RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Novo quadro para os serviços de comunicações electrónicas

1) OBJECTIVO

Apresentar uma revisão da regulamentação da União Europeia no domínio das telecomunicações e propor os principais elementos de um novo quadro para as infra-estruturas de comunicações e serviços associados.

2) ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social e ao Comité das Regiões, de 10 de Novembro de 1999 - Para um novo quadro das infra-estruturas das comunicações electrónicas e serviços conexos - Análise das comunicações - 1999 [COM(1999) 539 final, 10.11.1999 - Não publicado no Jornal Oficial].

3) SÍNTESE

A liberalização do mercado europeu da comunicações culminou em 1de Janeiro de 1998 com a plena liberalização de todas as redes e serviços de telecomunicações na maioria dos Estados-Membros da União Europeia. Os progressos tecnológicos, a inovação nas ofertas dos serviços, a diminuição dos preços e o aumento da qualidade, resultantes da introdução da concorrência, constituíram a base da transição para a sociedade da informação na Europa. A convergência dos sectores das telecomunicações, da radiodifusão e das TI está a transformar o mercado das comunicações, incluindo-se aqui a convergência das comunicações fixas, móveis, terrestres e via satélite e ainda a convergência das comunicações com os sistema de determinação da posição. No que respeita à infra-estrutura das comunicações e serviços conexos, a convergência torna cada vez mais obsoleta a tradicional separação das competências regulamentares entre estes sectores e exige um regime regulamentar coerente e consistente.

Neste contexto, a comunicação inicia uma revisão do actual quadro regulamentar das telecomunicações, respondendo à necessidade de uma abordagem mais horizontal da regulamentação das infra-estruturas de comunicações evidenciada pela consulta relativa à convergência. Tem igualmente em conta ideias essenciais decorrentes, por exemplo, da consulta relativa ao Livro Verde Espectro de Radiofrequências, do relatório sobre o desenvolvimento do mercado da televisão digital na União Europeia e do quinto relatório sobre a aplicação do pacote regulamentar das telecomunicações.

São cinco os princípios que servem de base ao novo quadro regulamentar e de orientação para a acção regulamentar a nível comunitário e nacional. Assim, a futura regulamentação deve:

  • Basear-se em objectivos políticos claramente definidos.
  • Limitar-se ao mínimo necessário para atingir os objectivos (introduzindo, por exemplo, mecanismos destinados a reduzir a regulamentação sempre que os objectivos políticos sejam realizados através da concorrência).
  • Reforçar a segurança jurídica num mercado dinâmico.
  • Procurar ser tecnologicamente neutra (não impor nem favorecer de modo discriminatório a utilização de um dado tipo de tecnologia, mas garantir que o mesmo serviço seja regulamentado de modo equivalente, independentemente dos meios utilizados no seu fornecimento).
  • Ser aplicada tão próximo quanto possível das actividades que abrangem (independentemente de ter sido acordada a nível mundial, regional ou nacional).

Tendo em conta estes cinco princípios, a Comissão vê o novo quadro regulamentar estruturado segundo os seguintes eixos:

  • Legislação comunitária específica do sector - consiste numa directiva-quadro que identifica objectivos políticos gerais e específicos e quatro directivas específicas relativas a licenciamento, acesso e interligação, serviço universal e ainda protecção da privacidade e dos dados (tal representa uma simplificação substancial do actual quadro, reduzindo o número de actos legislativos de vinte para seis).
  • Medidas de acompanhamento não vinculativas.
  • Regras da concorrência - as regras gerais da concorrência terão maior peso, permitindo que grande parte da regulamentação sectorial ceda lugar a uma concorrência cada vez mais efectiva.

Em paralelo, as directivas decorrentes do Artigo 86º do Tratado serão simplificadas e codificadas sob a forma de uma única norma jurídica.

