RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Entrada e residência de trabalhadores altamente qualificados (cartão azul UE)

A presente directiva aborda as condições de entrada de nacionais altamente qualificados de países terceiros. Cria um «cartão azul europeu» e determina as condições e os direitos de residência no Estado-Membro que emite o cartão e nos outros Estados-Membros.

ACTO

Directiva 2009/50/CE do Conselho, de 25 de Maio de 2009, relativa às condições de entrada e de residência de nacionais de países terceiros para efeitos de emprego altamente qualificado.

SÍNTESE

A presente directiva tem por objecto melhor a capacidade da União Europeia (UE) para atrair trabalhadores altamente qualificados provenientes de países terceiros. Tem como objectivo, não apenas reforçar a competitividade no contexto da Estratégia de Lisboa, mas também limitar a fuga de cérebros. Destina-se a:

  • facilitar a admissão destas pessoas, harmonizando as condições de entrada e de residência em toda a UE;
  • simplificar os processos de admissão;
  • melhorar o estatuto legal dos nacionais de países terceiros que já se encontrem na UE.

A directiva aplica-se a nacionais altamente qualificados de países terceiros que pretendam ser admitidos no território de um Estado-Membro durante mais de três meses para efeitos de emprego, bem como aos seus familiares.

Condições de entrada

Para obter permissão de entrada na UE, o requerente deve apresentar:

  • um contrato de trabalho ou uma oferta vinculativa de emprego com um salário de, pelo menos, 1,5 vezes o salário anual bruto médio no Estado-Membro em causa (os Estados-Membros podem reduzir o limiar salarial para 1,2 vezes o salário anual bruto médio em determinadas profissões particularmente necessitadas de trabalhadores de países terceiros);
  • um documento de viagem válido e uma autorização de residência válida ou um visto nacional de longa duração;
  • um comprovativo de seguro de doença;
  • para profissões regulamentadas, os documentos que atestem que o requerente cumpre os requisitos legais e, para profissões não regulamentadas, os documentos comprovativos de qualificações profissionais elevadas relevantes.

Adicionalmente, o requerente não deve ser considerado pelo Estado-Membro em causa como uma ameaça para a ordem pública. Poderá igualmente ser necessária a indicação do endereço nesse Estado-Membro.

Os Estados-Membros determinarão o número de nacionais de países terceiros que estão dispostos a admitir.

Processo de admissão, emissão e retirada do cartão azul UE

Os Estados-Membros têm a liberdade de decidir se o pedido do cartão azul UE tem de ser realizado pelo nacional do país terceiro e/ou pelo seu empregador. Se o requerente preencher as condições acima indicadas e as autoridades nacionais decidirem admiti-lo, ser-lhe-á emitido um cartão azul UE válido por um período normal de um a quatro anos. O pedido será aceite ou indeferido num prazo de 90 dias a contar da data da sua apresentação. Se o pedido for aceite, serão concedidas ao requerente todas as facilidades para obtenção dos vistos necessários.

O pedido de um cartão azul UE pode ser indeferido se tiver sido apresentado com base em documentos falsos ou obtidos de modo fraudulento ou se, dada a situação do mercado de trabalho, o Estado-Membro decidir dar prioridade a:

O pedido pode também ser indeferido por motivos de volumes de admissão determinados pelo Estado-Membro, recrutamento ético ou se o empregador tiver sido condenado por trabalho clandestino ou emprego ilegal.

O cartão azul UE pode ser retirado se o seu titular não possuir recursos suficientes para assegurar a sua subsistência e a dos seus familiares sem recorrer ao sistema de assistência social ou se estiver desempregado durante mais de três meses consecutivos ou mais de uma vez durante o período de validade do cartão.

Direitos e residência noutros Estados-Membros

Com este cartão, os nacionais de países terceiros e as suas famílias podem:

  • entrar, reentrar e permanecer no Estado-Membro emissor do cartão e atravessar outros Estados-Membros;
  • trabalhar no sector em questão;
  • beneficiar de tratamento igual ao dos nacionais no que diz respeito, por exemplo, a condições de trabalho, segurança social, pensões, reconhecimento de diplomas, educação e formação profissional.

Após dois anos de emprego legal, podem receber tratamento igual ao dos nacionais no que diz respeito ao acesso a qualquer emprego altamente qualificado. Após 18 meses de residência legal, podem deslocar-se para outro Estado-Membro para aí aceitar um emprego altamente qualificado (em função dos limites determinados pelo Estado-Membro em termos de número de não nacionais aceites).

O processo de admissão é equivalente ao processo de admissão no primeiro Estado-Membro. No entanto, um titular do cartão azul UE e a sua família podem entrar e permanecer livremente num segundo Estado-Membro, desde que notifiquem as autoridades desse país num prazo de um mês a contar da data da sua chegada. O segundo Estado-Membro pode decidir não autorizar o nacional de um país terceiro a trabalhar até que seja tomada uma decisão positiva sobre o seu pedido. No entanto, o pedido pode ser apresentado às autoridades do segundo Estado-Membro enquanto o titular do cartão azul UE estiver ainda a residir e trabalhar no primeiro Estado-Membro.

Obrigações de aplicação e elaboração de relatórios

A partir de 2013, a Comissão recolherá anualmente junto dos Estados-Membros estatísticas relativas ao número de nacionais de países terceiros a quem tenha sido emitido, renovado, retirado ou recusado um cartão azul UE, respectivas nacionalidades e actividades, e famílias. A partir de 2014, a Comissão apresentará ao Parlamento Europeu e ao Conselho, de três em três anos, um relatório sobre a aplicação desta directiva e efectuará propostas de alterações que considere necessárias.

Antecedentes

No seu plano de acção sobre a migração legal, apresentado a 21 de Dezembro de 2005, a Comissão elaborou cinco propostas legislativas relacionadas com diferentes categorias de nacionais de países terceiros. A presente directiva é a primeira destas propostas.

REFERÊNCIAS

Acto Entrada em vigor Data-limite para a transposição nos Estados-Membros Jornal Oficial
Directiva 2009/50/CE

19.6.2009

19.6.2011

JO L 155 de 18.6.2009

Última modificação: 18.08.2009
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página