RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 8 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Intensificação da luta contra o terrorismo

A presente comunicação apresenta várias medidas para intensificar a luta contra o terrorismo. Adoptadas por unanimidade, as propostas destinam-se nomeadamente a criminalizar o terrorismo e a incentivar a cooperação entre os Estados-Membros.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho, de 6 Novembro 2007, intitulada "Intensificação da luta contra o terrorismo" [COM(2007) 649 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Apesar dos progressos obtidos na luta contra o terrorismo, os terroristas adaptam-se às medidas que lhes fazem frente e utilizam as tecnologias (telefonia móvel e Internet) como instrumentos de propaganda, formação, recrutamento, financiamento e planificação de atentados.

A Europol e a Eurojust têm um papel decisivo na luta antiterrorista. No entanto, a colaboração entre a União Europeia (UE), os Estados-Membros, os países parceiros e as organizações internacionais continua a ser fundamental.

A presente comunicação propõe medidas de execução da estratégia da UE em matéria de luta contra o terrorismo, bem como da estratégia antiterrorista mundial (ES) (FR) das Nações Unidas. Inclui uma lista das acções a abranger, nomeadamente:

  • Entravar a radicalização violenta e o acesso dos terroristas aos respectivos recursos financeiros.
  • Proteger as infra-estruturas vitais e a segurança dos transportes urbanos.
  • Melhorar as trocas de informação e a detecção de ameaças.
  • Reagir às ameaças nucleares, radiológicas, biológicas e químicas (NRBQ).
  • Dar apoio às vítimas.
  • Fomentar a investigação e o desenvolvimento tecnológico.

Entravar a radicalização violenta e o acesso aos recursos financeiros

Para conter a radicalização violenta, é necessário compreender as motivações. Assim, a Comissão:

  • Define uma política para identificar e tratar os factores que contribuem para este fenómeno.
  • Financia estudos, conferências e projectos que permitem a partilha de experiências.
  • Estuda os factores que desencadeiam a radicalização, as ideologias radicais e os métodos de recrutamento, no âmbito da estratégia anti-radicalização (castellanodeutschenglishfrançais).

A Comissão incentiva a intensificação dos esforços para que os terroristas não possam aceder aos seus recursos financeiros, bem como a cooperação das unidades de informação financeira a nível europeu. A sua colaboração com os Estados-Membros permitirá aperfeiçoar a formação dos inspectores financeiros e os meios para congelar e confiscar os bens dos terroristas.

Protecção das infra-estruturas vitais e segurança dos transportes

A protecção das infra-estruturas (estradas, caminhos-de-ferro, pontes, centrais eléctricas, etc.) é essencial, visto que o nível de segurança de cada Estado depende do nível assegurado pelos países vizinhos. Embora a UE fixe normas mínimas de segurança e suprima as vulnerabilidades, os Estados-Membros continuam a ser responsáveis pela protecção das suas próprias infra-estruturas.

A Comissão avaliou os meios para aumentar a segurança dos transportes urbanos, mantendo a integralidade dos serviços. Criou igualmente um grupo de peritos de segurança para facilitar a cooperação entre os Estados-Membros, as autoridades nacionais e os operadores em causa.

Melhorar as trocas de informação e a detecção de ameaças

A troca de informações, respeitando a protecção dos dados, foi objecto de diversas iniciativas, entre as quais:

  • Uma directiva que impõe aos fornecedores de telecomunicações e de Internet a conservação dos seus dados.
  • A definição do princípio da disponibilidade, que permite que as autoridades dos Estados-Membros tenham acesso às bases de dados de registo dos veículos, de impressões digitais e de ADN dos Estados-Membros.
  • O sistema de informação sobre vistos (VIS (castellanodeutschenglishfrançais)), que vai tornar possível a consulta de todos os dados da polícia, das autoridades repressivas e da Europol.

Por intermédio do seu Livro Verde (castellanodeutschfrançais) sobre as tecnologias de detecção, a Comissão preconiza também a utilização de tecnologias de detecção seguras, acessíveis, de preço razoável e reconhecidas, para que as autoridades responsáveis pela segurança façam um trabalho eficaz.

Armas nucleares, radiológicas, biológicas e químicas "NRBQ"

Para impedir que os terroristas tenham acesso a armas NRBQ:

  • A Comissão emitiu um Livro Verde sobre a biopreparação (pdf ).
  • Os profissionais de serviços repressivos, da ciência e da saúde redigem actualmente um manual que enumera as medidas de preparação e de intervenção.
  • A Comissão apresentará em 2009 um conjunto de propostas.

Apoio às vítimas do terrorismo

A Comissão promove a solidariedade com as vítimas e presta-lhes assistência através de subvenções às organizações que representam os seus interesses. Financia também projectos que ajudam, na medida do possível, as vítimas a retomar a vida que tinham antes do ataque.

Investigação e desenvolvimento tecnológico

A UE tomou numerosas iniciativas em matéria de investigação e de desenvolvimento tecnológico, nomeadamente:

  • A acção preparatória relativa à investigação em matéria de segurança (PASR (castellanodeutschenglishfrançais)), que já financiou 39 projectos.
  • O sétimo programa-quadro de investigação (FP7), que incide sobre a detecção de explosivos, a protecção contra o terrorismo NRBQ, a gestão das crises e a protecção das infra-estruturas vitais.
  • O Fórum Europeu de Investigação e Inovação em matéria de Segurança (ESRIF) que fornece a tecnologia e os conhecimentos aos decisores envolvidos e instaura a agenda conjunta de investigação em matéria de segurança.

Novo conjunto de propostas para intensificar a luta contra o terrorismo

Para intensificar a luta contra o terrorismo, a Comissão criminaliza os terroristas que fazem propaganda, financiam atentados ou ensinam como se fabricam explosivos. Propõe a alteração da decisão-quadro para que os Estados-Membros passem a considerar estas actividades como infracções graves, impondo-lhes sanções penais.

No intuito de impedir o acesso aos explosivos e a sua utilização, a Comissão propõe a criação de sistema de alerta em caso de roubo ou desaparecimento de explosivos, de uma rede de peritos para neutralizar e desactivar bombas, bem como uma habilitação do pessoal da indústria de explosivos.

Para uma cooperação eficiente, a UE criou um sistema de troca de dados, o "Passenger Name Record" (PNR). A partir de agora, os Estados-Membros devem recolher, tratar e trocar os seus dados PNR.

A Comissão adopta neste momento o seu relatório sobre a aplicação da decisão-quadro relativa à luta contra o terrorismo, para conseguir que os Estados-Membros mostrem mais empenho na transposição das disposições adoptadas em 2002 para apoiar o trabalhos das respectivas forças policiais, procuradores e juízes.

Última modificação: 11.01.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página