RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Programa específico Justiça Penal (2007-2013)

A presente decisão cria o programa específico Justiça Penal. Este programa constitui um dos cinco pilares do programa geral sobre Direitos Fundamentais e Justiça, cujo objectivo é a instituição de um verdadeiro espaço de liberdade, de segurança e de justiça dentro da União Europeia (UE). O programa Justiça Penal deverá melhorar a cooperação e a confiança entre as autoridades judiciárias e as profissões jurídicas dos países da UE.

ACTO

Decisão 2007/126/JAI do Conselho, de 12 de Fevereiro de 2007, que cria, para o período de 2007 a 2013, no âmbito do Programa Geral sobre Direitos Fundamentais e Justiça, o programa específico Justiça Penal.

SÍNTESE

A presente decisão cria o programa específico Justiça Penal. Este programa é um dos cinco programas específicos que constituem o programa geral sobre Direitos Fundamentais e Justiça, elaborado com o propósito de instituir um verdadeiro espaço de liberdade, de segurança e de justiça dentro da União Europeia (UE).

Este programa Justiça Penal abrange o período compreendido entre 1 de Janeiro de 2007 e 31 de Dezembro de 2013.

Objectivos gerais

O programa Justiça Penal pretende criar um espaço judiciário europeu. Persegue os seguintes quatro objectivos gerais:

  • promover a cooperação judiciária em matéria penal;
  • tornar os sistemas judiciários dos países da UE mais compatíveis entre eles e entre eles e o da UE;
  • melhorar os contactos e o intercâmbio de informações e melhores práticas entre as autoridades judiciárias e administrativas e as profissões jurídicas, bem como promover a formação dos membros do sector judiciário;
  • aumentar a confiança entre as autoridades judiciárias.

Objectivos específicos

Mais precisamente, o programa Justiça Penal procura favorecer a cooperação judiciária em matéria penal a fim de:

  • promover o reconhecimento mútuo das decisões judiciais;
  • aproximar os sistemas judiciários dos países da UE em matéria penal, em especial relativamente a processos de criminalidade grave e com dimensão transfronteiras;
  • estabelecer normas mínimas relativas a aspectos do processo penal;
  • evitar os conflitos de competência;
  • melhorar o intercâmbio de informações através, por exemplo, de um sistema informatizado de troca de informações sobre os registos criminais nacionais;
  • apoiar a protecção das pessoas envolvidas em processos penais e a assistência às vítimas;
  • incrementar a cooperação dos países da UE com a Eurojust;
  • incentivar as medidas de re-socialização dos delinquentes.

O programa visa igualmente atingir os seguintes objectivos específicos:

  • melhorar o conhecimento recíproco dos sistemas jurídicos e judiciários dos países da UE e promover as redes, a cooperação e o intercâmbio de informações e melhores práticas;
  • garantir a aplicação correcta e a avaliação das acções da UE no domínio da cooperação judiciária em matéria penal;
  • informar melhor o público sobre os sistemas jurídicos dos países da UE e sobre o acesso à justiça;
  • promover a formação em direito comunitário dos profissionais implicados no trabalho judiciário;
  • melhorar a compreensão mútua entre os países da UE, a fim de instaurar as bases de uma confiança mútua;
  • estabelecer um sistema informatizado de intercâmbio de informações sobre os registos criminais e examinar a possibilidade de desenvolver outras formas de intercâmbio de informações.

Acções elegíveis

O programa Justiça Penal apoia diversas iniciativas, entre as quais:

  • as acções organizadas pela Comissão, como trabalhos de investigação, execução de projectos específicos, elaboração de indicadores e de metodologias, desenvolvimento de redes de peritos nacionais, ou ainda divulgação de informações;
  • os projectos transnacionais apresentados por vários países da UE em colaboração (pelo menos dois países da UE, ou, pelo menos, um país da UE e um país em vias de adesão ou um país candidato);
  • as actividades de organizações não governamentais (ONG) ou de outras entidades que tenham objectivos de interesse geral europeu;
  • as despesas da Rede Europeia de Formação Judiciária que pode obter uma subvenção de funcionamento no âmbito do programa Justiça penal;
  • os projectos nacionais dos países da UE, que podem ser apoiados individualmente ao abrigo deste programa, em determinadas condições.