Com base nestes princípios gerais, a comunicação define as posições provisórias da Comissão em cada uma destas áreas e convida todos os interessados a apresentarem as suas opiniões sobre as propostas até 15 de Fevereiro de 2000. À luz dos comentários recebidos, a Comissão elaborará propostas de alteração do quadro actual durante a primeira metade do ano 2000.

  • No que respeita à legislação vinculativa específica do sector, o futuro quadro regulamentar prevê a elaboração de uma nova directiva-quadro que, inter alia, deve:
  • Identificar objectivos políticos específicos para os Estados-Membros.
  • Garantir os direitos específicos dos consumidores (p.ex., processos de resolução de litígios, números de chamadas de emergência, melhoria da transparência e do acesso à informação, etc).
  • Assegurar um nível de interoperabilidade adequado dos serviços e equipamentos de comunicações.
  • Definir os direitos, responsabilidades, poderes e processos de tomada de decisões das ERN (Entidades Reguladoras Nacionais).
  • Definir e adoptar regras para os novos Comité da Comunicações e Grupo de Alto Nível das Comunicações.

A directiva-quadro será acompanhada de quatro directivas específicas decorrentes do artigo 95º do Tratado:

  • Directiva relativa a autorizações e licenciamento (castellanodeutschenglishfrançais)(incluindo regras para uma gestão eficaz dos recursos escassos e para o acesso aos mesmos).
  • Directiva relativa à oferta do serviço universal (castellanodeutschenglishfrançais), que incorpora elementos das actuais Directiva Telefonia Vocal e Directiva Interligação.
  • Directiva relativa ao acesso e interligação (castellanodeutschenglishfrançais) (baseada nas actuais Directiva Interligação e Directiva Normas de Televisão).
  • Directiva relativa ao tratamento dos dados pessoais e à protecção da privacidade no sector das comunicações electrónicas (directiva actualizada e clarificada para ter em conta o desenvolvimento tecnológico).

Por seu lado, o direito da concorrência será cada vez mais importante neste sector, até substituir o essencial da regulamentação sectorial, quando a concorrência se implantar definitivamente no mercado.

A comunicação propõe ainda alterações de substância da legislação existente, para fazer face a questões que serão importantes para o novo quadro regulamentar.
Tais alterações incidem nos aspectos a seguir indicados.

Licenças e autorizações

A Comissão insiste na necessidade de reduzir as barreiras administrativas à entrada de novos operadores, com vista à promoção de um mercado europeu concorrencial dos serviços de telecomunicações.
Concretamente, a Comissão propõe:

  • A utilização de autorizações gerais como base para o licenciamento de redes e serviços de comunicações, reservando as autorizações específicas para a atribuição de espectro de radiofrequências e números.
  • A aplicação de uma quadro político global e coerente às infra-estruturas de comunicações, incluindo redes de radiodifusão.
  • A garantia de que as taxas das autorizações cobrem apenas custos administrativos justificados e relevantes;.A continuação da autorização de serviços de comunicações que utilizam a Internet em moldes equivalentes aos aplicáveis aos outros serviços de comunicações (ou seja, não produzir regulamentação específica para a Internet).

Acesso e interligação

Na legislação comunitária, « acesso » é um conceito genérico que abrange todas as formas de acesso a redes e serviços publicamente disponíveis, enquanto «interligação» se refere à ligação física e lógica das redes. As regras de acesso e interligação asseguram interoperabilidade e são essenciais para permitir o estabelecimento da concorrência. A Comissão reconhece a importância fundamental da oferta de serviços de acesso e de interligação, pelo que propõe:

