RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Luta contra o tráfico de seres humanos

Arquivos

A presente decisão-quadro tem como objectivo aproximar as disposições legislativas e regulamentares dos Estados-Membros no domínio da cooperação policial e judiciária em matéria penal, a fim de lutar contra o tráfico de seres humanos. A decisão-quadro visa introduzir um quadro de disposições comuns a nível europeu para a abordagem de questões como a incriminação, as sanções, as circunstâncias agravantes, a competência e a extradição.

ACTO

Decisão-quadro 2002/629/JAI do Conselho, de 19 de Julho de 2002, relativa à luta contra o tráfico de seres humanos.

SÍNTESE

Desde a adopção pelo Conselho, em 1997, de uma acção comum relativa à luta contra o tráfico de seres humanos e a exploração sexual de crianças, as iniciativas multiplicaram-se tanto a nível nacional como regional. O Plano de Acção de Viena e as conclusões do Conselho Europeu de Tampere preconizavam, no entanto, a adopção de disposições complementares que permitissem regular melhor certos aspectos de direito penal e de procedimento penal.

Além disso, em Dezembro de 2000, por ocasião da conferência de assinatura que teve lugar em Palermo, o Comissário António Vitorino assinou, em nome da Comunidade, a Convenção das Nações Unidas contra a criminalidade organizada transnacional, bem como os protocolos anexos relativos à luta contra o tráfico de pessoas e ao tráfico de migrantes por via terrestre, aérea e marítima.

Com a presente decisão-quadro, a Comissão pretendeu completar os instrumentos destinados a lutar contra o tráfico de seres humanos já existentes, nomeadamente:

A Comissão trata, pois, o tráfico de seres humanos como sendo um crime contra a pessoa, que tem por objecto a exploração da própria pessoa.

O artigo 1º da decisão-quadro apresenta a definição de tráfico de seres humanos para fins de exploração da sua força de trabalho ou de exploração sexual. Os Estados-Membros devem punir todas as formas de recrutamento, transporte, transferência ou alojamento de uma pessoa privada dos seus direitos fundamentais. Por conseguinte, são puníveis todos os comportamentos criminosos que impliquem o abuso da situação de vulnerabilidade física ou mental de uma pessoa.
O consentimento da vítima não é relevante sempre que o autor da infracção tenha um dos comportamentos típicos que, na acepção da decisão-quadro, deverão entender-se por exploração, a saber:

  • O recurso à coacção, à força ou a ameaças, incluindo o rapto.
  • O recurso a estratagemas ou à fraude.
  • O abuso de autoridade, de influências ou o exercício de pressão.
  • A oferta de compensações económicas.

São puníveis o incitamento ao tráfico de seres humanos e a cumplicidade em tais actos, bem como a tentativa de cometer este crime.

As sanções previstas nas legislações nacionais devem ser "efectivas, proporcionadas e dissuasivas". Ao estipular que a pena máxima privativa de liberdade não é inferior a oito anos, a Comissão permite a aplicação de outros instrumentos legislativos já adoptados em matéria de cooperação judiciária e policial, como a Acção Comum 98/699/JAI, relativa à identificação, detecção, congelamento, apreensão e perda de produtos do crime, e a Acção Comum 98/733/JAI relativa à incriminação da participação numa organização criminosa. A pena privativa de liberdade supramencionada só é aplicável se se verificarem certas circunstâncias, nomeadamente:

  • A vida da vítima foi posta em perigo.
  • A vítima era particularmente vulnerável (por exemplo, devido à sua idade).
  • A realização da infracção no âmbito de uma actividade criminosa, tal como definida na Acção Comum 98/733/JAI.

Além disso, a decisão-quadro introduz o conceito de responsabilidade penal e civil das pessoas colectivas, paralelamente à das pessoas singulares. As pessoas colectivas são responsáveis se a infracção for cometida em seu benefício por terceiros que ajam a título individual ou enquanto membros de um órgão da pessoa colectiva, ou que exerçam um poder de decisão.

As sanções aplicáveis às pessoas colectivas são "efectivas, proporcionadas e dissuasivas", compreendendo multas e coimas, bem como sanções específicas, como a proibição temporária ou definitiva de exercício da actividade comercial, a dissolução por decisão judicial ou a exclusão do benefício de vantagens ou auxílios públicos.

As crianças vítimas de tráfico beneficiam de especial atenção, em conformidade com a Decisão-quadro 2001/220/JAI relativa ao estatuto da vítima em processo penal.

Para evitar que o crime não seja punido por conflito de competências, a decisão introduz critérios de atribuição. Os Estados têm poder de jurisdição quando:

  • A infracção for cometida no seu território (princípio da territorialidade).
  • O autor da infracção for um nacional do Estado-Membro em questão (princípio da personalidade activa).
  • A infracção for cometida em benefício de uma pessoa colectiva estabelecida no território desse Estado-Membro.

O segundo critério é especialmente importante para os Estados que recusem a extradição dos seus nacionais já que, nesse caso, devem tomar as medidas necessárias para iniciar acções penais contra os seus nacionais por infracções cometidas fora do seu território.

A presente decisão-quadro revoga a Acção Comum 97/154/JAI no que diz respeito à parte relativa à luta contra o tráfico de seres humanos.

A decisão-quadro é aplicável a Gibraltar.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Decisão-quadro 2002/629/JAI1.8.20021.8.2004JO L 203 de 1.8.2002

ACTOS RELACIONADOS

Relatório da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu de 02 de maio de 2006 apresentado nos termos do artigo 10.º da decisão-quadro do Conselho, de 19 de Julho de 2002, relativa à luta contra o tráfico de seres humanos [COM(2006) 187 final - Não publicada no Jornal Oficial].

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho de 18 de outubro de 2005 - Luta contra o tráfico de seres humanos : uma abordagem integrada e propostas para um plano de acção [COM(2005) 514 final - Não publicada no Jornal Oficial].
Esta comunicação visa reforçar o empenho da União Europeia (EU) na prevenção e no combate ao tráfico de seres humanos. A Comissão tenciona reforçar ainda mais o compromisso assumido pela UE e os Estados-Membros para prevenir e combater o tráfico de seres humanos para fins de exploração sexual ou do seu trabalho, bem como para favorecer a protecção, o apoio e a reabilitação das vítimas deste tráfico. A Comissão considera que o tráfico de seres humanos não pode ser combatido eficazmente sem uma abordagem integrada baseada no respeito dos direitos humanos e que tenha em conta o carácter mundial do fenómeno. Assim, esta abordagem apela a uma acção política coordenada, nomeadamente nos domínios da liberdade, segurança e justiça, relações externas, cooperação para o desenvolvimento, emprego, igualdade entre homens e mulheres e não-discriminação.

Última modificação: 03.03.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página