Grupos-alvo e participantes

O programa tem por destinatários, designadamente, as profissões jurídicas, as autoridades nacionais e os cidadãos da União em geral.

Podem participar no programa os organismos públicos ou privados, incluindo organizações profissionais, universidades, centros de investigação e de formação, as profissões jurídicas, as ONG e, finalmente, as organizações com fins lucrativos embora sob reserva de certas condições.

Os países não pertencentes à UE e as organizações internacionais só podem participar nos projectos transnacionais na qualidade de parceiros.

Tipos de financiamento da UE

Há dois tipos de financiamento da UE previstos ao abrigo do programa, a saber:

  • Subvenções, que são normalmente atribuídas na sequência de convites à apresentação de propostas, assumem a forma de subvenções de funcionamento e de subvenções de acção. O programa de trabalho anual deve especificar a taxa mínima das despesas anuais a ser afectada às subvenções, que é de, pelo menos, 65 %. Deve igualmente especificar a taxa máxima de co-financiamento dos projectos;
  • Contratos públicos, que estão previstos para medidas de acompanhamento como a aquisição de bens e serviços, nomeadamente as despesas de informação e de comunicação, a preparação e o acompanhamento de projectos, políticas, programas e legislação.

Medidas de execução

A Comissão concede o apoio financeiro em conformidade com o Regulamento Financeiro aplicável ao orçamento geral da UE. Aprova igualmente um programa de trabalho anual que precisa os objectivos específicos, as prioridades temáticas e as medidas de acompanhamento financiadas por intermédio dos contratos públicos.

A avaliação e a atribuição das subvenções têm em conta diversos critérios, entre os quais:

  • a conformidade com o programa de trabalho anual, os quatro objectivos gerais, os objectivos específicos e as acções elegíveis;
  • a qualidade da acção;
  • o montante de financiamento da UE solicitado;
  • a relação entre os resultados esperados e os objectivos gerais, os objectivos específicos e as acções elegíveis.

A concessão de subvenções de funcionamento a acções desenvolvidas por ONG ou pela Rede Europeia de Formação Judiciária está igualmente sujeita a determinados critérios.

Complementaridade com outros programas

É desejável criar sinergias com outros programas como, por exemplo:

Acompanhamento e avaliação

A fim de permitir que a Comissão acompanhe a realização das acções financiadas pelo programa, o beneficiário do financiamento deve:

  • apresentar relatórios técnicos e financeiros sobre a evolução dos trabalhos, bem como um relatório final no prazo de três meses a contar da conclusão da acção financiada;
  • durante um período de cinco anos a contar do último pagamento respeitante à acção, manter à disposição da Comissão documentos justificativos das despesas.

A Comissão, por sua vez, deve:

  • supervisionar e controlar financeiramente as acções decorrentes do programa, se necessário através de verificações no local. O Tribunal de Contas poderá igualmente realizar auditorias para verificação da boa execução das despesas;
  • assegurar que o montante, as condições de concessão da assistência financeira e o calendário sejam ajustados;
  • providenciar no sentido de que seja tomada qualquer outra medida necessária para verificar se as acções estão a ser realizadas correctamente.

A Comissão deve aplicar medidas para prevenir a fraude, a corrupção e todas as outras actividades ilícitas. Efectuará controlos, cobrará montantes pagos indevidamente e, no caso de serem detectadas irregularidades, aplicará sanções.

A Comissão controlará e avaliará o programa de forma regular, independente e externa. Publicará todos os anos uma lista das acções financiadas ao abrigo do programa.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial

Decisão 2007/126/JAI

24.2.2007

-

JO L 58, 24.2.2007

Última modificação: 18.05.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página