  • Manter medidas comunitárias específicas que regem o acesso e a interligação, com base nos novos princípios estabelecidos na Directiva Interligação e Directiva Normas de Televisão.
  • No caso do acesso às infra-estruturas de rede, tornar as entidades reguladoras nacionais (ERN) responsáveis pelo tratamento das questões específicas do acesso; exigir aos proprietários de infra-estruturas com poder de mercado significativo que negoceiem, em condições comerciais, os pedidos de acesso; manter a possibilidade de intervenção das ERN para resolver litígios.
  • No caso da interligação, manter a exigência de orientação para os custos nas directivas (disposições jurídicas), mas interpretar este conceito através de recomendações da Comissão.
  • Elaborar, quando necessário, recomendações sobre o acesso; concretamente, estudar uma recomendação aos Estados-Membros sobre aspectos técnicos e económicos da oferta separada da linha de assinante que liga a residência de um cliente a uma rede de telecomunicações). A Comissão considera que a disponibilidade de acesso separado à linha de assinante reforçará a concorrência e poderá também acelerar a introdução dos serviços de acesso à Internet. Neste contexto, adoptou também, em 24 de Novembro, uma recomendação sobre a interligação das linhas alugadas que, inter alia, encoraja os Estados-Membros a tomar medidas (como a separação das linhas alugadas e a atribuição de licenças para as linhas de assinante sem fios) que farão aumentar a concorrência no acesso à rede local.
  • Alargar o quadro actual da normalização das telecomunicações ao conjunto das infra-estruturas de comunicações e serviços conexos.
  • Oferecer aos utilizadores de comunicações móveis a selecção do transportador (forma de acesso à rede tornada obrigatória para a rede fixa pelo quadro regulamentar actual da interligação), impondo obrigações aos operadores móveis com poder de mercado significativo.

Gestão do espectro de radiofrequências

Dado o grande número e variedade de pedidos concorrentes de utilização do espectro de radiofrequências (castellanodeutschenglishfrançais), não só para telecomunicações mas também para outros fins, como transportes, segurança pública, radiodifusão e I&D, os actuais métodos de reserva e atribuição de frequências e licenças revelam-se ineficazes. Considerando a importância do espectro de radiofrequência para o desenvolvimento dos serviços de comunicações e a disponibilidade limitada deste espectro, a Comissão considera que:

  • A fixação administrativa dos preços e os leilões de espectro de radiofrequências poderão garantir uma utilização eficiente do espectro.
  • As disposições da actual Directiva Licenciamento devem ser alteradas para permitir que os Estados-Membros prevejam o comércio secundário de espectro para encorajar a utilização eficiente do mesmo.

Serviço universal

O actual quadro regulamentar exige que as ERN obriguem os operadores de rede a disponibilizar um conjunto mínimo de serviços com qualidade especificada para todos os cidadãos, independentemente da sua localização geográfica, a preços acessíveis. O serviço universal actualmente definido na legislação comunitária inclui a oferta de telefonia vocal, fax e transmissão de dados em banda vocal através de modem (ou seja, acesso à Internet).
A Comissão reconhece a importância do serviço universal e propõe, inter alia:

  • Manter, nesta fase, a actual definição e âmbito do serviço universal (propondo, ainda assim, a definição de critérios com vista à sua eventual extensão, bem como mecanismos de revisão periódica).
  • Desenvolver princípios para a determinação dos preços a nível da União Europeia, para que o serviço universal tenha preços moderados.

Os interesses dos utilizadores e consumidores

O quadro regulamentar em vigor contém diversas disposições destinadas a proteger os interesses dos utilizadores e dos consumidores em geral. Além disso, existem, a nível da UE, diversas directivas horizontais de protecção dos consumidores aplicáveis a todos os sectores, incluindo o das telecomunicações. Neste sector, a Comissão propõe o seguinte:

  • Actualizar e clarificar a Directiva Protecção dos Dados nas Telecomunicações, para tomar em conta a evolução tecnológica.
  • Tornar obrigatória a extensão do número europeu de chamadas de urgência 112.
  • manter e consolidar as obrigações existentes no que se refere ao processamento de queixas e à resolução de litígios.
  • Aumentar a transparência das informações (nomeadamente sobre tarifas) fornecidas aos consumidores.
  • Exigir que os fornecedores publiquem informações para os seus clientes sobre a qualidade do serviço.
  • Revogar a Directiva Linhas Alugadas (92/44/CE) assim que exista uma escolha adequada de linhas alugadas para todos os utilizadores e que os seus preços sejam concorrenciais.

