um entrave à livre circulação de pessoas na União Europeia (UE).

As razões da aplicação da prisão preventiva devem-se principalmente à ausência de relações sociais no país em que estas pessoas são acusadas. Os tribunais que pronunciam a decisão consideram, designadamente, que o perigo de fuga é maior nesta categoria de pessoas.

Para além das consequências para as pessoas abrangidas por estas medidas privativas de liberdade, a aplicação da prisão preventiva acarreta também consequências financeiras consideráveis para as autoridades públicas em causa e é em grande parte responsável pela sobrelotação dos estabelecimentos prisionais.

Âmbito de aplicação

A presente proposta de decisão-quadro visa a aplicação da decisão europeia de controlo judicial. O seu objectivo consiste em permitir ao suspeito beneficiar de uma medida cautelar no seu local de residência, o que pressupõe o reconhecimento mútuo destas medidas de controlo.

Embora o suspeito possa solicitar a emissão de uma decisão europeia de controlo judicial, esta não é um direito completamente adquirido. A Comissão não tenciona impor à autoridade judicial a obrigação de tomar uma decisão europeia de controlo judicial, prevendo simplesmente a possibilidade de a autoridade de emissão o fazer.

A decisão europeia de controlo judicial não é unicamente uma medida de substituição da prisão preventiva. Pode também ser emitida no caso de infracções para as quais só sejam autorizadas medidas coercivas menos severas do que a prisão preventiva (limitação da liberdade de circulação, por exemplo), ou seja, quando o limiar aplicável for inferior ao previsto para a aplicação da prisão preventiva.

A proposta prevê ainda, como último recurso, o mais tardar três dias após a detenção, a aplicação de um instrumento coercivo para enviar para o Estado-Membro do julgamento qualquer suspeito que recuse cooperar. Antes de essa decisão ser tomada, o suspeito tem o direito a ser ouvido pela autoridade de emissão (é autorizado o recurso a transmissões telefónicas ou por vídeo entre os dois Estados-Membros em causa).

Consultas e análise de impacto

No âmbito do processo de consulta que antecede a adopção de um instrumento legislativo no domínio da cooperação judiciária em matéria penal, a Comissão redigiu o Livro Verde sobre o reconhecimento mútuo das medidas de controlo não privativas de liberdade tomadas antes do julgamento.

Segundo uma análise de impacto sobre o valor acrescentado desta iniciativa, o procedimento permitirá estender o direito à liberdade e à presunção de inocência a toda a UE, bem como reduzir os custos ligados à detenção.

Baseando-se, designadamente, neste processo de consulta e de análise de impacto, a Comissão adoptou, a 13 de Dezembro de 2006, a proposta de decisão do Conselho.

REFERÊNCIAS E PROCEDIMENTO

PropostaJornal OficialProcedimento
COM(2006) 468 final-Consulta CNS/2006/158
 
Última modificação: 17.07.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página