RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Intercâmbio de informações, avaliação de riscos e controlo de novas substâncias psicoactivas

Esta decisão institui um mecanismo de intercâmbio rápido de informações sobre as novas substâncias psicoactivas, prevê uma avaliação dos riscos por um comité científico e um procedimento europeu para sujeitar novas substâncias a controlo. Substitui a acção comum de 1997 sobre as novas drogas sintéticas.

ACTO

Decisão 2005/387/JAI do Conselho, de 10 de Maio de 2005, relativa ao intercâmbio de informações, avaliação de riscos e controlo de novas substâncias psicoactivas.

SÍNTESE

A presente decisão institui um mecanismo de intercâmbio rápido de informações sobre novas substâncias psicoactivas. Revoga a Acção Comum 97/396/JAI exclusivamente sobre as novas drogas sintéticas. Com efeito, a avaliação da Comissão da acção comum de 1997, prevista no plano de acção da União Europeia em matéria de luta contra a droga (2000-2004), mostrou que a acção comum deve ser reforçada e redefinida.

Esta decisão tem em conta as informações relativas aos efeitos indesejáveis presumidos a notificar no âmbito do sistema de farmacologia estabelecido pelo título IX da Directiva 2001/83/CE. Além disso, prevê uma avaliação dos riscos associados a estas novas substâncias psicoactivas, para que possam ser aplicadas medidas de controlo.

É aplicável às substâncias actualmente não incluídas em qualquer das listas da Convenção Única das Nações Unidas de 1961 sobre os estupefacientes, e que possam constituir uma ameaça para a saúde pública comparável à das substâncias constantes das listas I, II ou IV e da Convenção das Nações Unidas de 1971 sobre substâncias psicotrópicas, e que possam constituir uma ameaça para a saúde pública comparável à das substâncias constantes das listas I, II ou IV.

A União Europeia (UE) deve assegurar que a sua Unidade Nacional da Europol e o seu representante na Rede Europeia de Informação sobre a Droga e a Toxicodependência (REITOX) forneçam informações sobre o fabrico, o tráfego e a utilização de novas substâncias psicoactivas e preparações que contenham novas substâncias psicoactivas.

A Europol e o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT) recolhem as informações recebidas dos países da UE através de um formulário de notificação e comunicam-nas imediatamente às Unidades Nacionais Europol, aos representantes da REITOX dos países da UE, à Comissão Europeia e à Agência Europeia de Avaliação dos Medicamentos (AEAM).

Se a Europol e o OEDT considerarem necessário, face às informações fornecidas pelos países da UE, podem apresentar um relatório conjunto que deve incluir, designadamente, informações sobre o envolvimento da criminalidade organizada no fabrico ou no tráfego da nova substância psicoactiva, uma primeira indicação dos riscos associados a esta substância, incluindo os riscos sociais e para a saúde, bem como sobre as características dos utilizadores, a data da notificação da nova substância psicoactiva ao OEDT ou à Europol, etc.

A AEAM apresenta à Europol e ao OEDT informações sobre se na UE ou em algum país da UE:

  • a nova substância psicoactiva obteve uma autorização de introdução no mercado;
  • a nova substância foi objecto de um pedido de autorização de introdução no mercado;
  • foi suspensa alguma autorização de introdução de uma nova substância psicoactiva no mercado.

O Conselho, tendo em conta o parecer da Europol e do OEDT, pode solicitar que sejam avaliados os riscos sociais e para a saúde causados pela utilização, fabrico e tráfico de uma nova substância psicoactiva, o envolvimento da criminalidade organizada e as eventuais consequências das medidas de controlo.

Este relatório de avaliação de riscos inclui as características psicoquímicas da nova substância psicoactiva, os riscos sociais e para a saúde associados à nova substância psicoactiva, os precursores químicos utilizados no fabrico da substância, etc.

Não são efectuadas avaliações de riscos na falta de um relatório conjunto da Europol e do OEDT nem se a nova substância psicoactiva em questão estiver numa fase avançada de avaliação no sistema das Nações Unidas, nomeadamente quando o Comité de Peritos em Toxicodependência da Organização Mundial da Saúde tenha publicado a sua recensão crítica acompanhada de uma recomendação escrita. Não é efectuada qualquer avaliação se a nova substância psicoactiva for utilizada para fabricar um medicamento objecto de uma autorização ou de um pedido de autorização de introdução no mercado. Também não há avaliação se a nova substância psicoactiva for utilizada para fabricar um medicamento objecto de uma autorização de introdução no mercado que foi suspensa.

No prazo de seis semanas a contar da data de recepção do relatório de avaliação de riscos, a Comissão apresenta ao Conselho uma iniciativa para sujeitar a nova substância psicoactiva a medidas de controlo. Se a Comissão não considerar necessário apresentar essa iniciativa, a mesma pode ser apresentada ao Conselho por um ou mais países da UE.

Se o Conselho decidir sujeitar uma nova substância psicoactiva a medidas de controlo, os países da UE devem esforçar-se por adoptar as medidas necessárias para sujeitar o novo psicotrópico às medidas de controlo e às sanções penais previstas na legislação em cumprimento das suas obrigações decorrentes da Convenção das Nações Unidas de 1971 sobre substâncias psicotrópicas e da Convenção Única das Nações Unidas de 1961 sobre os estupefacientes.

O OEDT e a Europol apresentam ao Parlamento Europeu, ao Conselho e à Comissão um relatório anual sobre a eficácia e os resultados do sistema instituído pela presente decisão.

Os países da UE e a AEAM asseguram um intercâmbio de informações adequado entre o mecanismo instituído pela presente decisão e os sistemas de fármaco-vigilância definidos e instituídos ao abrigo do Título VII da Directiva 2001/82/CE e do Título IX da Directiva 2001/83/CE.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigorTransposição nos Estados-MembrosJornal Oficial

Decisão 2005/387/JAI

10.5.2005

-

JO L 127, 20.5.2005

Última modificação: 30.05.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página