Numeração e atribuição de nomes e endereços

A legislação comunitária em vigor identifica elementos de uma abordagem harmonizada da numeração e da atribuição de nomes e endereços e sublinha a importância da garantia à escala europeia da interligação de extremo-a-extremo dos utilizadores e da interoperabilidade dos serviços. Neste contexto, a Comissão propõe, nomeadamente:

  • Não adoptar medidas regulamentares específicas, na actual fase, no que se refere à atribuição de nomes e endereços na Internet.
  • Alargar a portabilidade dos números entre operadores aos utilizadores móveis, mas não exigir, na fase actual, a portabilidade dos números entre operadores entre redes fixas e móveis.

Questões específicas da concorrência

A combinação de regras específicas do sector com a aplicação das regras da concorrência facilita a entrada no mercado nos casos em que os operadores históricos continuam a ter posições fortes e serve para garantir que os novos operadores poderão efectivamente concorrer. Assim, a questão essencial é estabelecer um equilíbrio adequado entre regulamentação específica do sector e regras da concorrência. Concretamente, justifica-se que a regulamentação específica do sector recorra mais a conceitos presentes na legislação da concorrência, como o de posição dominante (ver artigo 82º do Tratado), no que se refere, por exemplo, às obrigações de orientação para os custos e de não-discriminação.

Questões institucionais

O modelo regulamentar exposto na comunicação implica claramente uma crescente delegação de tomada de decisões nas ERN, para que o quadro seja aplicado próximo do mercado nos Estados-Membros. Assim, este modelo exige um mecanismo de equilíbrio sob a forma de uma maior coordenação das decisões e das posições das ERN a nível da União Europeia.
Neste contexto, a Comissão propõe:

  • A substituição dos dois actuais comités das telecomunicações por um novo Comité das Comunicações, que se apoiará na competência de um novo Grupo de Alto Nível das Comunicações, em que participam a Comissão e as ERN, para tornar mais coerente a aplicação da legislação comunitária e mais uniforme a aplicação das medidas nacionais.
  • Rever as disposições legais em vigor com vista a reforçar a independência das ERN; garantir uma repartição eficiente de responsabilidades entre as várias instituições a nível nacional; melhorar a cooperação entre as autoridades do sector e as autoridades da concorrência a nível geral e exigir transparência na tomada de decisões a nível nacional.

4) MEDIDAS DE APLICAÇÃO

Comunicação - COM(2000) 239 final 
Comunicação da Comissão sobre os resultados da consulta pública referente à análise 1999 do quadro das comunicações e orientações para o novo quadro regulamentar

A consulta revela a existência de opiniões divergentes sobre certas propostas de acção e de divergências sobre outras. A grande maioria dos intervenientes é favorável às seguintes propostas:

  • Manutenção de uma regulamentação específica do sector paralelamente à política da concorrência e sua supressão logo que os objectivos tenham sido atingidos.
  • Orientação das ERN na sua tomada de decisões a nível nacional para concretizar os objectivos regulamentares propostos na comunicação.
  • Cobertura de todas as infra-estruturas de comunicações e serviços conexos.
  • Maior harmonização da regulamentação nos Estados-Membros.
  • Extensão do princípio das autorizações gerais para a oferta de serviços e de redes de comunicações.
  • Garantia de uma gestão mais eficaz do espectro radioeléctrico e criação de um grupo de peritos em política de gestão do espectro.
  • Manutenção do âmbito de aplicação actual do serviço universal.
  • garantia da possibilidade de acesso separado à linha de assinante em todos os Estados-Membros.
  • Preservação do actual quadro da normalização.
  • Actualização da directiva actual sobre protecção de dados.
  • Revogação da directiva "Linhas alugadas" a partir do momento em que todos os utilizadores benficiem de uma oferta suficiente em regime de concorrência.
  • Estabelecimento de regras que permitam definir os mercados de forma dinâmica no âmbito da apreciação das obrigações em matéria de acesso e de interligação.
  • Garantia de funcionamento das ERN, que devem ser sempre entidades fortes e independentes.

Aspectos sobre os quais existem divergências:

  • O financiamento das ERN através das taxas cobradas pelas licenças.
  • O modo de venda do espectro e a possibilidade de se autorizar um mercado secundário do espectro
  • .A proposta de introdução de dois limiares para a aplicação de obrigações assimétricas em relação ao acesso e à interligação (o poder de mercado e a posição dominante).
  • Orientações destinadas a garantir a oferta do serviço universal a um preço acessível.
  • A portabilidade numérica para os utilizadores móveis.
  • As disposições institucionais (divergência de opiniões quanto ao papel do Comité das Comunicações e do Grupo de Alto Nível das Comunicações).
  • Os sectores em que são necessárias autorizações específicas.
  • Os recursos oferecidos aos utilizadores (como a localização da pessoa que chama nas chamadas de emergência, a transparência das tarifas chamada-a chamada) e a qualidade do serviço (intervenção das ERN sobre as questões da qualidade do serviço).

Com base em todos estes elementos, a Comissão vai propor cinco directivas, durante o mês de Junho de 2000, entre as quais uma directiva-quadro e quatro outras directivas específicas relativas ao regime de concessão de licenças e autorizações, ao acesso e interligação, aos direitos dos consumidores e dos utilizadores em matéria de serviço universal e à protecção dos dados. Os princípios essenciais tidos em conta pela Comissão são os seguintes:

  • As orientações já expostas na comunicação sobre a análise do quadro regulamentar.
  • Um âmbito de aplicação alargado que tenha em conta a infra-estrutura e os serviços conexos.
  • Um sistema de concessão de autorizações gerais.
  • A alteração do conceito de poder de mercado.
  • A definição clara dos mercados em que a regulamentação ex ante continua a ser necessária.
  • A protecção dos direitos dos consumidores e dos utilizadores.
  • A portabilidade numérica.
  • A revisão da directiva relativa aos dados pessoais.
  • O acesso às informações sobre a localização da pessoa que chama, nas chamadas para os serviços de emergência.

5) TRABALHOS POSTERIORES

Directiva 2002/58/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de Julho de 2002, relativa ao tratamento dos dados pessoais e à protecção da privacidade no sector das comunicações electrónicas (directiva "privacidade e comunicações electrónicas") [Jornal Oficial L 201 de 31 de Julho de 2002].

Directiva 2002/21/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 7 de Março de 2002, relativa a um quadro regulamentar comum para as redes e serviços de comunicações electrónicas (directiva-"quadro") [Jornal Oficial L 108 de 24.04.2002].

Directiva 2002/20/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 7 de Março de 2002, relativa à autorização de redes e serviços de comunicações electrónicas (directiva "autorização")[Jornal Oficial L 108 de 24.04.2002].

Directiva 2002/22/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 7 de Março de 2002, relativa ao serviço universal e aos direitos dos utilizadores em matéria de redes e serviços de comunicações electrónicas (directiva "serviço universal") [Jornal Oficial L 108 de 24.04.2002].

Directiva 2002/19/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 7 de Março de 2002, relativa ao acesso e interligação de redes de comunicações electrónicas e recursos conexos (directiva "acesso") [Jornal Oficial L 108 de 24.04.2002].

Decisão 676/2002/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 7 de Março de 2002, relativa a um quadro regulamentar para a política do espectro de radiofrequências na Comunidade Europeia (decisão "espectro de radiofrequências") [Jornal Oficial L 108 de 24.04.2002].

Última modificação: 02.12.2003
Última modificação: 02.12.2003
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página